É campeão! Atlético-MG vira sobre Bahia e conquista o título do Campeonato Brasileiro

·3 min de leitura

Acabou a espera. Depois de 50 anos, o Atlético-MG volta a ser campeão brasileiro. O grito já havia saído da garganta no domingo passado, na vitória sobre o Fluminense, no Mineirão. Mas faltava a confirmação matemática, que veio numa partida emocionante. Uma virada por 3 a 2 sobre o Bahia, na Fonte Nova, comandada por um herói baiano: keno, autor de dois dos três gols da noite.

Ao contrário do que ocorreu no primeiro tempo do jogo contra o Fluminense, no último domingo, desta vez a ansiedade não foi uma característica tão gritante entre os jogadores do Atlético-MG. O fato de não jogar diante de sua própria torcida talvez explique. Isso não significa, contudo, que a equipe mineira não tenha apresentado limitações.

O time sentiu demais as ausências de Allan e Jair, suspensos. Com Tchê Tchê e Zaracho como dupla de volantes, a bola não rodou no meio de campo com a mesma qualidade de outras partidas. As principais soluções criativas foram os chutes de fora da área e a ligação direta partindo dos zagueiros. Foi numa delas que o time quase abriu o placar, aos 39. Acionado por Alonso, Nacho Fernandez partiu aberto pela direita e invadiu a área. Sua finalização obrigou Danilo Fernandez a fazer grande defesa.

A verdade é que, embora seu goleiro tenha trabalhado, o Bahia também soube se defender. Guto Ferreira apostou numa equipe mais reativa do que nos últimos jogos em casa e recuou as linhas de marcação. Com isso, não deu o espaço que o time de Cuca esperava ter para poder contra-atacar.

Em compensação, criou pouco. Apesar de uma cabeçada perigosa de Rodriguinho (que levou a melhor no duelo particular com Tchê Tche), o tricolor baiano terminou o primeiro tempo sem nenhuma finalização na direção do gol contra três do adversário.

A postura mais ofensiva dos donos da casa garantiu um segundo tempo de muito mais chances - e de emoção para as duas torcidas. O Bahia chegou a fazer 2 a 0 aproveitando duas falhas pontuais da defesa atleticana. Aos 16, Luiz Otávio subiu mais alto que Nathan Silva e cabeceou para dentro do gol. Quatro minutos depois, foi a vez de Matheus Bahia receber pelas costas de Mariano e, livre, cruzar rasteiro para Gilberto concluir.

Foi aí que a estrela de Cuca e, principalmente, de Keno, brilhou. Aos 26, Sasha recebeu de Nathan e foi derrubado dentro da área. Os dois haviam acabado de entrar em campo. Na penalidade, Hulk não perdoou. Um minuto depois foi a vez de Keno receber na entrada da área e, mesmo marcado por dois, acertar bela finalização para empatar.

A reação atleticana abateu o Bahia, que desmoronou na partida e não teve forças para conter o embalo do rival. O time passou a atacar desorganizadamente e demorar a fazer a transição. Uma combinação que costuma ser fatal. E foi. Aos 32, num rápido contra-ataque que pegou a defesa baiana bagunçada, Keno finalizou de fora da área para decretar a virada e o tão sonhado título brasileiro para o clube mineiro.

Nos minutos finais, nenhum sinal de que o Bahia iria empatar. Foi uma questão de tempo para os atleticanos pularem de alegria. E para o time da casa se afundar ainda mais na luta contra o rebaixamento.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos