Nadal explica: 'Levo meses difíceis. É complicado controlar'

USTA


Rafael Nadal, número três do mundo, começou em apuros sua partida de segunda rodada no US Open. Ele perdia por 6/2 2/1 com quebra para Fabio Fognini, mas reverteu e venceu em quatro sets por 2/6 6/4 6/2 6/1 garantido vaga na terceira rodada.

"A verdade é que ainda não entendi como isso aconteceu. Estava treinando bem, fiz um bom aquecimento e cheguei com uma boa sensação, mas era impossível bater bolas. Continuei jogando agressivo porque pensei que mais cedo ou mais tarde as coisas dariam certo, mas quando percebi que estava em uma situação limite e não conseguia jogar bem, me dediquei a golpear no meio com alguma profundidade e confiar nele para cometer erros. Dá uma sensação melhor porque, pelo menos, você sente que não dá pontos . Felizmente, ele me ajudou um pouco com erros e meu jogo melhorou muito no terceiro e quarto set, sem ser um grande jogo também", comentou o espanhol.

Nadal revela em que consistia a "ansiedade" que comunicou à sua equipe ao longo da partida. Ele também comentou brevemente dos problemas extra-quadra com a esposa grávida indo ao hospital: "A bagunça que eu estava fazendo na quadra era tanta que me era impossível jogar devagar. Minha frequência cardíaca estava mais alta que o normal, me sentia muito rápido e isso me impedia de pensar com clareza e fazer as coisas certas na quadra. Não sei, tive alguns meses muito difíceis, não é fácil administrar tudo o que vivi nos últimos meses, mas essa situação aconteceu por causa do mal que eu estava fazendo. A temporada é espetacular, no nível do tênis tudo está indo incrível, mas já tive por situações muito complexas, meu pé não me deixa jogar, depois quebro uma costela, depois destruo meu pé novamente antes de Roland Garros, tenho uma ruptura abdominal e também a nível pessoal, há situações novas para mim. Informo que minha esposa está bem, mas obviamente não é fácil lidar com essas coisas à distância", refletiu o espanhol.

"Olha, o fundamental em momentos como hoje é não achar que você é muito bom ou imbatível porque é isso que permite que você aceite erros. A única coisa que eu tenho certeza é que posso falhar e jogar mal, o que me ajuda a não desesperar e ter humildade para aceitar essas situações. Isso é fundamental para poder reagir; perdoar a si mesmo e trabalhar para mudar as coisas durante uma partida. Não sou uma pessoa que olha para dentro ou medita muito, acho que nas coisas esportivas são muito mais simples do que às vezes queremos transmitir. O fundamental no tênis é sobreviver quando você faz as coisas erradas e obter o máximo de vantagem possível quando você faz as coisas bem. É isso que tudo resume ", declarou.

Apesar de tudo, Nadal se mantém otimista para o restante do ano. Ele encara o francês Richard Gasquet na terceira fase o qual derrotou em todos os 17 jogos: "Meu nível nos treinos está sendo muito melhor do que na competição e isso me leva a pensar que, mais cedo ou mais tarde, darei o passo necessário. Chegou a hora de melhorar e isso só pode ser feito se você ganhar jogos, então estou muito feliz por ter vencido duas e me dado uma nova oportunidade contra o Richard. No esporte, tudo muda rapidamente e é isso que me faz pensar que tenho tempo para atingir o nível necessário para fazer algo importante. Não vou desistir, sou uma pessoa otimista por natureza".