No Fenerbahçe, Luan Peres fala de saída do Olympique e compara Jesus com Sampaoli

Luan Peres durante sua apresentação como reforço do Fenerbahçe (Foto: Sebnem Coskun/Anadolu Agency via Getty Images)
Luan Peres durante sua apresentação como reforço do Fenerbahçe (Foto: Sebnem Coskun/Anadolu Agency via Getty Images)

Por Guilherme Faber (@fabergui) e Matheus Brum (@matheustbrum)

A temporada de 2022/23 começou com mudança na carreira do zagueiro Luan Peres. O defensor, de 28 anos, deixou o Olympique de Marselha, da França, após o vice-campeonato da Ligue 1 em 2021/22 e acertou vínculo de dois anos com o gigante turco Fenerbahçe.

A mudança de clube, segundo Luan teve relação direta com a saída do técnico Jorge Sampaoli do Olympique. O treinador argentino pediu demissão após a diretoria não contratar os reforços que pediu.

“Mudou muita coisa depois da saída do Sampaoli no Olympique. Então, com a chegada do Igor Tudor não me senti tão firme para que eu fosse continuar sendo titular. Não estava encaixando com as coisas que ele pedia e foi também um dos fatos para eu ter vindo ao Fenerbahçe. Inclusive, já estava sabendo que aqui com Jorge Jesus é um estilo parecido com o Sampaoli”, confirmou.

Leia também:

Conhecidos no Brasil, Jorge Jesus e Jorge Sampaoli fizeram grandes trabalhos em 2019. Sob comando do Flamengo, Jesus foi campeão brasileiro e da Libertadores da América. Já Sampaoli levou o Santos ao vice-campeonato nacional. Para Luan Peres, os dois técnicos têm muitas semelhanças no trabalho.

“Com certeza tem similaridade entre Jorge Jesus e Sampaoli. Dois gradíssimos treinadores, que gostam de jogar com a posse e que gostam que marcam posicionados. Eles entendem muito, gostam de trabalhar com jogadores técnicos e muitos treinos são parecidos. Eu vejo bastante similaridade, claro que não tudo, mas uma parte eu vejo, sim”, detalhou.

Eliminado dentro de casa para o ucraniano Dinamo de Kiev, da Ucrânia, por 2 a 0, no segundo e decisivo confronto da segunda fase eliminatória da Champions League, o Fenerbahçe concentra as suas ações na fase de grupos da UEFA Europa League, Süper Lig (Campeonato Turco) e Taça da Turquia.

No Fener, Luan terá a companhia de outros brasileiros que chegaram neste temporada: Willian Arão e Gustavo Henrique, que vieram do Flamengo; Lincoln, do Santa Clara, e João Pedro, que foi contratado junto ao Cagliari, da Itália.

“Nós tivemos grandes contratações. O time está se fortalecendo, entrosando e conseguimos essa classificação nos playoffs para Europa League. Agora querendo ganhar a quantidade máxima de jogos possíveis, brigar pelo título do Campeonato Turco, e, também, fazer uma boa UEFA. Nós queremos ser campeões de tudo que vamos disputar, sabemos que é difícil, mas pelo menos um desses dois campeonatos nós temos time e ambição de ganhar”, falou.

O Fenerbahçe tem no seu histórico a contratação de grandes jogadores brasileiros. Nomes como Alex, Edu Dracena e Roberto Carlos, já aposentados, e Diego Ribas, atual camisa 10 do Flamengo, passaram pelo clube. E todos eles sempre destacam a força e a paixão da torcida. Algo que Luan Peres está vivendo e sentindo na pele.

“A torcida do Fenerbahçe é gigantesca e fanática. É impressionante. Acho isso muito legal. Futebol turco é muito disputado e mais difícil do que muitos pensam. Claro que eu já estava em outras ligas, que também são difíceis, mas aqui o nível é muito bom. Tem que estar sempre atento. Os times são muito bem treinados e sabem o que fazem”, garantiu.

Início tardio

Luan Peres é oriundo da base da Portuguesa-SP, passou por Santa Cruz, Red Bull, Ituano, Ponte Preta e Fluminense, clube que fez apenas dez jogos e foi emprestado ao Brugge, da Bélgica, como mais um jogador brasileiro desconhecido. Da terra belga viabilizou empréstimo ao Santos e consequentemente ganhou reconhecimento entre 2019 e 2021.

Indagado sobre o fato de ter surgido tardiamente ao cenário do futebol nacional, Luan opinou que cada caso é diferente, relembrou o que viveu nos seus antigos clubes e não esqueceu do seu carinho pelo Santos.

“Tem jogadores que ‘estouram’ mais cedo e outros mais tarde. No meu caso, foi um pouco tarde, mas eu fazia grandes jogos pela Ponte Preta. Fui titular o tempo inteiro no Fluminense, mas fiquei pouco tempo e já fui vendido. Talvez se eu ficasse mais tempo no Fluminense, eu iria ser reconhecido naturalmente. O Santos foi maravilhoso, mudou a minha vida e espero voltar a jogar um dia. Isso eu já deixei claro. Só tenho coisas boas para falar do Santos”, admitiu.

Mudança de posição com Sampaoli e Seleção Brasileira

Peres chegou ao Olympique para época 2021-22 com o aval do Sampaoli, atuou em 50 jogos, realizou duas assistências, foi o terceiro brazuca com mais minutagem na campanha do vice francês e fez papel de lateral-esquerdo. Luan disse que jogou na lateral devido a variação tática pedida do Sampaoli, mas que no Fenerbahçe jogará pelo lado só em momento de necessidade.

“Sampaoli mesclava muito e fiz uns jogos no Marselha como lateral-esquerdo. Tinham jogos que eu marcava como lateral em uma linha de quatro, mas quando tínhamos a bola jogava como zagueiro em uma linha de três. Sampaoli mexia muito não só comigo, mas como todos os jogadores em formações de equipe. É uma função que não pretendo continuar. Claro que posso improvisar em um jogo ou outro se precisar, mas não é uma função que eu gosto e posso entregar o meu melhor”, explicou.

Luan Peres também disse que o momento que viveu no Olympique o fez sonhar com uma convocação para a Seleção Brasileira. “Quando fui para o Olympique comecei a sonhar um pouco, mas acabou que não aconteceu”, relembrou.

Ainda sobre Seleção, o zagueiro disse que tem o sonho de vestir a amarelinha, mas que sabe da dificuldade e da concorrência na posição. “Claro que a gente fica com expectativa, tem o sonho de jogar, mas sou bem tranquilo. Sei que sempre foi uma coisa distante. Se não acontecer, Deus sabe de todas as coisas e bola para frente”, finalizou.