8 clubes-empresa que deram errado ou decretaram falência ao redor do mundo

Fabio Utz
·3 minuto de leitura

Virar clube-empresa é solução para times de futebol? A história mostra que não! Muitas equipes, literalmente, tiveram que recomeçar do zero após parcerias furadas. O 90min relembra oito modelos em lugares variados do mundo que não deram nada certo.

1. Figueirense

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Buscou uma parceria com a empresa Elephant, mas não vingou, tanto que recentemente entrou com um pedido de recuperação judicial - inicialmente negado. Depois de se tornar clube-empresa, caiu para a terceira divisão nacional.

2. Vitória

Time demorou uma década para reverter "aventura" | Felipe Oliveira/Getty Images
Time demorou uma década para reverter "aventura" | Felipe Oliveira/Getty Images

No ano 2000, o então presidente, Paulo Carneiro vendeu 50,1% das ações do Vitória S.A – que cuidava apenas do departamento de futebol da entidade esportiva – para investidores argentinos do Fundo Exxel Group. Foi uma aventura que durou nada menos que dez anos para ser completamente revertida.

3. Jiangsu Suning

Grupo fecha as portas do clube ao não encontrar comprador | STR/Getty Images
Grupo fecha as portas do clube ao não encontrar comprador | STR/Getty Images

O Grupo Suning fechou as portas do clube chinês há alguns dias. Não houve compradores e, por isso, sequer foi inscrito na liga nacional.

4. Belenenses

Clube entrou em uma furada ao ceder suas ações | Carlos Rodrigues/Getty Images
Clube entrou em uma furada ao ceder suas ações | Carlos Rodrigues/Getty Images

Em 2012, o clube cedeu 51% da ações para uma empresa chamada Codecity. Logo percebeu que entrou numa furada, tendo novos donos que pouco se importavam com a história e que ignoravam as opiniões dos sócios. O Belenenses resolveu recomeçar nas divisões amadoras do Campeonato Português, enquanto o Belenenses Sociedade Anônima Desportiva manteve seu insosso modelo empresarial na primeira divisão.

5. Bury

História centenária foi à bancarrota na Inglaterra | Lewis Storey/Getty Images
História centenária foi à bancarrota na Inglaterra | Lewis Storey/Getty Images

Faliu e foi proibido de disputar competições profissionais. A administração do clube falhou na missão de encontrar um parceiro ou um comprador disposto a cobrir as dívidas. Steve Dale chegou a comprar o Bury, mas não conseguiu cumprir compromissos.

6. Parma

Time precisou recomeçar na quarta divisão | BSR Agency/Getty Images
Time precisou recomeçar na quarta divisão | BSR Agency/Getty Images

O clube chegou a declarar falência depois de perder a parceria da Parmalat e ficar sem dinheiro, até, para pagar água. Segundo as leis italianas, precisou mudar de nome, e distintivo, recomeçando na quarta divisão nacional, considerada amadora.

7. Málaga

Investimento de xeque do Catar ruiu o clube | Fran Santiago/Getty Images
Investimento de xeque do Catar ruiu o clube | Fran Santiago/Getty Images

Em 2010, foi comprado pelo xeique Abdullah bin Nasser bin Abdullah Al Ahmed Al Thani, membro da família real do Catar. Depois de um gigantesco investimento inicial, tudo indica que a burocracia espanhola tenha feito com que o milionário perdesse o interesse e deixasse de lado o clube. O destino não poderia ser outro: a segunda divisão.

8. Botafogo-SP

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

A chamada S/A foi oficializada em 2018, tendo um acordo de acionistas com a Trexx Sports. Só que este é mais um exemplo que mostra que investir e gerir ao mesmo tempo não dá muito certo. Após cair para a Série C do Brasileiro, a luta contra o rebaixamento estadual virou realidade.