5 imagens que só os Estaduais são capazes de nos proporcionar

·4 minuto de leitura

Eles já não contam com o prestígio e com a popularidade de outrora. Alguns, inclusive, enfrentam tamanha 'crise' que sequer contam mais com premiações.

Mas os Campeonatos Estaduais ainda reservam cenas emocionantes e que ficam eternizadas na memória de jogadores, funcionários e principalmente dos torcedores, que são a alma do futebol.

A seguir, listamos 5 imagens maravilhosas que só os Estaduais são capazes de proporcionar:

1. O abraço de Kuki e Kieza

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Kuki é um dos grandes ídolos contemporâneos do Náutico, mas assim como tantos outros jogadores importantes que passaram pelo Timbu, ele não conseguiu vencer, dentro das quatro linhas, um título pernambucano em cima do rival Sport Recife.

Uma das cenas mais bonitas que a noite de domingo proporcionou foi o abraço dele, hoje auxiliar técnico alvirrubro, no centroavante Kieza, grande nome do atual elenco do Náutico. O camisa 9 foi o artilheiro do Timbu na competição com 10 gols anotados.

2. A resenha do campeão Atlético de Alagoinhas (BA)

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Pela primeira vez na história, o Campeonato Baiano foi decidido por duas equipes do interior do Estado: Bahia de Feira e Atlético de Alagoinhas, que fizeram uma final de tirar o fôlego e recheada de grandes emoções.

Após empate por 2 a 2 no jogo de ida, o Carcará venceu a volta por 3 a 2, de virada, celebrando o primeiro título de "nível elite" de sua existência. Foram 51 anos de espera (o clube foi fundado em 1970) até a celebração de um título de primeira divisão, feito histórico e que certamente foi celebrado com muito 'danone' pelos jogadores do Alagoinhas.

O volante Willian Kaefer deu o papo na rodinha pós-jogo...

3. O choro de Luan

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Luan não teve uma temporada 2020 das mais tranquilas, e chegou a ter sua venda ao futebol estrangeiro quase selada pelo São Paulo. Seria mais um dos tantos guris vendidos ao exterior antes mesmo de ter conquistado uma taça pelo clube do coração.

Mas ele ficou e conseguiu dar a volta por cima em 2021, sob a batuta de Crespo. Com atuações exuberantes no Paulista, o volante foi peça-chave para a grande campanha do Soberano, e acabou recompensado com o gol que abriu caminhos para a vitória tricolor por 2 a 0 contra o Palmeiras, no jogo decisivo de ontem (23).

Desabafo e muitas lágrimas marcaram a celebração de Luan, como podemos ver nessa imagem.

4. A festa da Dona Edna, torcedora do Náutico

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Dona Edna viralizou nas redes sociais e virou protagonista até de matéria no globoesporte.com por conta de suas comemorações entusiasmadas na varanda de seu apartamento, provocando a família vizinha, formada por torcedores do Sport Recife. Todos são amigos, mas isso não impede que a coisa esquente em dias de clássico no Pernambuco.

O vídeo das duas famílias discutindo e trocando provocações cada um em sua varanda rodou as redes sociais após o primeiro jogo da final, e ontem, depois da conquista do título estadual pelo Náutico - encerrando um tabu que já durava 53 anos -, dona Edna não perdeu a oportunidade: repetiu a dose.

5. A promessa de Ricardinho

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

O jovem atacante do Grêmio emocionou a todos ao cruzar todo o gramado do Beira-Rio de joelhos, depois da vitória tricolor por 2 a 1, no primeiro jogo da decisão do Campeonato Gaúcho. Promovido a campo no decorrer do duelo, Ricardinho anotou o gol que selou o triunfo gremista, já nos minutos finais da partida na casa rival. Ele dedicou o seu gol ao seu pai e ao seu avô, duas das quase 450 mil vítimas da Covid-19 no Brasil.

Não é nenhum absurdo dizer que este foi o "gol do título", já que o segundo e derradeiro clássico, disputado na Arena, terminou empatado em 1 a 1.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos