Lisca explica saída de Soteldo no final do jogo: "Sentiu o clima"

Soteldo voltou aos treinos após defender a seleção da Venezuela (Foto: Ivan Storti / Santos)


O técnico Lisca explicou o porquê tirou o meia-atacante Soteldo na reta final do empate contra o Cuiabá, na Arena Pantanal, pelo Campeonato Brasileiro.


Segundo o treinador, o jogador já não estava conseguindo acompanhar o ataque dos adversários e, por conta disso, chegou a perder algumas bolas e ofereceu contra-ataque. Assim, optou por tirar o camisa 10.

"Normal, né. Na estreia contra o São Paulo, se eu não colocasse o Soteldo, acho que eu não faria o jogo. Os caras iriam me tirar do jogo. Mais ou menos como aconteceu com o Pelé na vez que o juiz expulsou ele, mas quem saiu foi o juiz. O Soteldo tem um pouco disso, mas realmente ele estava cansado. Estava sentindo o clima. Já estava prendendo a bola. Tomamos dois contra-ataques com a perda de bola dele. E eu tenho um menino muito rápido, muito dinâmico, que é o Ângelo. Precisava também dessa nova energia, como o Cuiabá deu nova energia", comentou Lisca.


O usou exemplos de outros atletas e explicou porque não tirou Lucas Braga, que estava na outra ponta, ou um jogador do meio-campo.

"Pra tirar outro jogador seria jogador mais de sustentação. Barbosa tinha recém-entrado, o Braga. O Soteldo não faz a função que o Braga faz, descendo com ala. Nem do Camacho, nem do Zanocelo. A opção foi nos últimos 10, 12 minutos ter sangue novo ali. Ele entendeu perfeitamente também. Confessou que estava difícil para ele. O torcedor tem todo direito de ter seu ídolo, de querer, mas eu tenho que fazer o que é melhor para o time, que eu acho no momento. Ainda bem que não tomamos aquele gol. Senão seria pior ainda. Logo que ele saiu, em um lance que não tinha nada a ver com a saída dele", completa o treinador.

O Santos treina amanhã (29), às 9h (horário de Cuiabá), no estádio Dutrinha, ainda no Mato Grosso. Viaja para São Paulo na parte da tarde com previsão de chegada para 22h30.