A moda das marmitas: como perder peso e economizar

A moda das marmitas (Foto: Getty Images)
A moda das marmitas (Foto: Getty Images)

A atendente Sabrina Soares dos Santos, de 32 anos, emagreceu quase 20kg no último ano. Ela contou o feito sentada numa das cadeiras de plástico no centro de São Paulo, enquanto uma atendente lhe entregava um pote com três pedaços de brócolis, um filé de peito de frango e purê de mandioquinha.

Já conhece o Instagram do Yahoo Vida e Estilo? Segue a gente!

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

“Além de emagrecer eu economizo uns 30% do meu salário. Só para você ter uma noção eu tenho acumulado no meu vale-refeição mais de mil reais”, fala mostrando o saldo no aplicativo. “Hoje eu posso gastar em outras coisas, tipo restaurante japonês e lanchonetes gourmet”, completa.

Leia também

Sabrina é apenas uma das pessoas que entraram para a estatística de pessoas que estão comendo de forma mais saudável. Segundo uma pesquisa divulgada pela Fiesp – Federação das Indústrias do Estado de São Paulo, oito em cada dez brasileiros (ou seja, 80% dos pesquisados), se esforçam para ter uma alimentação saudável.

E se der para economizar, é melhor ainda já que o número de pessoas que comem em restaurantes está caindo cada vez mais: em 2018, cerca de 68% dos moradores da cidade de São Paulo mantinha o hábito de comer em restaurantes, segundo a consultoria Kantar Brasil. Já em 2019 o número caiu para 62%.

Além dos marmiteiros, os potinhos também estão engordando outros bolsos. Recentemente Maria Aparecida Ferreira abriu um “restaurante de marmitas” na Rua 24 de Maio, no Centro de São Paulo. E engana-se quem acha que a empresária passa os dias cortando e cozinhando: ela ganha dinheiro mesmo esquentando as marmitas.

“Comecei ajudando as pessoas mesmo, porque comer fora está ficando cada vez mais caro. Você viu os preços dos quilos?”, explica Dona Maria, como é conhecida na região. O serviço, que inclui talheres, guardanapos, temperos e serviço de garçonete, custa R$ 2,50. “O pessoal consegue economizar, eu ganho um troquinho e ainda emprego pessoas”, fala.

Outro exemplo é o Espaço Esquentadinha, localizado na Avenida Berrini, em São Paulo. “Eu comecei ajudando um grupo de colegas de trabalho que trabalhava aqui perto. Eles esquentavam e me davam um trocado. Um foi falando para o outro e quando vi que a fila foi aumentando eu fui comprando novos micro-ondas” explica a comerciante Alessandra Oliveira. Atualmente passam por lá cerca de 200 marmiteiros, mas após uma reforma no estabelecimento ela pretende atender 500 clientes. Os valores vão de R$0,50 (para armazenar) e R$2,00 (para esquentar).

Além de aquecer os potinhos, a marmita também aquece a economia: atualmente são 172 mil MEIs registradas como “fornecimento de alimentos preparados preponderantemente para consumo domiciliar”, ou seja, que realiza preparação de refeições ou pratos cozidos, congelados e entregues ou servidos em domicílio. Em 2014 eram 133,3 mil empresas registradas.

“Muito mais que moda, a marmita nasce como uma necessidade de economia: tanto de dinheiro como de tempo. Refeição requer uma logística e cada um equaliza da forma que for mais conveniente: tempo disponível para cozinhar ou comprar refeições congeladas”, explica Karyna Muniz, consultora do Sebrae.

Dicas de Etiqueta

Embora a marmita não seja nova, muita gente ainda tem dúvidas de como se comportar com seu potinho. “O ambiente das áreas de convivência é meio misto. Está entre o da casa e o do restaurante. De um lado, lembra ao da casa porque comemos com pessoas com que convivemos muito -às vezes mais que os próprios parentes- e por isso nos sentimos mais à vontade. Porém, do outro lado, ainda precisamos nos lembrar que é um ambiente corporativo” explica Marli Mazulo, especialista em etiqueta do Senac. Para não fazer feio, aí vão algumas dicas para você não fazer feio com seu potinho:

Olha a fila!

Quem chega ao meio-dia encontra os microondas vazios, mas depois disso vira praticamente a lei do mais forte, por isso seja esperto: coloque a sua marmita sobre o aparelho para guardar o seu lugar. O número de marmiteiros cresce a cada dia e, principalmente, a cada hora.

Sem guardar lugar!

Seja para usar o microondas ou para se sentar à mesa, não é legal guardar lugar. É preciso lembrar que se está entre colegas e não numa competição.

O concorrido microondas

Cubra a marmita, sem isolar, para evitar cheiros e que a comida “exploda” lá dentro. Outra coisa: use apenas potes de plástico para microondas (livre de BPA, substância cancerígena) ou de vidro.

Macro limpeza no micro

Procure deixar sempre limpo. O marmiteiro não está em casa pra postergar a limpeza nem num restaurante com empregados para limpar a sujeira. E outra: passar um paninho não custa nada.

Esqueceram de mim!

A geladeira do trabalho não é a geladeira de casa. Odores que, para uns podem ser normais, pode causar mal-estar para outros. Especialmente molhos esquecidos a meses.

Leia também