Árbitro paralisa jogo em São Januário após gritos homofóbicos

Folhapress
RIO DE JANEIRO, RJ, 25.08.2019 – VASCO-SÃO PAULO: Partida entre Vasco e São Paulo, válida pela 16º rodada do Campeonato Brasileiro série A 2019, no Estádio São Januário, no Rio de Janeiro, neste domingo (25). (Foto: Alexandre Neto/Photo Press/Folhapress)
RIO DE JANEIRO, RJ, 25.08.2019 – VASCO-SÃO PAULO: Partida entre Vasco e São Paulo, válida pela 16º rodada do Campeonato Brasileiro série A 2019, no Estádio São Januário, no Rio de Janeiro, neste domingo (25). (Foto: Alexandre Neto/Photo Press/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O árbitro Anderson Daronco paralisou o jogo entre Vasco e São Paulo por conta de gritos homofóbicos neste domingo (25) no estádio São Januário, no Rio de Janeiro. Os donos da casa venceram por 2 a 0 pela 16ª rodada do Campeonato Brasileiro.

A cena deixou jogadores e o próprio técnico Vanderlei Luxemburgo constrangidos. O Superior Tribunal de Justiça Desportiva determinou na última segunda (19) que atitudes homofóbicas em estádios poderão até retirar pontos das equipes. Os clubes receberam uma carta, assinada pelo procurador-geral Felipe Bevilacqua, apenas um aviso.

Casos como esse podem ser enquadrados, segundo o procurador, no artigo 234-G do Código Disciplinar: "Praticar ato discriminatório, desdenhoso ou ultrajante, relacionado a preconceito em razão de origem étnica, raça, sexo, cor, idade, condição de pessoa idosa ou portadora de deficiência". 

Aos 19 minutos da etapa final, Daronco foi até o banco de reservas conversar com Luxemburgo. Aquela altura, a torcida do Vasco gritava 'time de veado'. Luxemburgo virou para arquibancadas e pediu para torcida parar com as ofensas. O jogador Pikachu fez o mesmo, e o locutor do estádio São Januário alertou: 'Não vamos gritar cantos homofóbicos para não prejudicar o Vasco'.

Role para baixo para continuar lendo
Anúncio

Leia também