Jorge Braga deixa cargo de CEO do Botafogo e enfrenta SAF na Justiça

Jorge Braga foi CEO do Botafogo desde o começo de 2021 (Foto: Vítor Silva/Botafogo)


Jorge Braga deixou o cargo de CEO do Botafogo nesta sexta-feira. Ele chegou ao clube em março do ano passado e participou ativamente do processo de reestruturação do Alvinegro. No entanto, o desgaste desde a chegada de John Textor era gritante e fez com que o empresário, inclusive, entrasse com uma ação contra a SAF.

O processo já está em segredo de justiça em uma vara empresarial do Rio. A SAF do Botafogo recebeu o aviso sobre a ação na tarde de quinta-feira. A informação é do jornal O Globo e foi confirmada pelo LANCE!. Jorge Braga se pronunciou nas redes sociais sobre o assunto.

+ Oswaldo opina sobre técnicos estrangeiros no Brasil: 'Traz pra bocha e esgrima, mas futebol não'

O Botafogo deve oficializar a saída do empresário a qualquer momento. Como mencionado, ele vivia dificuldades no clube desde a chegada de John Textor. O investidor tirou o poder de Braga recentemente, em ação conjunta à FERJ. Na época, o dirigente revelou que foi pego de surpresa com a decisão.

+ Botafogo x América-MG: clube atualiza parcial de ingressos e abre novo setor para venda

VEJA A CARTA DE JORGE BRAGA NA ÍNTEGRA

"À Toda Torcida Botafoguense,

Hoje encerro meu ciclo no Glorioso com um só sentimento: o de realização. Lembro que ao receber o convite, logo vi o tamanho da responsabilidade que seria liderar um clube desta magnitude em seu processo de transformação em SAF. Ao mesmo tempo, não pensei duas vezes: ajudar o Botafogo a retomar o caminho das glórias era uma missão que precisava ser cumprida.

Em todos os aspectos, sempre será uma honra poder lembrar que meu nome está escrito em algumas das incontáveis páginas da história gigantesca e cheia de tradição deste clube. Chegar até aqui, no entanto, não seria possível sem a ajuda de tantos colaboradores, colegas de trabalho e, claro, sem o apoio dessa apaixonada torcida, que sempre me emocionou com seu carinho e respeito pelo meu trabalho.

Gostaria também que todos que vestiram e suaram a camisa do Botafogo junto comigo se sentissem abraçados e recebessem o meu sincero muito obrigado. Em especial, quero agradecer o apoio e respaldo dos Presidentes Durcésio Mello, Mauro Sodré e André Souza, dos Conselheiros João Pedro Figueira, Marcelo Figueira, Fred Bastos, os beneméritos Fernando Pereira, Claudio Good, João e Walter Salles e os talentosos Laércio Paiva e André Chame, que nunca abandonaram a luta pela profissionalização.

Quem viu como estava o Botafogo e o que ele se tornou quando da sua transformação em SAF talvez não lembre dos tempos difíceis que insistiam em permanecer. Equalizar contas, renegociar e honrar dívidas, manter salários em dia, introduzir uma nova mentalidade de trabalho, criar e proteger uma cultura de responsabilidade financeira, recrutar, capacitar e treinar os novos gestores, são apenas alguns dos aspectos que foram fundamentais tanto para a atração dos investidores, como também para garantir a transição suave nos primeiros meses da nova empresa constituída.

Seguindo uma linha na qual acredito muito, que é a de prometer menos e entregar mais, fomos campões da Série B, voltamos à Elite do futebol e conseguimos fazer com que o torcedor alvinegro pudesse novamente se orgulhar de ser representado por um clube que possui postura, respeitabilidade e credibilidade.

Transformar esta instituição centenária em uma empresa profissional, que honra seus compromissos e preza pela transparência é o fruto de um esforço diário, cansativo, mas para o qual me tornei incansável e intransigente. Foram tempos de renúncia pessoal, de estar longe da minha família (morando em hotel), mas dos quais hoje tanto me orgulho.

Saio muito realizado e motivado pelo trabalho feito, desejando sucesso para o investidor John Textor, e também Thairo e Danilo. Para os desafios que estão por vir, carregarei comigo meus princípios e muito do que aprendi vivendo o Botafogo: nada e nem ninguém nunca será maior que o clube. Todo mundo quer ganhar, mas não a qualquer preço. Trabalho, coerência, ética, pragmatismo, honestidade, transparência e profissionalismo precisam ser pilares. Sempre.

Por fim, torcedor Botafoguense, quero dizer que continuarei sendo mais um entre vocês, não importa se de perto ou de longe. O Botafogo merece um futuro digno da sua história e a minha torcida por isso será eterna.

Vida longa ao Botafogo!"