Nadal comemora melhor partida no US Open, mas diz que pneu foi enganoso

USTA


Rafael Nadal, número três do mundo, comemorou sua melhor atuação no torneio do US Open na noite deste sábado. Ele marcou 6/0 6/1 7/5 sobre o francês Richard Gasquet, ex-top 10 e atual 91º colocado.

"Foi a minha melhor partida do torneio, sem dúvida. É a primeira vez que ganho em três sets neste torneio. Ele elevou o nível no terceiro set e isso empatou tudo, mas estou muito feliz por estar na quarta rodada", disse o espanhol que derrotou o rival pela 18ª vez em 18 jogos.

Agora o rival será o americano Frances Tiafoe, 26º: "Ele está jogando muito bem, melhorou muito. Agora está mais forte do que antes. Ele tem mais partidas e anos no circuito, o que lhe dá mais experiência. Ele é um tenista com muita paixão, muito enérgico. Sei que será um desafio muito grande e que preciso aumentar meu nível e minha intensidade na pista para poder vencê-lo.

Nadal foi perguntado sobre o acidente que teve na partida anterior no nariz e comentou que foi um dia mais normal, todavia o pneu para ele foi enganoso: "Hoje foi um dia mais normal. No outro dia, por uma hora e meia, eu poderia perder. Que o outro é melhor que você faz parte do esporte. Foi uma situação anormal, dentro da minha forma de competir e do meu nível de tênis, que era muito baixo. Um dia essas coisas acontecem, mas felizmente ele foi salvo. Não esperava que a mesma coisa acontecesse comigo. Pode ser, mas você tem que aprender com as coisas e sair com a ideia de jogar melhor e não repetir o que aconteceu. Hoje as coisas correram muito rápido, mas foi um 6/0 muito complicado, porque todos os games foram muito competitivos. Eu não poderia vencer um jogador como ele por 6/0 6/1 6/1. Richard elevou o nível e nessa transição de ver o nível dele, você parece surpreso, e então o set foi um set como deveria ser com alguém como ele.

Nadal comentou que não vem usando o coaching durante suas partidas: "Eu não estou usando muito, realmente. Estou acostumado a jogar minha bola. O tênis, historicamente, está sem coaching há muitos anos e estou acostumado a buscar soluções por conta própria, o que acho que é a graça desse esporte. Não estou criticando, porque se bem me lembro, votei nele. Eu acho que o fato de não haver coaching vem de muito tempo, quando nem todos podiam ter um técnico, mas hoje todos nós viajamos com um técnico. Não adianta tê-lo e não poder lhe dizer nada. Mas acho que a graça é que o tenista está sozinho na quadra e é ele quem busca soluções."