5 coisas que você provavelmente não sabia sobre o Daft Punk

Rafael Monteiro
·3 minuto de leitura
French musical group Daft Punk during the concert for the 20 years of Lo Zoo di 105 at the Hippodrome. Milan (Italy), July 8th, 2019 (Photo by Marco Piraccini/Archivio Marco Piraccini/Mondadori via Getty Images)
Daft Punk (Photo by Marco Piraccini/Archivio Marco Piraccini/Mondadori via Getty Images)

Após 28 anos de carreira, o Daft Punk chegou ao fim nesta segunda-feira (22). Duo de música eletrônica mais importante das últimas décadas, Guy-Manuel de Homem-Christo e Thomas Bangalter se despediram do público com um vídeo de 8 minutos chamado "Epílogo", no qual se autodestroem no deserto. Eles não revelaram se seguirão em caminhos diferentes ou se criarão um novo projeto em conjunto.

Baixe o app do Yahoo Mail em menos de 1 min e receba todos os seus emails em 1 só lugar

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Google News

Não poderia haver despedida mais apropriada para uma dupla que mudou a música eletrônica com batidas únicas, perfeccionismo e conceito visual, tudo isso sem requisitar o posto de famosos. Em homenagem aos dois, reunimos cinco fatos elementares que ajudam a explicar o que havia de tão brilhante por dentro dos capacetes mais icônicos da música pop.

Leia também:

Quem são eles

Guy-Manuel de Homem-Christo e Thomas Bangalter são os homens por trás dos capacetes robóticos. Os dois são franceses, têm 46 anos e não costumam dar muitas entrevistas - e nem precisam. Com o visual cibernético e som característico, eles criaram um capítulo próprio na história da música eletrônica, com hits que alcançaram os primeiros lugares das paradas mundiais, como as clássicas "Get Lucky" e "One More Time".

Ligação com o Brasil

Daniel Bangalter, pai de Thomas, mora no Brasil. Compositor e produtor musical requisitado nos anos 1970, ele desencanou da música no início dos anos 2000 e escolheu o Brasil como refúgio na aposentadoria. Como contou o Popload, o francês primeiro se mudou para Caraíba (BA), onde conheceu a sua esposa mineira - que o convenceu a morar em Belo Horizonte. Na época da reportagem, ele vivia no trajeto Bahia-Minas Gerais e ganhava dinheiro - apesar de ajudar na produção de alguns trabalhos de grupos musicais brasileiros - com uma pousada e duas pizzarias (uma em cada estado) que abriu em nosso país.

De onde vem o nome

Em homenagem aos Beach Boys, o duo se chamava "Darlin" no início da carreira e apostava as suas fichas no rock. Eles decidiram mudar o nome de trabalho após a revista britânica Melody Maker chamar o trabalho da dupla de "daft punk thrash” - algo que pode ser traduzido como “punks idiotas e bobos". Eles gostaram tanto do xingamento que decidiram adotar como marca registrada ao assumir o eletrônico como sonoridade.

Primeira aparição na TV

Mesmo tendo começado a carreira em 1993, a primeira aparição do duo na TV só aconteceu em 2008. E só por causa de Kanye West. A dupla topou acompanhar o rapper numa apresentação da versão remixada de "Stronger", no Grammy de 2008, onde eles puderam mostrar os seus capacetes ao vivo e a cores para o mundo pela primeira vez.

Tecnologia no capacete

Os capacetes de robôs são tão luxuosos quanto parecem. Os primeiros modelos usados pela dupla foram criados pela Alterian Inc., empresa que cria efeitos especiais para o cinema. Com o tempo, eles foram aperfeiçoando a ideia do "sci-fi glam", acrescentando ainda mais funções ao acessório, como painéis de LED, chromos lustrosos e até mesmo ar-condicionado interno. Pouca sofisticação sempre foi bobagem no caso do Daft Punk.

Assine agora a newsletter Yahoo em 3 Minutos

Siga o Yahoo Vida e Estilo no Instagram, Facebook, Twitter e YouTube