Jogador italiano é acusado de matar ex-namorada com marteladas e taco de beisebol

Padovani chegou a compartilhar a campanha em suas redes sociais (Foto: Reprodução)


O jogador italiano Giovanni Padovani, do Sancataldese, foi acusado de espancar a ex-namorada, Alessandra Matteuzi, até a morte na Itália. De acordo com a polícia de Bolonha, o atleta teria assassinado a mulher com um martelo e um taco de beisebol após a mesma denunciá-lo por perseguição.

+ Ao L!, namorada que teve nome trocado ao vivo por goleiro revela 'pulga atrás da orelha'

As autoridades em Bolonha também informaram que Padovani teria deixado a concentração na véspera de um jogo da equipe pela Copa da Itália para cometer o crime. Stefania, irmã de Alessandra, estava no telefone com a vítima e ouviu os gritos da mulher enquanto Padovani a atacava.

+ Mauro Cezar detona atuação do Corinthians no Maracanã: 'Fluminense dominou'

- Ela saiu do carro e começou a gritar: 'Não, Giovanni, não, eu imploro, socorro.' Eu estava ao telefone. Liguei imediatamente para os Carabinieri (polícia) que chegaram imediatamente. Eu moro a 30 km de distância. No final, ele a espancou até a morte - disse Stefania à TV italiana 'RepTV'.

+ Cristiano Ronaldo quer comprar clube e demoli-lo para construir nova mansão

Alessandra e Giovanni estavam juntos até o ano passado, mas a mulher morava em Bolonha, enquanto ele jogava em Sicília, e o relacionamento chegou ao fim. Após o término, Padovani teria feito inúmeras ligações e mensagens para a mulher, que o denunciou por perseguição.

Zagueiro, Giovanni fez base no Napoli e defendeu diversos clubes nas séries C e D do Italiano. O atleta havia assinado recentemente com o Sancataldese, da quarta divisão italiana. O clube usou as redes sociais para condenar o feminicídio.

- A Sociedade Sancataldese Calcio gostaria de destacar que o futebolista Giovanni Padovani já no último sábado, 20 de agosto, havia sido expulso do clube por causa da sua ausência injustificada. A diretoria Amaranto Green se agarra a dor da família da vítima, e espera que a lei siga seu curso - afirmou.