2 - Polícia fala em terrorismo contra ônibus do Borussia e prende um suspeito

SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) - As autoridades do governo da Alemanha admitiram pela primeira vez que tratam as explosões próximas ao ônibus do Borussia Dortmund, na terça (11), como um atentado terrorista. O veículo foi atingido por um artefato que quebrou os vidros e feriu o zagueiro Bartra antes da partida contra o Monaco, pela Liga dos Campeões.

A polícia alemã comunicou ter prendido uma pessoa e investiga outros dois suspeitos que seriam ligados a grupos islâmicos. Até o momento, as autoridades têm duas linhas de investigação: a primeira sobre uma carta deixada próxima ao local do ataque. A segunda seria sobre conteúdo publicado em site de um grupo

de extrema esquerda.

De acordo com a polícia, os explosivos continham fragmentos metálicos, com alto poder de destruição. "Podemos estar felizes por nada de pior ter acontecido", disse o ministro do Interior do estado da Renânia do Norte-Vestfália, Ralf Jäger, em entrevista coletiva na manhã desta quarta-feira (12).

Os materiais explosivos foram colocados atrás de uma cerca, no caminho que o ônibus do Borussia fazia rumo ao estádio Signal Iduna Park. Três artefatos foram acionados assim que o ônibus passou pelo local, sendo que um deles acabou acertando vidros do veículo. "Eles têm alcance de até 100 m", citou a polícia,

destacando que o artefato que atingiu o ônibus estaria a 10 metros do veículo.

Único ferido na ação terrorista, o zagueiro Bartra sofreu lesões no braço, e não corre risco de morrer. A partida entre Borussia x Monaco, que aconteceria na terça (11), foi remarcada para esta quarta (12), às 13h45 (horário de Brasília), pela Liga dos Campeões.