Luisa Stefani comemora conquista em Chennai em retorno e faz discurso emocionante

Divulgação/WTA


A paulistana Luisa Stefani conquistou, neste domingo, o título do WTA 250 de Chennai, na Índia, evento sobre o piso rápido com premiação de US$ 251 mil.

Na final, Luisa e a canadense Gabriela Dabrowski, 11ª do mundo, derrotaram a russa Anna Blinkova e a georgiana Natela Dzalamidze por 2 a 0, com parciais de 6/1 6/2, sem perder nenhum set no torneio.

Luisa alcança a conquista logo em seu primeiro torneio após um ano parada por conta da lesão no joelho, tendo realizado uma cirurgia no ligamento cruzado anterior. A última partida desde então havia sido na semifinal do US Open, ao lado de Gabi, quando viveu o drama de se machucar e deixar a quadra de cadeira de rodas.

A brasileira comemora seu quarto título na carreira, segundo ao lado de Dabrowski. As duas foram campeãs no ano passado em Montreal, no Canadá, e vices em San Jose e Cincinnati, nos Estados Unidos. Além disso fizeram uma final em Ostrava, na República Tcheca, no fim de 2020. Apenas no US Open, quando se machucou, não estiveram em uma decisão. Luisa soma outras duas conquistas em Lexington (EUA), em 2020, e Tashkent, no Uzbequistão, em 2019, ambos com a americana Hayley Carter.

"Muito feliz com o título, mas principalmente com a semana. Estou me sentindo super bem, o joelho está bem, o corpo também. Assim como a cabeça boa. Muito contente em voltar a jogar, a competir. A gente foi melhorando jogo após jogo, e eu me sentindo melhor. E jogar com a Gabi, não tenho nem palavras. Não tem ninguém que eu gostaria de estar ao lado, mais do que ela, nesta volta. Estava comigo na lesão, no momento que foi muito duro, e agora conseguir o título as duas juntas é inexplicável", disse Luisa, que tem os patrocínios da Fila, Faros Private XP e XP Investimentos e conta com os apoios da Liga Tênis 10 e Bolsa Atleta.


Agora, WTA 500 de Tóquio - Luisa embarca direto para a disputa do WTA 500 de Tóquio, onde atuará ao lado da japonesa Ena Shibahara, no palco onde foi medalhista de bronze nos Jogos Olímpicos em 2021, com Laura Pigossi. Curiosamente, a estreia será contra Dabrowski, que joga com a mexicana Giulia Olmos, formando a dupla cabeça de chave 2 do torneio. Ainda não há data para a estreia.

"Agora, a vida é assim, tênis é assim. Nada descreve o tênis melhor. Hoje estamos aqui juntas, ganhando um título, no próximo torneio, uma contra a outra. E estou muito animada para fazer um bom jogo contra elas. Estão tendo um ótimo ano, entrosadas. Obviamente, nós somos muito amigas e aconteça o que acontecer, estou muito feliz com a maneira como venho me sentindo. O mais importante é continuar escutando meu corpo, respondendo bem, aproveitando, melhorando e voltando ao ritmo", afirmou a tenista.

"Também estou muito animada para jogar com a Ena pela primeira vez. Faz um tempo que queríamos estar juntas. E animada para o Japão, um lugar que foi muito especial para mim no ano passado, ainda mais com a Ena, que vai jogar em casa. Então, vamos que vamos"", completou.

Por ter ficado uma temporada parada, Luisa caiu para a 718ª colocação no ranking e com o troféu vai dar um salto e ficará dentro das 250 na tabela de duplas, onde foi top 10 no começo deste ano.

Ao término do jogo ela fez um discurso emocionante em inglês e português onde agradeceu a todos da equipe e dedicou o triunfo ao seu avô que faleceu há alguns meses.