É pressão! Presidente do Galo promete "volta" ao Boca por conta de mau tratamento recebido em Buenos Aires

·1 minuto de leitura

Quem nunca ouviu a famosa frase: Libertadores sem pressão não é Libertadores. Pois o presidente do Atlético-MG, Sérgio Coelho, gravou um depoimento nesta quinta-feira prometendo volta ao que ele e a delegação do Galo encontraram na Argentina, diante do Boca Juniors.

Este conteúdo não está disponível devido às suas preferências de privacidade.
Para vê-los, atualize suas configurações aqui.

Segundo o dirigente, houve uma "decepção total" com tudo o que envolveu a partida de terça-feira - empate em 0 a 0, na Bombonera. E quando ele fala "tudo", é tudo mesmo. Desde a recepção, até o tratamento dado a jogadores e comissão técnica e a forma como a anulação de um gol do rival repercutiu em Buenos Aires e junto à Conmebol.

"Acreditamos na Conmebol, na isenção da Conmebol, e pedimos publicamente que eles indiquem um árbitro de primeira linha, que venha apitar sem ter o peso da pressão que vem sendo feita", disse.Sérgio Coelho, presidente do Atlético-MG

Segundo ele, o Boca passará pela mesma situação de "pressão" no Brasil. "Não fomos recebidos conforme a gente esperava e como é de costume. (...) Eles serão recepcionados da mesma forma que eles nos receberam. Exatamente igual", disse Sérgio Coelho. Quem vencer o duelo da próxima terça, no Mineirão, estará nas quartas de final do torneio continental. Novo empate sem gols leva a partida para os pênaltis, e qualquer outra igualdade dá a vaga aos xeneizes.

Para mais notícias do Atlético Mineiro, clique aqui.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos