Irmã de Léo Moura é suspeita de golpe com ingressos do Rock in Rio

Irmã de Léo Moura é procurada pela Polícia Civil em ação conjunta com o Ministério Público. Foto: (Reprodução/Redes Sociais)
Irmã de Léo Moura é procurada pela Polícia Civil em ação conjunta com o Ministério Público. Foto: (Reprodução/Redes Sociais)

Focado em seus novos empreendimentos após anunciar a sua aposentadoria dos campos de futebol no ano passado, o ex-jogador Léo Moura se viu em uma situação complicada nesta segunda-feira. Sua irmã, Lívia da Silva Moura, é procurada pela Polícia Civil do Rio de Janeiro por suspeita de estelionato envolvendo venda de ingressos para o Rock in Rio.

Através do modo stories em seu perfil oficial no Instagram, Léo Moura afirmou que não compactua com as atitudes tomadas por sua irmã e que não tem envolvimento algum com ela: "Bom dia! Primeiramente agradeço aos amigos pelas mensagens de apoio e carinho comigo!! Só quero deixar claro novamente que os problemas da minha irmã são absolutamente dela, infelizmente para a tristeza da família. Não me envolvo e nem compactuo com isso. Se errou, que pague pelos erros e não cometa novamente. Tenho minha família e um nome que zelo por muitos anos. Estamos tristes pelo acontecido porque somos humanos, mas estamos e ficaremos sempre do lado que é certo! Um abs a todos e boa semana".

Leia também:

A organização do Rock in Rio declarou que Lívia não tem relação com o evento e que não há registros de ingressos em seu nome. Uma denúncia diz que ela prometeu a entrega de cerca de 26 ingressos, para diferentes dias do festival, lesando a vítima em mais de R$ 3 mil. Após o pagamento, a irmã de Léo Moura teria parado de responder mensagens e atender o telefone.

Leandro Gontijo, delegado responsável pelo caso, afirmou que: "O golpe, ela aplica em várias frentes... Ela vende ingressos possuindo contatos lá dentro [da organização do festival] e repassando os números desses ingressos, sendo que as pessoas compram esses ingressos em sites falsos. Também falsifica ingressos físicos realmente, no caso de cortesias e vouchers também. E esse golpe, no caso em questão de hoje, a Justiça imobilizou R$ 300 mil da conta dela. As pessoas veem a vantagem, o ingresso mais barato, e acessam o site que possui uma grafia parecida com a do evento, do Rock in Rio, e não é. Compram o ingresso com preço inferior, acham que estão fazendo um bom negócio e, na verdade, não compraram o ingresso e ela subtraiu o dinheiro deles".