2 - Técnico do Palmeiras se exalta e diz que foi ofendido 'como homem'

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Após a vitória por 3 a 2 do Palmeiras sobre o Peñarol pela Libertadores e a pancadaria generalizada que sucedeu a partida, o técnico Eduardo Baptista deu entrevista coletiva em tom de desabafo. Mais do que tratar do jogo ou da violência, o treinador comentou informação publicada por Juca Kfouri, colunista da Folha de S.Paulo, de que o atacante Róger Guedes teria saído da concentração do Palmeiras antes do primeiro jogo contra o Peñarol.

O técnico ficou particularmente incomodado com informação de que ele teria sido contratado pelo diretor de futebol Alexandre Mattos por ser "maleável", e que ele teria escalado Guedes como titular no segundo jogo contra a Ponte Preta a pedido de Mattos.

"Colocaram algumas coisas sobre a minha pessoa. Além da parte tática. Escutei uma pessoa importante que admiro falando falando que o Mattos escalou o Róger. Sou um cara muito sério. O Willian não jogou depois do jogo da Ponte, ele ficou uma semana sem jogar. Por isso resolvi pelo Róger Guedes. Se cobra tanto que os treinadores estudem. Muita gente boa está surgindo. Os treinadores estão estudando. Quem colocou isso tem de ter responsabilidade", disse, aos berros.

"Sou um cara sério. Mas vocês conhecem minha família, o meu pai [o técnico Nelsinho Baptista]. Tento respeitar e passar o máximo de informação. Falar que sou maleável aí ofendeu o homem. Com mentiras se ganhou uma eleição nos Estados Unidos. Quando fala uma notícia tem que falar a fonte. Não pode ser fofoca. O futebol está acima. Chega uma hora que ofende o homem. Sou homem para c... O Willian não jogou porque não treinou uma semana, por isso o Róger jogou com a Ponte Preta. Se amanhã eu sair e perder, saio de cabeça erguida e olhando no olho de cada um", completou.

Sobre a confusão após o jogo, o técnico disse que foi premeditado.

"Poderia ter sido muito pior. O estádio fechou os portões e não deixou a gente sair. Os seguranças da casa nos impediram de sair. Os nossos seguranças deixaram a gente sair. Viemos para jogar futebol. O Peñarol foi melhor no primeiro tempo, e o Palmeiras melhor no segundo", disse.