Membros da Gaviões se reunem com Vítor Pereira e diretoria do Corinthians antes de jogo decisivo

Treinador do Timão foi cobrado pelo desempenho da equipe e declarações fortes (Foto: Rodrigo Coca/Ag. Corinthians)


Membros da Gaviões da Fiel, principal torcida uniformizada do Corinthians, se reuniram com o técnico Vítor Pereira e integrantes da diretoria corintiana na noite desta segunda-feira (16), em São Paulo.

+ Mercado fechado: confira o balanço da janela de transferências do Corinthians

Incomodados com o trabalho do treinador até aqui e, principalmente, com as declarações recentes dadas por ele, os torcedores e o comandante corintiano apararam as arestas.

Vítor pediu desculpas aos integrantes da Gaviões. Elas foram aceitas.

As informações desta reunião esteve em uma carta que circulou em alguns grupos nas redes sociais. A reportagem obteve acesso a este comunicado. As informações referentes ao bate-papo, no entanto, foram publicadas inicialmente pelo jornalista Vitor Guedes, em seu blog no ‘UOL Esporte’.

DESCULPAS DE VÍTOR

De acordo com informações colhidas pelo LANCE!, a postura de Vítor Pereira foi fundamental para que os membros da Gaviões presentes da reunião - eram três - dessem um voto de confiança ao treinador.

O português reconheceu a infelicidade na resposta dada à primeira pergunta da entrevista coletiva após a derrota para o Palmeiras, no último sábado (13), pelo Campeonato Brasileiro.

Na ocasião, questionado sobre um possível temor de demissão, VP perguntou ao repórter se ele sabia quando o treinador tinha na conta bancária, e que se não trabalhasse no Corinthians, trabalharia em qualquer lugar, quando quisesse.

Como já havia dito ao jornal ‘A Bola’, de Portugal, e ao jornalista Bruno Andrade, na coluna do profissional no ‘UOL Esporte’, Vítor reforçou que estava de cabeça quente e que a declaração foi infeliz.

Na parte esportiva, as justificativas dadas pelo treinador sobre o desempenho abaixo do esperado é que ele ainda não conseguiu impor o sistema de trabalho que espera, muito por conta do excesso de jogos, ausência de pré-temporada com elenco, constantes problemas físicos e envelhecimento do plantel.

O Dérbi do último fim de semana fez com que Vítor Pereira chegasse a 43 partidas no comando corintiano. O número de jogos é o mesmo no qual o ex-treinador Sylvinho teve à frente da equipe. Demitido após forte pressão da arquibancada, os números dos dois trabalhos são muito parecidos.

Vítor tem uma vitória a mais, uma derrota a menos e um aproveitamento 1,6% melhor até aqui.

Em 43 partidas, o lusitano possui 17 vitórias à frente do Timão, 13 empates e 13 derrotas, com 49,6% dos pontos conquistados. Enquanto o brasileiro venceu 16 partidas, perdeu 14 e empatou 13, com um aproveitamento de 48%.

No entanto, segundo informações obtidas pelo L!, Vítor Pereira mostrou aos torcedores uniformizados que estiveram presentes que entende os pontos onde a equipe precisa melhorar e foi transparente em apontá-los. A sinceridade transmitida pelo treinador foi fundamental para que a bandeira branca fosse levantada e ele garantisse o apoio da Gaviões, pelo menos neste primeiro momento.

Pereira garantiu aos presentes que não faltará dedicação dos atletas e comissão técnica em busca da classificação à semifinal da Copa do Brasil, contra o Atlético-GO, nesta quarta-feira (17).

+ Confira a tabela da Copa do Brasil e simule os próximos jogos

PROBLEMAS COM ATLETAS


Conforme noticiado há algumas semanas, VP admitiu que há problemas de relacionamento com algumas lideranças do elenco, citando nominalmente o lateral-direito Fagner e o meia-atacante Willian, que na última semana solicitou a sua rescisão contratual.

Por parte do lateral, que segue presente no time, o técnico disse que tem cobrado constantemente, principalmente na parte física. Vítor entende que o camisa 23 está fora de forma.

Vale ressaltar, que Fagner teve duas lesões neste ano, uma entorse no tornozelo direito e problemas musculares na coxa, que fizeram com que o atleta atuasse apenas 50% dos jogos do Timão em 2022 - 26 de 51.

Em relação a Willian, Vítor Pereira pontuou que o jogador reclamava de dores nas vésperas de jogos importantes, mas as ressonâncias não diagnosticavam lesões. Ainda assim, ele era preservado dessas partidas.

PAPO COM A DIRETORIA

Aos membros da uniformizada, os integrantes da direção corintiana presentes garantiram que não haverá mais contratações nesta temporada.

Além disso, foi falado sobre uma possível reforma na Neo Química Arena, para que o número de lugares seja ampliado. Uma alternativa trazida pelos cartolas presentes foi a modificação das cadeiras, que hoje medem 45 cm, para 40 cm, o que aumentaria em 2 mil o espaço do estádio. Foi falado também em retirar os assentos no setor sul, para ampliar em 5 mil os lugares da arena.

Em relação ao programa de Sócios-Torcedores houve uma promessa de reformulação da plataforma.

Por fim, foi esclarecido aos membros da Gaviões que o Timão segue pagando boa parte do salário do meia-atacante Luan, emprestado ao Santos. A princípio, o clube do Parque São Jorge arcará com R$ 700 mil mensais ao atleta, enquanto o Peixe paga R$ 100 mil - a parcela santista pode aumentar caso eles desejem seguir com o jogador na próxima temporada.