2 - Felipe Melo diz que jogador do Peñarol o chamou de 'macaco', mas não levará caso adiante

4 - "Roubo" , diz jornal uruguaio sobre gol do Palmeiras nos acréscimos

EDUARDO RODRIGUES

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A vitória do Palmeiras sobre o Peñarol, por 3 a 2, nesta quarta-feira (12), teve mais um caso de injúria racial no futebol, segundo relatou Felipe Melo.

Na saída do gramado, o volante palmeirense disse que durante o confronto entre as equipes, Gaston Rodríguez, autor do segundo gol dos uruguaios, o chamou de macaco.

"Ele [Rodríguez] ficou me chamando de macaco. Sou preto mesmo. A mulher dele deve ter tido algum problema com um negão ou alguma coisa assim. Se fosse o Felipe de tempos atrás, já virava um socão. Tenho aprendido muito, graças a Deus ", esbravejou Melo.

Embora tenha sido vítima da injúria racial, o jogador afirmou que não levará o caso à polícia. O crime pode render reclusão de um a três anos e multa ao agressor.

"Vieram me pedir desculpas. O Cebola Rodriguez me chamou, o capitão veio junto e me pediram desculpa. Espero que não aconteça mais. Acabei de falar, está desculpado e não vou levar adiante. Vou tacar pedra no cara? O mal tem de ser cortado pela raiz. Espero que não aconteça mais", finalizou.

Felipe Melo foi provocado durante todo o duelo. Logo aos 3 min, jogadores do Peñarol foram para cima do volante e ele nada fez. A cena se repetiu em outras ocasiões. Aos 18 min da etapa final, porém, ele não pôde evitar o amarelo ao fazer falta dura após carrinho.

Pendurado, foi substituído por Thiago Santos aos 24 min. Ele viu do banco de reservas o gol de Fabiano, aos 54 min, que garantiu a vitória e a primeira posição do Grupo 5 da Libertadores ao Palmeiras.

O clube alviverde volta a campo pela Libertadores no dia 26 de abril, quando enfrenta o Peñarol fora de casa. Antes, a equipe terá os duelos contra a Ponte Preta pela semifinal do Campeonato Paulista.