As 8 improvisações de goleiro mais aleatórias da história do futebol

·5 minuto de leitura

Enzo Pérez tornou-se personagem principal de uma vitória que jamais será esquecida no futebol. Na noite desta quarta-feira (19), River Plate e Santa Fe se enfrentaram pela Copa Libertadores 2021. Até então volante, o jogador precisou virar goleiro para driblar a crise de covid-19 vivida na equipe de Marcelo Gallardo. Com todos seus arqueiros fora de combate, sobrou ao herói da noite assumir a responsabilidade da meta e garantir a vitória por 2 a 1.

Embora seja um caso emblemático, não é único. Ao longo da história, tivemos outros jogadores de linha atuando no gol. Confira.

1. Martín Sarrafiore

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Ninguém poderia prever tudo que iria acontecer naquele duelo entre Fortaleza e Coritiba. Tudo começou na expulsão do goleiro Wilson, advertido com o segundo cartão amarelo depois de se adiantar na cobrança de um pênalti.

Sarrafiore, meia do Coxa, saiu do banco, calçou as luvas e rumou em direção ao gol para defender uma penalidade de Wellington Paulista. E ele conseguiu. Apesar do feito histórico, o Leão triunfou por 3 a 1.

2. Caio Ribeiro

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Nos idos de 1999, Caio Ribeiro tornou-se o primeiro jogador de linha do Flamengo a atuar como goleiro no decorrer de um confronto. A troca inusitada de posições aconteceu no Campeonato Brasileiro, contra o Gama. Na ocasião, o arqueiro Clemer havia sido expulso por defender uma bola fora da área, impedindo tento da equipe brasiliense.

Sobrou ao ex-atacante, que havia entrado no jogo por meio da terceira substituição, assumir o controle da meta e segurar o empate em 1 a 1.

3. Daniel Alves

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Meio-campista? Sim. Lateral-direito? Um dos melhores do Brasil. Goleiro? Também. Em 2018, quando Dani Alves defendia as cores do Paris Saint-Germain, o jogador reinventou a palavra versatilidade, mesmo que por apenas alguns minutos.

Na Copa da França daquele ano, o PSG ganhava do Sochaux por 4 a 1, quando Kevin Trapp foi expulso nos instantes finais da partida. Sobrou para quem? Dani. Sua passagem durou apenas uma cobrança de falta dos adversários.

4. Carlinhos Bala

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

No Campeonato Pernambucano de 2011, Sport e Vitória se enfrentaram em um duelo marcado por acontecimentos inusitados. Já nos acréscimos da partida, o goleiro Saulo balançou as redes de cabeça e se machucou enquanto comemorava.

Carlinhos Bala precisou assumir a responsabilidade da meta da equipe recifense nos instantes finais e segurou o triunfo por 2 a 1. Detalhe importante: o ex-atacante tem 1,62 metros de altura.

5. Diego Souza

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Meia-atacante, centroavante... Diego Souza é outro célebre representante da versatilidade dos brasileiros. Em 2015, quando o jogador defendidas as cores do Sport (sim, de novo), o confronto diante do Flamengo no Campeonato Brasileiro teve contornos dramáticos.

No Maracanã lotado, o goleiro Magrão sofreu uma lesão restando 10 minutos até o apito final. Como as três substituições haviam sido formalizadas, sobrou ao meia atuar na defesa. Durante seu curto período enquanto arqueiro, ele tomou um gol de Everton Ribeiro, que deixou tudo igual em 2 a 2, mas fez uma bela defesa na bola de Gabriel, evitando a virada.

6. Felipe Melo

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Nos idos de 2012, Felipe Melo teve noite de herói na Turquia. Representando o Galatasaray, em duelo contra o Elazigspor, o meio-campista do Palmeiras precisou virar goleiro após expulsão de Fernando Muslera, que cometeu um pênalti aos 44 minutos do segundo tempo.

Quando o uruguaio saiu, o placar marcava 1 a 0, ou seja, uma defesa na penalidade máxima evitaria um doloroso empate. O triunfo foi assegurado depois de um pulo certeiro do atleta brasileiro.

7. Edmundo

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

O Vasco já formou grandes goleiros ao longo dos anos. Mas ter um jogador de linha se aventurando na função é um acontecimento ímpar. Em 2008, quando Vasco e Cruzeiro se enfrentavam, Edmundo precisou calçar luvas após expulsão do arqueiro Tiago - à época, as três substituições já haviam sido feitas.

O Animal assumiu o gol quando o Cruzmaltino perdia por 2 a 0. Ele ainda tomou um gol de pênalti e sacramentou a derrota por 3 a 1. Contudo, o atacante saiu aplaudido em pleno São Januário pelo esforço.

8. Lucas Ocampos

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Autor do gol e da defesa mais importante da partida? Aconteceu... e não faz muito tempo. Em 2020, Lucas Ocampos, do Sevilla, balançou as redes contra o Eibar e precisou assumir papel de arqueiro, após lesão de Vaclik. As cinco substituições haviam sido formalizadas, ou seja, não tinha como fugir: um jogador de linha precisaria se encarregar da função.

O argentino calçou as luvas e, no último lance, espalmou uma bola chutada por Dmitrovic, goleiro adversário que estava na linha de ataque, garantindo vitória por 1 a 0.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos