10 filmes da Netflix com cenas quentes de sexo

Yahoo Vida e Estilo
Confira 10 filmes picantes disponíveis na Netflix (Getty Images)
Confira 10 filmes picantes disponíveis na Netflix (Getty Images)

Para ver sozinho ou acompanhado um filme mais “quente” pode ser divertido e interessante. Selecionamos 10 filmes disponíveis na Netflix. A plataforma tem os já bem famosos longas da franquia ‘Cinquenta Tons’ mas seu catálogo é bem variado, com opções de estilos diversos, desde filmes com atrizes famosas, como ‘Carol’ a outros como ‘Newnes’ e ’Duck Butter’ que vão bem além de cenas sexuais e trazem interessantes reflexões sobre sexualidade e relacionamentos nos dias atuais. Confira nossa lista e veja os que mais te empolgarem!

Já conhece o Instagram do Yahoo Vida e Estilo? Siga a gente!

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

‘Carol’ (2016)

O filme traz como título o nome de uma das personagens centrais: Carol Aird, vivida pela sempre ótima Cate Blanchett. Graças a uma coincidência do destino, ela conhece Therese Belivet (Rooney Mara) enquanto procura por um brinquedo de Natal para a filha na loja em que Therese trabalha. Como o trailer mostra, Carol chama a atenção de Therese e um jogo de sedução começa entre as duas, mas a situação não é tão simples porque Carol está se divorciando e o ex-marido tenta dificultar a vida das duas. Além das cenas de sexo, o filme é totalmente dominado pelo flerte entre as personagem, com sorrisos, frases de duplo sentido e muita química entre as atrizes.

Leia também

Newness (2017)

'Newness' é um bom filme para refletir sobre sexualidade e o quanto os relacionamentos mudaram com a internet, principalmente com os diversos aplicativos de namoro. O filme é estrelado por Laia Costa e Nicholas Hoult e conta a história de um casal que decide ter um relacionamento aberto e testar novas experiências após se conhecerem por meio de um aplicativo. De uma maneira inteligente, o diretor Drake Doremus e o produtor Ridley Scott provocam uma reflexão sobre a monogamia no mundo moderno e se ela de fato ainda funciona. 

A Vida Secreta de Zoe (2014) 

Zoe (Sharon Leal) é uma empresária muito bem sucedida e com a família teoricamente perfeita: o homem que ama e três filhos. Mas, o que ninguém imagina é que a personagem é ninfomaníaca, compulsiva para se relacionar sexualmente com homens desconhecidos em busca de prazer. E o filme se desenrola mostrando essa faceta da protagonista, suas aventuras, seus segredos – porque ela tenta esconder suas as escapadas da família – e os problemas que tudo isso gera. 

Elisa e Marcela (2019)

Esse drama biográfico espanhol conquistou o público pela sensibilidade da sua trama. Baseado em uma história real, a produção é original da Netflix e fala sobre o amor de duas professoras da Galícia, no início do século XX. O casamento delas foi a única relação lésbica aprovada pela Igreja Católica, isso porque Elisa se disfarçou de homem. Com uma fotografia belíssima em branco e preto e um toque sensível, o filme tem cenas quentes, mas uma história muito mais relevante que só seu lado apimentado. 

Branquinha (2016)

O filme americano é escrito e dirigido por Elizabeth Wood e conta a história de um amor proibido com as diferenças sociais como pano de fundo. Leah é uma jovem estudante de Nova York, garota da classe média que se apaixona por um traficante (Blue) da periferia – que vai preso logo no início do filme. Na tentativa de tirá-lo da cadeia, a personagem principal tem atitudes inimagináveis, como vender drogas e se prostituir. O filme é bem conhecido e elogiado pelo realismo nas relações sexuais entre os jovens e pela narrativa ágil e bem atual. 

Amar (2017)

Conhecida por seus papéis nas séries ‘A Casa de Papel’ e ‘Elite’, a atriz María Pedraza interpreta Laura em um par romântico com Carlos (Pol Monen) nesse longa espanhol. Na trama, eles são dois adolescentes de apenas 17 anos que vivem intensamente os desejos do primeiro amor. Em meio às cenas bem quentes entre eles, surgem os questionamentos sobre os sentimentos intensos que começam a surgir e a levar a relação para um outro caminho. 

Como Planejar Uma Orgia em uma Cidade Pequena (2015)

Essa comédia sexual canadense conta a história de Cassie Cranston, que volta à cidade natal para o funeral da mãe e acaba recebendo um convite inusitado.

A proposta que ela recebe é a de ajudar seus antigos companheiros de escola a planejar uma orgia – já que atualmente ela é escritora e assina uma coluna de sexo. O longa é divertido e levanta os diferentes motivos que levam as pessoas a fazer uma orgia, com cenas que garantem boas risadas.

Kiki – Os Segredos do Desejo (2017) 

Este longa do espanhol Paco León (que também atua no filme) é uma comédia dramática que momentos quentes, engraçados e também sensíveis. O filme apresenta cinco histórias de amor e sexo, que acabam se conectando, que se desenrolam durante um verão em Madrid.

Clímax (2019)

Filme do diretor Gaspar Noé, de 2019, fala sobre um grupo de dançarinos franceses que nos anos 1990 se reuniram em um isolado internato para ensaiar para uma grande apresentação. Mas uma noite, durante uma festa organizada pelos moradores locais, os dançarinos são drogados com LSD e,  sob o efeito da droga, têm uma noite bem louca, regada a paranoia, paixões e desejos escondidos.  

Duck Butter (2018)

Duas mulheres cansadas de seus relacionamentos falidos, infiéis e vazios, resolvem explorar suas intimidades, sexualidade e vulnerabilidade. Elas decidem passar 24 horas juntas para explorar, de uma maneira sensível, a sexualidade. Além de assinar o roteiro, Alia Shawkat (‘Arrested Development’), a atriz também protagoniza o filme – que foi elogiado pelos críticos pela perspectiva realista em relação ao sexo lésbico e às relações humanas.

Leia também