86% de brasileiros trairia companheira durante a Copa, diz estudo

Estudo realizado por site de relacionamentos extraconjugais entrevistou mais de 5,5 mil usuários brasileiros da plataforma.
Estudo realizado por site de relacionamentos extraconjugais entrevistou mais de 5,5 mil usuários brasileiros da plataforma. Foto: (RAUL MARTINEZ/POOL/AFP via Getty Images)

Época em que os sentimentos se afloram, o período de Copa do Mundo pode fazer com que alguns relacionamentos amorosos sejam afetados. Ao menos é o que diz a pesquisa feita pelo Gleeden, serviço de relacionamentos extraconjugais, que entrevistou 5.750 brasileiros que fazem uso da plataforma.

O resultado do estudo pode assustar grande parte dos românticos que acreditam no amor monogâmico... 86% dos entrevistados assumiu que poderia, durante uma partida da Copa do Mundo do Catar, que está sendo realizada entre os dias 20 de novembro e 18 de dezembro deste ano, ter um momento de infidelidade com uma pessoa que não faça parte de seu relacionamento.

Leia também:

A pergunta feita aos entrevistados foi a seguinte: "Você aproveitaria um momento em que seu parceiro/sua parceira está assistindo a um jogo de futebol da Copa do Mundo para cometer uma infidelidade com seu/sua amante?". 29% afirmou que sempre que possível faria, enquanto outros 57% disse que algumas vezes poderia dar uma 'escapada' do relacionamento. Apenas 14% dos usuários pesquisados respondeu que não trairia seu parceiro em hipótese alguma.

Já quando o questionamento é feito restringindo os jogos aos da Seleção Brasileira, o Gleeden informa que os resultados mostraram que 100% dos participantes cometeria a infidelidade. Silvia Rubies, diretora de comunicação do serviço, afirmou que: "A pesquisa faz cair por terra o consenso de que o brasileiro ama o futebol acima de qualquer coisa, ou ainda, que é capaz de parar tudo para assistir aos jogos da seleção. Os números deixam claro que não é bem assim, porque 100% dos entrevistados deixariam de assistir a um jogo do Brasil para sair com o amante. Isso mostra que os brasileiros têm outros interesses muito além do futebol".