Indonésia investigará tumulto no futebol com uso de gás lacrimogêneo pela polícia no foco

Velas, pétalas e incensos colocados por torcedores do Arema FC durante vigília em Malang, na Indonésia

Por Prasto Wardoyo

MALANG, Indonésia (Reuters) - A Indonésia montou nesta segunda-feira uma equipe independente para investigar um tumulto em um estádio de futebol que matou 125 pessoas, incluindo 32 crianças, enquanto a comissão de direitos humanos do país questiona o uso de gás lacrimogêneo pela polícia.

Torcedores em pânico foram esmagados ao tentar escapar do estádio lotado em Malang, Java Oriental, no sábado, depois que a polícia disparou gás lacrimogêneo para dispersar os torcedores do time da casa derrotado que correram para o campo no final da partida do campeonato nacional.

Pelo menos 32 das vítimas eram crianças com idades entre 3 e 17 anos, disse Nahar, membro do Ministério de Empoderamento das Mulheres e Proteção Infantil, à Reuters. Nahar havia anteriormente colocado o número de mortes de crianças em 17.

O ministro-chefe da Segurança da Indonésia, Mahfud MD, disse que o governo formará uma equipe independente de apuração de fatos, incluindo acadêmicos, especialistas em futebol e funcionários do governo, para investigar o que aconteceu.

O governo fornecerá 50 milhões de rúpias (3.268 de dólares) em compensação a cada uma das famílias das vítimas, enquanto outras centenas de feridos serão tratados gratuitamente, acrescentou.

A polícia e autoridades esportivas foram enviadas a Malang para investigar o que é uma das tragédias mais mortais em estádios pelo mundo. O presidente Joko Widodo ordenou que a associação de futebol suspenda todos os jogos do campeonato nacional até que a investigação seja concluída.

Violência e vandalismo têm sido características do futebol indonésio, especialmente em lugares como Jacarta, a capital, mas a escala do desastre de sábado nesta cidade em Java deixou a pequena comunidade entorpecida.

Mahfud disse no domingo que o estádio estava lotado além da capacidade. Cerca de 42 mil ingressos foram emitidos para um estádio projetado para acomodar 38 mil pessoas, disse ele.

A Fifa, que chamou o incidente de "dia sombrio para todos os envolvidos no futebol e uma tragédia além da compreensão", pediu às autoridades do futebol indonésio um relatório sobre o incidente.

(Reportagem adicional de Zahra Matarani e Ananda Teresia em Jacarta)