5 craques que, assim como Ibrahimovic, voltaram para suas seleções após se despedirem

Lucas Humberto
·3 minuto de leitura

A convocação de Zlatan Ibrahimovic para seleção sueca deixou muitos torcedores eufóricos. O craque de 39 anos já havia se aposentado do time nacional, mas decidiu defender seu país mais uma vez nas Eliminatórias da Copa do Mundo.

Conforme lembrado pelo Blog do Torcedor, assim como o centroavante sueco, outros grandes nomes do futebol já voltaram a vestir as cores da sua seleção após terem se despedido. Veja:

1. Pelé

O Rei reconsiderou sua aposentadoria e ainda saiu como campeão. | Alessandro Sabattini/Getty Images
O Rei reconsiderou sua aposentadoria e ainda saiu como campeão. | Alessandro Sabattini/Getty Images

Pelé já era bicampeão da Copa do Mundo (1958 e 1962), quando viveu um pesadelo no Mundial de 1966, na Inglaterra. Vítima de investidas violentas dos adversários e da condescendência dos árbitros, ele decidiu deixar a camisa do Brasil.

Entretanto, com a aproximação da Copa do Mundo de 1970, o Rei repensou sua decisão e, sob o comando de Zagallo, brilhou no México para conquistar seu terceiro mundial. Ele se aposentou do time nacional no ano seguinte.

2. Zinédine Zidane

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Com a eliminação dos franceses nas quartas de final da Euro 2004, Zidane anunciou que deixaria os Bleus. Contudo, ele reconsiderou sua decisão e retornou no ano seguinte. Sob comando de Raymond Domenech, o jogador conduziu sua seleção à final da Copa do Mundo de 2006, mas encerrou a carreira pelo time nacional sendo expulso, em razão da famosa cabeçada no peito do italiano Marco Materezzi. A França perdeu a partida nos pênaltis.

3. Ronaldinho Gaúcho

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Durante os melhores anos de sua curta carreira, Ronaldinho Gaúcho sempre foi 'figurinha carimbada' na Seleção Brasileira. Campeão em 2002 e titular em 2006, ele ficou de fora das listas durante 18 meses e não estava presente na convocação inicial para o Mundial de 2010. No fim das contas, ele ficou entre os suplentes, mas acabou não participando do torneio. Meses depois, o craque voltou a ser convocado regularmente, até 2013.

4. Lionel Messi

Apesar das pausas, Messi não parece disposto a abandonar sua seleção. | Pool/Getty Images
Apesar das pausas, Messi não parece disposto a abandonar sua seleção. | Pool/Getty Images

A sequência de insucessos da seleção argentina entre 2014 e 2016 afastaram Messi no time nacional. Após perder o título da Copa América, o craque declarou: "A primeira coisa que me veio à cabeça e pensei no vestiário é que já deu, a seleção acabou para mim. Já são quatro finais, não é para mim. Infelizmente procurei, era o que eu mais queria, não me foi dado, mas acho que deu".

A suposta aposentadoria, contudo, não durou muito: ele voltou atrás dois meses depois. Mais tarde, participou da Copa do Mundo de 2018 e acabou sendo eliminado nas oitavas de final. Messi resolveu dar outra pausa, mas retornou no início de 2019. Será que veremos ele em ação pela Argentina em 2022?

5. Paul Gascoigne

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Gascoigne ficou conhecido no futebol inglês pela sua excentricidade característica. Ele também é lembrado por conta das lágrimas derramadas após ser derrotado na semifinal da Copa do Mundo de 1990. Na ocasião, a Inglaterra foi eliminada nos pênaltis para a Alemanha.

O meia-atacante acabou sendo deixado de lado por Graham Taylor, treinador que sucedeu Robson. Embora tenha eventualmente retornado, ele se machucou e perdeu a Euro de 1992. Sofreu uma nova lesão em 1994 e ficou ausente por mais de um ano. Em 1997, por sua vez, Gascoigne ajudou a Inglaterra na classificação para a Copa do Mundo de 1998 na França.

Enfrentando mais uma polêmica na carreira, o jogador ficou de fora das convocações para o Mundial. Ele nunca mais defendeu as cores da Inglaterra.