Jorginho explica mudanças no time do Vasco: 'Queria mais intensidade'

Jorginho disse que queria o time mais ofensivo contra o Náutico (Foto: Daniel Ramalho / Vasco)


Depois de uma estreia com derrota para o Grêmio, o técnico Jorginho fez mudanças no Vasco para o jogo contra o Náutico, nesta sexta-feira. E, ao menos pelo resultado, deu certo. O Cruz-Maltino goleou por 4 a 1, em São Januário. Depois do jogo, o técnico explicou as mexidas com as entradas de Paulo Victor, Danilo Boza e Eguinaldo.

- Primeira coisa que fiz na semana foi chamar Quintero, Edimar e Alex pra conversas, pedindo a compreensão deles. Todos eles foram sensacionais, respeitam muito aqueles que entraram e respeitaram a decisão do treinador, da comissão, eu não decido sozinho. Emílio Faro também é muito importante para as decisões. A gente queria dar mais intensidade principalmente pelo lado esquerdo - afirmou Jorginho, antes de completar:

- E a vida é feita de oportunidades. Falei para o Boza, "é uma oportunidade maravilhosa que você tem". Eu não desisto de nenhum jogador. Mesmo com falhas, eu acredito muito que o jogador pode melhorar, crescer, mas eu precisava agir para que a gente tivesse uma postura diferente, mais ofensiva.

A partida contra o Náutico marcou a estreia de Jorginho em São Januário nesta terceira passagem como técnico do Vasco. E o treinador falou da emoção

- Satisfação e alegria pelo meu reencontro com a torcida do Vasco, porque é extremamente especial, minha terceira passagem. Fui muito feliz aqui em 2015 e 16. 2018 foi curto. Esperto que seja longo esse meu período aqui. Estou muito feliz de ter reencontrado a torcida e, principalmente, numa vitória como essa - disse o treinador.

Com a vitória desta sexta, o Vasco chegou aos 48 pontos e segue firme na quarta colocação da Série B, e não pode mais ser ultrapassado nesta rodada. Na próxima quarta-feira, o Cruz-Maltino visita o líder Cruzeiro, às 21h, no Mineirão.

CONFIRA MAIS FALAS DE JORGINHO

Raniel

O Raniel é um artilheiro nato. Presença na área dele é muito importante, gosto muito de jogar com uma referência, apesar de ter tirado ele depois e colocado o Eguinaldo, porque é um jogador de veloricade. A decisão de quem bate o pênalti é deles, ele estava confiante, o artilheiro precisa de gol. Jogador importantíssimo, que tem presença forte, faz o pivô bem feito e finaliza muito bem. Jamais vou deixar de acreditar nele. Depois quando fiz as mudanças precisei substituí-lo. E a gente poderia ter feito cinco, seis gols. Eguinaldo muito bem, Alex também entrou bem. Destaco de novo o importante apoio da torcida, entender o quanto ela faz bem para o Vasco quando ela joga junto. E fez a diferença.

PRESSÃO DA TORCIDA
Fiquei muito feliz pela resposta e agradeço ao Nenê. Ele é um ídolo. Um dos melhores jogadores que tive oportunidade de treinar. Agradeço a ele, a torcida pelo apoio. Foi fundamental para ajudar o Edimar a se levantar. O momento do gol do Figueiredo a gente pode linkar. O Vasco ganha um fôlego diferente, eu sei o que significa para o atleta. A sintonia precisa existir. Fico muito feliz por terem aplaudido o Edimar. Ele jogou forte, firme, deu carrinho, ganhou jogadas aéreas.