Ídolos de Bahia e Vitória esperam 'maratona' equilibrada, mas lamentam torcida única no clássico

Vinícius Faustini

A cidade de Salvador já tem expectativa de sobra pelo início da intensa "maratona" da rivalidade entre Bahia e Vitória. Nesta quinta-feira, pela semifinal da Copa do Nordeste, os grandes clubes baianos começarão uma sequência de quatro jogos: nos dias 27 e 30 de abril, pela competição regional e, nos dias 3 e 7 de maio, pela decisão do Campeonato Baiano.

Nem mesmo o abalo com a determinação do MP-BA e da CBF para que os jogos ocorram com torcida única impede ídolos dos dois clubes de apostarem em uma sequência de jogos intensa. Maestro do título brasileiro de 1988 do Bahia, Bobô acha que a "maratona" encherá os olhos do torcedor e trará um bom parâmetro para as duas equipes:

- Um Ba-Vi é sempre bom de jogar, e esta sequência já era corriqueira na minha época. Os quatro jogos serão importantes para saber como está o potencial de cada equipe. E, por ser decisivo na Copa do Nordeste e no Campeonato Baiano, é sempre bom para o torcedor ver tantos clássicos de uma vez - afirmou, ao LANCE!.

Campeão baiano por quatro vezes pelo Vitória, Ramon também apostou que o clássico parará Salvador:

- Já passei várias vezes por esta maratona. Em 1995, disputei um Campeonato Baiano com quatro fases. Um Ba-Vi é sempre um jogo importante, que chama atenção dos torcedores, o que torna a partida ainda mais acirrada - apontou, ao L!.

ÍDOLOS DE BAHIA E VITÓRIA LAMENTAM TORCIDA ÚNICA

A exigência de que os clássicos sejam realizados com torcida única foi criticada pelos ex-jogadores. Aos olhos de Bobô, a decisão vai na contramão da ideia da dupla Ba-Vi em ter torcida mista:

- É uma besteira, e uma pena acontecer em época no qual os clubes tiveram a iniciativa da torcida mista, que é tão bonita. Além disto, o que garante que a torcida única impedirá confrontos no entorno do campo? Cabia às autoridades controlarem tudo, com separação policiamento.

Segundo Ramon, a torcida única tirará parte do brilho dentro de campo:

- Espero grandes clássicos, ainda mais por serem decisivos. Mas é lamentável que haja torcida única, porque é sempre mais bonita a festa da torcida. É jogo que para Salvador!

Cada ídolo ainda trouxe sua perspectiva para a maratona de clássicos. O ex-meia do Vitória destacou o poderio ofensivo do Leão da Barra, mas valorizou a boa fase dos dois rivais na temporada:

- O equilíbrio tomará conta das partidas. O Vitória vem chamando atenção por fazer muitos gols, e o Bahia traz uma grande campanha. Tomara que tenhamos grandes jogos, sem violência dentro ou fora de campo.

Já o ex-meia do Bahia não escondeu sua torcida, e ainda palpitou sobre como embates do nível do Ba-Vi podem ter consequências drásticas:

- Vou torcer para o Bahia, claro (risos). Agora, será um clássico muito equilibrado, difícil, pois o Ba-Vi é vencido por quem tiver mais ímpeto em campo. Para jogos como estes, a situação deve estar mais complicada mesmo para os técnicos. Uma sequência de jogos contra um rival tão forte pode custar o emprego, em especial em um país que é tão ingrato com treinadores.
























E MAIS: