Luís Castro diz que 'não venderá ilusões' e busca reação do Botafogo: 'Vai chegar o ponto de virada'

Luís Castro lamentou a série de desfalques do Botafogo e pediu reforços para a sequência (Foto: Vitor Silva/Botafogo)


O Botafogo convive em meio à expectativa dos investimentos de John Textor e os resultados em campo. O desempenho da equipe tem deixado a desejar sob o comando de Luís Castro, e após a derrota para o Avaí, no Nilton Santos, entrou na zona de rebaixamento do Brasileirão. Em coletiva, o português falou sobre a pressão da torcida e como dar a volta por cima na temporada.

- Era importante ganhar, não o fizemos e é uma situação horrível para nós. O adversário nos desestabilizou e a equipe nunca conseguiu se encontrar. Não vou dizer que é normal, mas é importante a equipe ter peso e experiência para essas situações. O que posso dizer é que se já estávamos pressionados, agora estamos mais, não há o que esconder. Se as coisas começassem mal e tivéssemos melhorados seria melhor, mas aconteceu o contrário. Precisamos que todos deem seu melhor - afirmou Luís Castro, e acrescentou:

+ Confira e simule a tabela do Campeonato Brasileiro

- Nunca nenhum torcedor fica contente quando o time está numa situação dessas. Vejo com normalidade. Não há nenhum torcedor do Botafogo que esteja contente com a situação que está no momento. É normal o que acontece. Não pode ter ninguém dentro do estádio que goste do resultado, principalmente no segundo tempo. O primeiro tempo o time esteve coeso, compacto e foi bem na frente por dentro e por fora. Acho normal aquilo que acontece (pressão da torcida) - completou o treinador.

Com o revés, a equipe caiu para a 17ª colocação e terá pela frente o São Paulo, na quinta, também no Nilton Santos. O comandante voltou a dizer que não venderá ilusões de que disputará o título do Brasileirão.

- Eu acho que todos que analisam futebol com profundidade, as equipes e os jogadores em seu todo, aquilo que conseguimos em determinados momentos não está totalmente de acordo com as valias dessas equipes. Elas conseguem muitas vezes potenciar suas valias através da dimensão psicológica, assim como em alguns momentos do campeonato essa questão põe as equipes pra baixo - disse, e emendou:

+ ATUAÇÕES: Erison luta muito na frente, e Tchê Tchê tem a menor nota em mais uma derrota do Botafogo

- Temos que encontrar um ponto de equilíbrio, naturalmente o Botafogo não vai perder sempre, vai chegar o ponto de virada. Estamos num momento em que a equipe está mais desacreditada mentalmente. Não vender ilusões é não deixar de fazer análises profundas só pelos resultados. Tenho convicção que a equipe vai continuar na Série A, mas vender a ilusão de que se pode ser campeão, chegar à Libertadores, eu prefiro não vender. Nesse momento lutamos para ficar na Série A - completou.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos