Abel diz que vitória sobre River não foi espetacular

·3 minuto de leitura

SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) - Para o técnico Abel Ferreira, a vitória do Palmeiras sobre o River Plate (ARG), por 3 a 0, pelo primeiro jogo da semifinal da Copa Libertadores, "não foi espetacular". Em entrevista ao jornal português "A Bola", o comandante alviverde destacou a qualidade da equipe de Marcelo Gallardo. Abel e sua comissão técnica, inclusive, compraram o livro do técnico argentino para se preparar para o confronto. "Um treinador e uma equipe vivem de resultados, e temos que saber onde estamos, o tempo que temos para treinar e percebermos que, durante quatro meses, tivemos exibições fantásticas, contra o Athletico Paranaense, contra o Corinthians e também contra o River Plate", disse Abel que, na sequência, avaliou a vitória sobre os argentinos: "Em termos de jogo jogado, não foi espetacular, achei que foi um jogo tático, um jogo em que tínhamos de ser altamente inteligentes, visto que o nosso adversário era melhor, tinha melhores jogadores e melhor treinador. Dizer isso não é fraqueza, é uma virtude. Nós tínhamos a nossa possibilidade, por isso o futebol é mágico", completou. O triunfo na Argentina garantiu a classificação alviverde para a final da competição, já que o time paulista perdeu por 2 a 0 na volta, no Allianz Parque. Em relação às críticas, o treinador se mostrou "pragmático" e afirmou que "nem Deus agradou a todos". "Sou muito pragmático. Infelizmente, nem Deus agradou a todos, daí vai um indivíduo chamado Abel Ferreira agradar? Impossível. No Brasil, França, Inglaterra, Espanha, o que acontece é: se joga muito no tiki taka, é porque joga no tiki taka, não se faz um futebol mais direto. Se a equipa é muito intensa e competitiva, é porque é muito intensa e competitiva, então não joga nada. Se uma equipa só ganha, é porque só ganha. Se uma equipa só ganha nos últimos minutos, vão falar que é sorte, que não há trabalho", falou Abel. Atual campeão da Libertadores e da Copa do Brasil, Abel revelou o pedido feito pela diretoria alviverde no momento de sua contratação: fazer com que os torcedores identificassem com a forma de jogar da equipe. "Não prometi títulos, prometi trabalho e dedicação, e prometi valorizar os jogadores que tínhamos na formação. E mais: o Palmeiras também não me exigiu títulos. Exigiram que os adeptos se vissem na forma de jogar da equipa. Falo sempre que, no Brasil, não competimos sozinhos, os adversários ganham tanto ou mais do que nós, competem para os mesmos objetivos, com o mesmo material. O Brasil tem um campeonato extremamente competitivo, muitas equipas lutam pelo mesmo", contou. Questionado sobre a qualidade do elenco alviverde em relação a temporadas anteriores, Abel destacou a "unidade, espírito competitivo e grande união" de seus comandados. "Já ouvi dizer que o Palmeiras já teve melhores plantéis do que este. Posso dizer que, com melhores plantéis ou com melhores jogadores do ponto de vista individual, nem sempre se ganha títulos. Ganhamos como equipe. Podemos, eventualmente, ter o melhor plantel e também o melhor treinador, não ter as melhores individualidades, mas este grupo conseguiu formar a melhor equipe, e para se ganhar no futebol é preciso ganhar em equipe. Mostramos unidade, espirito competitivo e uma grande união", opinou Abel Ferreiras, que passa férias em Portugal.