[Opinião] Texto e contexto

Por Nelsinho Piquet*, colunista do Yahoo! Esportes
Amigos da Velocidade
Nelsinho Piquet, piloto da Nascar Truck Series. Crédito da foto: Divulgação
Nelsinho Piquet, piloto da Nascar Truck Series. Crédito da foto: Divulgação

Se você esperava um texto sobre a primeira vitória brasileira num oval da Nascar há dois dias, infelizmente vai ficar esperando mais um pouco porque novamente fui envolvido numa controvérsia por causa de alguns membros da mídia brasileira que insistem em causar intriga entre os pilotos ao invés de informar.

Recentemente passei pelo Brasil para algumas entrevistas, além do teste de rali que comentei na coluna da semana passada. Fui muito bem recebido pelos jornalistas com quem falei diretamente. Mas depois de ficar sabendo como uma das entrevistas repercutiu, infelizmente, percebi que mais uma vez deram uma interpretação diferente do que eu havia dito, para causar polêmica desnecessária e maldosa.

Durante uma entrevista de mais de uma hora, fui questionado em determinado momento por que meu pai hoje evita o assédio da mídia, optando por um estilo mais reservado e diferente de outros ídolos do esporte brasileiro.

Expliquei que depois do fim da carreira de piloto, ele escolheu o caminho empresarial diferente de outros que realizam ações promocionais e continuam explorando sua personalidade pública. E citei Emerson Fittipaldi como exemplo.

Em nenhum momento disse que uma coisa é melhor ou pior que a outra.

São apenas situações diferentes, ambas honestas e legítimas. O pessoal para quem eu disse isso tanto entendeu assim que nem deu muita bola para o assunto, editado discretamente no meio de outros textos gerados pela mesma entrevista que tiveram muito mais destaque.

Mas houve oportunistas que usaram isso falando que eu detonava o Emerson, o que absolutamente não foi o contexto da declaração.

Já ganhei corrida para a equipe do Emerson na A1GP, sempre gostei dele, a quem chamo carinhosamente de tio. Há dois anos venho falando que meu projeto na Nascar é abrir as portas para o Brasil, assim como ele fez de maneira brilhante tanto na F1 quanto na Indy. E tenho muito carinho com o Pietro e o Enzo, netos do Emerson que dão seus primeiros passos nas categorias de base da Nascar.

Ele sempre foi muito simpático e político com todos e sabe explorar sua personalidade pública e carisma, repito, de forma honesta e legítima. Meu pai, que sempre foi franco e direto em suas declarações quando era piloto, hoje busca realização de forma reservada, prefere cuidar dos negócios dele.

Cada um tem seu estilo e são opostos. O fato de serem diferentes não implica que um seja melhor que o outro. São diferentes e ponto final. Todo mundo sabe disso e foi isso que eu falei.

Na mesma linha da distorção, pegaram uma declaração óbvia minha sobre o Ayrton Senna e houve nova tentativa de criar polêmica onde não tem. Disse que se o Ayrton tivesse corrido dez anos antes dificilmente teria tido o sucesso que meu pai teve na F1. Eram épocas diferentes e realidades obviamente diferentes.

Na virada dos anos 70 para os 80, os carros quebravam muito mais e os pilotos todos tinham um lado mais mecânico. Não foi por acaso que meu pai desenvolveu o aquecedor de pneus, a suspensão ativa, aprimorou o motor turbo e criou várias outras soluções que todos conhecem. O Senna veio um pouco depois, num tempo que já era possível andar quase o tempo todo com o F1 a 100% do desempenho e que não era mais necessário ser desenvolvedor de carro como antes.

Assim como eu, o Ayrton chegou à Europa com apenas com preocupação de pilotar. Ele era um piloto super rápido, o maior de todos em termos de velocidade pura. Mas não precisava do mesmo repertório de mecânica da geração anterior e não tinha que se preocupar tanto em preservar câmbio, motor etc...

É óbvio: cada um teve seu brilho e foi um produto de sua época. Cada um teve o que precisou para dominar a sua época e cada época precisava de coisas diferentes. Simples assim.

E nada polêmico.

*O piloto NELSON PIQUET JR. colabora com o Yahoo! Esportes e Amigos da Velocidade. Campeão da F-3 Sul-Americana (2002), da F-3 Britânica (2004), vice-campeão da GP2 (2006), ele correu duas temporadas na F1. Atualmente disputa a Nascar Truck Series nos Estados Unidos, divisão da qual foi o segundo melhor estreante em 2011. Siga Nelsinho no Twitter: @NelsonPiquet Seu site oficial é: www.npiquet.com





























Leia também