2 - Rafaela Silva e Isaquias Queiroz são as estrelas de premiação do COB

LÉO BURLÁ

RIO DE JANEIRO, RJ (UOL/FOLHAPRESS) - Na noite de coroação aos maiores nomes do esporte brasileiro em 2016, o Prêmio Brasil Olímpico, a judoca Rafaela Silva e o canoísta Isaquias Queiroz foram as estrelas. Eles foram escolhidos como os principais atletas do ano, graças aos excelentes desempenhos nos Jogos Olímpicos do Rio.

Isaquias, aliás, quebrou o protocolo ao pedir a namorada Laina Guimarães em casamento logo após receber a premiação. Ele deixou o troféu no chão do palco, desceu até a plateia, ficou de joelhos e fez o pedido, que foi aceito, para aplausos gerais.

"Esperava que ele me pedisse em casamento na Bahia. Falei pra ele que estou grávida e não posso ter essas emoções", brincou Laina. "Comprei o anel escondido dela em Minas. Espero que ela não tenha desmaiado", completou Isaquias.

Rafaela e Isaquias foram eleitos por um júri formado por atletas, ex-atletas e dirigentes. A cerimônia anual do Comitê Olímpico Brasileiro (COB) foi realizada nesta quarta-feira (29) na Cidade das Artes, no Rio de Janeiro, e também premiou os melhores em cada modalidade.

Isaquias, que conquistou duas medalhas de prata e uma de bronze na canoagem da Rio-2016, levou o prêmio pela segunda vez – já havia sido escolhido em 2015. "Estou muito emocionado. Estou mais feliz neste ano que em 2015, pelas três medalhas nos Jogos Olímpicos. Não foi fácil", disse um emocionado Isaquias no palco, ao receber a premiação.

Já Rafaela, medalhista de ouro em casa, ganhou pela primeira vez a honraria. Ela também faturou o prêmio "Atleta da Torcida", definido por votação na internet. "Estou muito feliz com esse prêmio, é muito especial para mim. Gostaria que esse prêmio e essa medalha inspirassem mais meninas a praticar esporte. Acreditem no sonho de vocês", disse a judoca, em vídeo gravado para o evento.

A canoagem também foi contemplada com o troféu de melhor técnico em esportes individuais. Responsável pela ascensão de Queiroz, Jesús Morlán foi o eleito. O treinador espanhol, que luta contra um tumor no cérebro e não pôde comparecer ao evento, foi ovacionado pela plateia.

Nos esportes coletivos, quem ganhou foi Rogério Micale, treinador do futebol masculino no inédito ouro olímpico – e demitido da CBF após campanha ruim no Sul-Americano Sub-20 deste ano. "Obrigado ao povo carioca que nos abraçou de uma forma incrível e a todos os atletas", disse ele.

Já o técnico Bernardinho, que deixou a seleção masculina de vôlei em 2017 após 16 anos no comando, ganhou o prêmio Adhemar Ferreira da Silva. A homenagem é concedida a ex-atletas com destaque olímpico em suas carreiras.

Confira os vencedores dos prêmios de cada modalidade:

Atletismo: Thiago Braz

Natação: Etiene Medeiros

Saltos ornamentais: Hugo Parisi

Nado sincronizado: Luisa Borges e Duda Micucci

Desportos na neve: Jaqueline Mourão

Taekwondo: Maicon Siqueira

Boxe: Robson Conceição

Ciclismo BMX: Priscilla Carnaval

Ciclismo de pista: Gideoni Monteiro

Rúgbi: Beatriz Futuro

Triatlo: Manoel Messias

Remo: Fernanda Ferreira e Vanessa Cozzi

Canoagem slalom: Pedro Henrique da Silva

Canoagem velocidade: Isaquias Queiroz

Hipismo saltos: Pedro Veniss

Tiro esportivo: Felipe Wu

Tiro com arco: Anne Marcelle dos Santos

Ginástica artística: Diego Hypolito

Ginástica rítmica: Natália Gaudio

Ginástica de trampolim: Rafael Andrade

Vôlei: Serginho

Vôlei de praia: Alison e Bruno Schmidt

Futebol: Neymar

Vela: Kahena Kunze e Martine Grael

Levantamento de peso: Fernando Reis

Judô: Rafaela Silva

Luta olímpica: Aline Silva

Ciclismo de estrada: Flavia Paparella

Hóquei sobre grama: Stéphane Smith

Hipismo adestramento: João Victor

Hipismo CCE: Carlos Parro

Tênis de mesa: Hugo Calderano

Handebol: Maik

Polo aquático: Felipe Perrone