Abel Ferreira valoriza disputa do Palmeiras pelo terceiro lugar do Mundial

LUCIANO TRINDADE
·3 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Abel Ferreira costuma repetir em suas entrevistas que um time deve ter 24 horas para festejar uma vitória ou lamentar uma derrota. Depois desse tempo, é o momento de seguir em frente. Ainda que a disputa do terceiro lugar do Mundial de Clubes da Fifa não fosse a meta inicial do treinador do Palmeiras, ele agora valoriza o duelo contra o Al Ahly (EGI) nesta quinta (11), às 12h, no Qatar (o SporTV transmitirá a partida). "Não era o que queríamos, mas é onde estamos", afirmou o técnico português. "A mim, sempre ensinaram que é melhor ficar à frente do que atrás, então vamos lutar pelo terceiro lugar." Para o duelo contra os egípcios, Abel pretende fazer mudanças na equipe que acabou derrotada diante do Tigres (MEX), no domingo (7), pela semifinal, por 1 a 0. Segundo o treinador, cada setor do time poderá ter uma ou duas mudanças. "Tivemos nove jogos em dezembro, dez em janeiro, dois em fevereiro, portanto, nesses jogos, eu acho que raramente eu repeti o mesmo time. Para mim, a circunstância é a mudança", disse o técnico. O comandante não citou nomes de quem pretende poupar no duelo. Contra os mexicanos, o Palmeiras jogou com a seguinte formação: Weverton; Marcos Rocha, Luan, Gustavo Gómez e Viña; Danilo, Zé Rafael, Gabriel Menino e Raphael Veiga; Rony e Luiz Adriano. Todos, exceto o goleiro, tiveram atuações abaixo do que vinham apresentando, especialmente os meio-campistas. Alguns, como Gabriel Menino, pareciam nervosos pelo caráter decisivo do confronto. Outros, como Zé Rafael e Danilo, estavam desatentos, errando muitos passes. Na defesa, Marcos Rocha e Luan também sofriam para marcar os homens de frente do Tigres --o zagueiro do time alviverde, inclusive, foi quem cometeu o pênalti sobre González, que resultou no gol do jogo. Abel também espera por uma partida difícil contra o Al Ahly. "É um time que defende em bloco médio, que com bola gosta de assumir o jogo e controlar [o ritmo]", explica o treinador. "O Al Ahly é a segunda equipe com mais presenças no Mundial, desde agosto eles não perdiam um jogo." Antes de encarar o Palmeiras, o time do Egito perdeu a semifinal diante do Bayern de Munique (ALE), por 2 a 0, com dois gols do polonês Lewandowski --alemães e mexicanos decidem o título também nesta quinta-feira (11), às 15h (o SporTV exibe o jogo). Depois de ver frustrado o sonho de conquistar o inédito título do Mundial de Clubes pela segunda vez em sua história, o Palmeiras precisa vencer o Al Ahly para não ser o primeiro sul-americano a não conseguir nem o terceiro lugar desde 2005, quando o formato atual do torneio foi adotado. Internacional (2010), Atlético-MG (2013), Atlético Nacional-COL (2016) e River Plate-ARG (2018) foram os outros clubes que entraram na competição como vencedores da Libertadores, caíram na semifinal, mas venceram, ao menos, a disputa pelo terceiro lugar. Quando voltar ao Brasil, o Palmeiras terá a reta final do Campeonato Brasileiro para cumprir e decidirá a Copa do Brasil contra o Grêmio, nos dias 28 de fevereiro e 7 de março. O primeiro jogo da equipe após o seu retorno será contra o Fortaleza, domingo (14), pelo Nacional. AL AHLY El Shenawy; Hany, Benoun, Ayman e Maaloul; El Soulia, Hamdy e Afsha; Mohsen, Bwalya e Taher. T.: Pitso Mosimane PALMEIRAS Weverton; Mayke, Luan, Gustavo Gómez e Viña; Felipe Melo, Gabriel Menino e Raphael Veiga; Willian, Rony e Luiz Adriano. T.: Abel Ferreira Estádio: Education City, em Doha (QAT) Horário: 12h (de Brasília) desta quinta-feira (11) Árbitro: Maguette Ndiaye (SEN) VAR: Drew Fischer (CAN) Transmissão: SporTV