6 zoeiras históricas envolvendo Cruzeiro e Galo

Antonio Mota
·4 minuto de leitura

Neste domingo (11), o Cruzeiro vai receber o Atlético-MG no Mineirão, às 16h (de Brasília), pela nona rodada do Campeonato Mineiro de 2021. O Clássico Mineiro marca o primeiro encontro dos arquirrivais na temporada de cem anos da maior rivalidade de Minas Gerais e certamente tem tudo para ser mais um importante (e provocativo) embate entre a Raposa e o Galo. E, claro, ao longo da centenária rivalidade, há muitas “zoeiras”. Confira:

1. Roger e o 6 a 1

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

O Cruzeiro goleou o Atlético por 6 a 1 no Campeonato Brasileiro de 2011 – placar que representa a maior goleada celeste no clássico. No ano seguinte, Roger Flores, ex-meia da Raposa e hoje comentarista, foi provocado pela Nação Alvinegra e não perdoou: ele levantou as mãos e fez o sinal. Muita zoeira.

2. Atlético-MG 9 a 2 Cruzeiro

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Se o Cruzeiro tem o 6 a 1 ao seu favor, o Atlético tem o famoso 9 a 2 aplicado no então Palestra Itália, no Campeonato da Cidade – equivalente ao Estadual de hoje –, em 1927. O placar nunca será esquecido pelo Galo – e, consequentemente, pela Raposa.

3. Time grande não cai

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

O Cruzeiro foi rebaixado para a Série B do Campeonato Brasileiro pela primeira vez em 2019. Antes, porém, a Raposa pregava que “time grande não cai”, tendo até uma camisa com a frase. Após a queda, o Atlético-MG, que foi rebaixado 12 anos antes, não deixou barato.

4. Flanelinhas

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

O Cruzeiro lembrou do Brasileirão de 2009 para zoar o Atlético em 2010. À época, os torcedores celestes levaram milhares de “flanelinhas” ao antigo Mineirão. A provocação teve relação com a campanha dos clubes na Série A da temporada anterior: o Galo chegou a ser o líder do torneio enquanto a Raposa estava na zona de rebaixamento. Porém, o Alvinegro perdeu força e despencou na tabela, enquanto a Celeste reagiu e acabou conquistando uma vaga para a Libertadores.

Assim, zoando que o Galo teria “guardado a vaga” para a Raposa, a torcida azul provocou.

5. Fábio de ‘costas’

Fábio bobeou, e o Atlético marcou o quarto contra o Cruzeiro. | Juliana Flister/Getty Images
Fábio bobeou, e o Atlético marcou o quarto contra o Cruzeiro. | Juliana Flister/Getty Images

Polêmica! O Atlético-MG venceu o Cruzeiro por 4 a 0 na partida de ida da final do Campeonato Mineiro de 2007. E um dos gols do Galo foi bastante inusitado. Revoltado, Fábio ficou reclamando de um pênalti e virou as costas para ir pegar a bola, sem ver que o árbitro já havia dado largada no meio de campo. Esperto, o atacante Vanderlei aproveitou a bobeada do goleiro e finalizou para “fechar o caixão”. O arqueiro ficou revoltado.

6. Quarta-feira tem mais?

Deu ruim para o Cruzeiro! E Goulart foi provocado. | Lucas Uebel/Getty Images
Deu ruim para o Cruzeiro! E Goulart foi provocado. | Lucas Uebel/Getty Images

Bicampeão da Série A do Campeonato Brasileiro em 2014, o Cruzeiro não deu sorte na final da Copa do Brasil daquele ano contra o Atlético-MG. E Ricardo Goulart pagou o pato. Após vencer o Brasileirão, o atacante declarou “quarta-feira tem mais”, fazendo alusão a decisão da copa. Porém, na final, o Galo venceu novamente – já havia ganhado a ida por 2 a 1 – e foi campeão, o que deu brechas para a torcida atleticana provocar.