Laudo de perícia do RS é inclusivo sobre suposta injúria racial em Inter x Corinthians

PORTO ALEGRE, RS (FOLHAPRESS) - O IGP-RS (Instituto-Geral de Perícias do Rio Grande do Sul) divulgou, nesta quarta-feira (8), uma nota referente ao laudo pericial da suspeita de injúria racial no jogo entre Internacional e Corinthians, pela sexta rodada do Campeonato Brasileiro, em 14 de maio.

Conforme o documento, "é impróprio que a perícia criminal oficial do Estado afirme, com responsabilidade do ponto de vista processual e científico, o que foi proferido pelo jogador na cena questionada".

Na saída de campo, o volante Edenilson, do Inter, registrou boletim de ocorrência contra o lateral português Rafael Ramos, do Corinthians, dizendo ter sido chamado de "macaco" em uma disputa de bola. Ramos nega. O português foi preso em flagrante por injúria racial e liberado com o pagamento de fiança de R$ 10 mil.

O documento foi remetido à 2ª Delegacia de Polícia Civil de Porto Alegre, que aguardava a perícia oficial para dar encaminhamento ao inquérito aberto sobre o caso na esfera criminal. O Corinthians agora quer o arquivamento do processo.

Segundo a nota, os peritos gaúchos tentaram fazer uma leitura labial melhorando a resolução de 41 "frames" do lance em que a injúria, segundo Edenilson, teria ocorrido. Porém a conclusão foi a de que "é tecnicamente inviável localizar todos os vestígios que definem a sequência de consoantes e vogais emitidas".

"Resultados advindos da tentativa de mapeamento do que teria sido enunciado por um locutor questionado [Rafael Ramos] em uma imagem sem o áudio de fala associado (e consequente sinal acústico) seriam meramente exploratórios, representando muito mais conjecturas em torno de possibilidades", diz o documento.

Após a notícia, Edenilson reagiu em duas redes sociais. Sobre uma foto sua sem camisa e com o punho erguido após comemorar um gol no jogo seguinte ao episódio com Ramos, Edenilson escreveu: "Não iriam nos calar? Já nos calaram. Se ofendidos, aceitem, engulam a seco. Finjam que não escutaram. É uma luta desleal. É uma luta inconclusiva." No Instagram, apagou todas as suas fotos e passou a se identificar como Macaco Edenilson Andrade dos Santos.

Antes da perícia oficial, o Corinthians divulgou, em 20 de maio, o resultado de uma perícia particular encomendada pelo clube ao Centro de Perícias Curitiba. Segundo esta, o Rafael Ramos teria dito "pô, caralho". O principal argumento é que os lábios de Ramos, conforme os peritos, não se fechariam ao proferir a palavra, o que seria fundamental para falar palavras com "m", como em "macaco".

Os dois jogadores já depuseram sobre o caso na Justiça Desportiva. Rafael Ramos, em 31 de maio, e Edenilson, na segunda-feira (6), mantiveram as suas versões ao STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva). Ambos depoimentos foram colhidos na sede do TJD-SP (Tribunal de Justiça Desportiva de São Paulo), localizado dentro da FPP (Federação Paulista de Futebol).

Conforme entrevista do auditor-relator do caso no STJD, Paulo Feuz, ao site GE, o tribunal deve contratar uma perícia independente para analisar o episódio dentro de um prazo estimado de 35 dias. Na ocasião do depoimento de Ramos, foi feita uma gravação do jogador corintiano proferindo a frase que Edenilson diz ter ouvido para comparar as imagens. O tribunal descartou uma acareação entre os dois jogadores.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos