À espera de convite, Raí confia em sucesso de Ceni: “Vai tirar de letra”

Em sua primeira entrevista coletiva como presidente reeleito, Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, anunciou aos jornalistas presentes no salão nobre do Morumbi que o ex-jogador do São Paulo, Raí, será nomeado como um dos membros do Conselho de Administração em sua gestão. Só faltou fazer o convite formal, que deverá ser aceito pelo ídolo tricolor.

“O Leco chegou a anunciar, mas não tive nenhuma conversa oficial”, disse Raí, em entrevista exclusiva à TV Gazeta, nesta quarta-feira, dia seguinte à eleição. “Caso ele confirme esse convite, eu estarei disposto a ajudar o São Paulo. Vamos ver como serão os próximos dias”, acrescentou.

Com 51 anos, Raí será um dos três membros independentes e remunerados do novo Conselho de Administração, que será composto por mais oito pessoas. Entre elas, o presidente e o vice (Leco e Roberto Natel), os três integrantes do Conselho Deliberativo eleitos nesta noite – Júlio Casares, Silvio Médicis e Adilson Alves Martins -, e um membro eleito e indicado pelo Conselho Consultivo.

O órgão, fruto do novo estatuto do clube, servirá, entre outras coisas, para fiscalizar as ações da diretoria. “É uma nova maneira de gestão, de tentar profissionalizá-la, é o caminho certo”, avaliou Raí, animado com a proposta.

Herói do título mundial do o São Paulo em 1992, Raí analisa positivamente o trabalho de seu ex-companheiro Rogério Ceni como técnico e o vê preparado para superar momentos complicados, como o de agora, em que a equipe está na iminência de ser eliminado por Cruzeiro e Corinthians na Copa do Brasil e no Campeonato Paulista, respectivamente.

“Está bem, é a primeira experiência dele, já está mostrando o estilo de comando. O legal é que ele era goleiro, sempre jogou na defensa, e tem uma proposta de jogo ofensivo. Essa última semana não foi boa, mas o contexto geral é positivo, não tenho dúvida nenhuma que o Rogério será um grande treinador pela capacidade e inteligência”, ressaltou.

“Ele tem a experiência como atleta de ter vivido várias crises, glórias, desastres. Perder dois jogos numa semana não é novidade para ele. Lidar com momentos complicados é algo que ele tira de letra e espero que ele consiga também como treinador”, concluiu.