5 clubes que, no meio da temporada, já sabíamos que seriam rebaixados

Nathalia Almeida
·3 minuto de leitura

A ameaça de rebaixamento é um 'fantasma' que, todo ano, atormenta diversas equipes tradicionais em todas as divisões do futebol brasileiro.

Algumas dessas equipes, como o Náutico na atual edição da Série B, se recusam a cair sem luta e conseguem arrancadas espetaculares, evitando o desfecho que parecia iminente.

Outras, no entanto, simplesmente não conseguem mostrar qualquer poder de reação e 'abraçam' a realidade que lhes é apresentada.

A seguir, listaremos 5 times que já 'davam pinta' de rebaixado no meio da temporada:

1. Paraná

Paraná precisa de milagre para permanecer na Série B | Robson Mafra/Agif/Gazeta Press
Paraná precisa de milagre para permanecer na Série B | Robson Mafra/Agif/Gazeta Press

O Tricolor ainda não está matematicamente rebaixado, mas precisará de um milagre para permanecer na Série B: vencer seus dois jogos e torcer por duas derrotas do Vitória nos dois compromissos finais da equipe baiana.

Discorrido o cenário praticamente impossível, não dá para dizer que o Paraná não cavou a própria cova: demitiu seu ótimo treinador, Allan Aal, depois uma sequência ruim de resultados ainda na primeira metade da temporada. Depois disso, foi só ladeira abaixo. O técnico, por sua vez, foi escolhido para substituir Marcelo Chamusca no Cuiabá e conquistou o acesso com o Dourado.

2. Coritiba

2020 Brasileirao Series A: Sao Paulo v Coritiba Play Behind Closed Doors Amidst the Coronavirus | Alexandre Schneider/Getty Images
2020 Brasileirao Series A: Sao Paulo v Coritiba Play Behind Closed Doors Amidst the Coronavirus | Alexandre Schneider/Getty Images

O Coxa não está morto ou entregue, ao ponto de ter somado pontos em todos os últimos quatro jogos que disputou na Série A, mas sua situação já era tão calamitosa que os empates não tem gerado grande efeito na situação do time.

O elenco desequilibrado e as muitas trocas de comando ajudam a explicar o péssimo ano do tradicional clube paranaense, campeão brasileiro de 1985. De acordo com o site Chance de Gol, o Coritiba tem, neste exato momento, 99,1% de chance de rebaixamento à Série B.

3. Botafogo-SP

Clube de Ribeirão Preto disputará a Série C | JÉSSICA SANTANA/FramePhoto/Gazeta Press
Clube de Ribeirão Preto disputará a Série C | JÉSSICA SANTANA/FramePhoto/Gazeta Press

A equipe de Ribeirão Preto teve um primeiro turno de Série B para se esquecer, praticamente 'definindo' seu rebaixamento ainda na metade da temporada. A prova de que o time mais futebol do que aquele apresentado no primeiro semestre está no nível de atuações recentes do Botafogo: passou a jogar bem melhor a partir de dezembro, arrancando vitórias expressivas contra Ponte Preta, Chapecoense e Sampaio Corrêa.

4. Oeste

Oeste foi rebaixado com quatro rodadas de antecedência | Vinnicius Silva/Am Press & Images/Gazeta Press
Oeste foi rebaixado com quatro rodadas de antecedência | Vinnicius Silva/Am Press & Images/Gazeta Press

O clube de Itápolis está na zona de rebaixamento desde a quarta rodada da Série B e é o lanterna da competição desde a décima, portanto, trata-se de uma queda que todos nós já esperávamos desde a metade da temporada. Matematicamente, no entanto, o rebaixamento da equipe paulista só se confirmou após o encerramento da 34ª jornada.

A temporada 2020 foi terrível para o Rubrão, afinal de contas, a equipe também caiu para a Série A2 do Campeonato Paulista.

5. Botafogo

2020 Brasileirao Series A: Atletico Mineiro v Botafogo Play Behind Closed Doors Amidst the | Pedro Vilela/Getty Images
2020 Brasileirao Series A: Atletico Mineiro v Botafogo Play Behind Closed Doors Amidst the | Pedro Vilela/Getty Images

Dono de uma das histórias mais bonitas do futebol brasileiro, o Alvinegro sairá menor da temporada 2020 por conta de seus próprios erros. Com um planejamento de ano completamente equivocado e totalmente perdido em nível esportivo, administrativo e financeiro, o Glorioso tem, neste momento, a pior campanha geral dentre os 40 clubes das Séries A e B, com apenas 23 pontos conquistados em 32 jogos.

Entre interinos e treinadores oficialmente contratados, sete nomes diferentes passaram pela área técnica do Botafogo na temporada. Prova da falta de convicção e da falta de projeto em General Severiano.