Hoje no Santos, Lisca tem história no Ceará, onde até busto recebeu após 'milagres'

Lisca fez muito sucesso no Ceará (Foto: Anderson Gores/Agência F8/Lancepress!)


O Santos enfrenta neste sábado (10) o Ceará, na Arena Castelão, em duelo válido pelo Campeonato Brasileiro. O jogo marca o reencontro do técnico Lisca com a torcida do Vozão, com quem fez sucesso, mas acabou deixando o clube após maus resultados.


Os melhores momentos do treinador aconteceram entre 2015 e 2016, e, em seguida, entre 2018 e 2019. Nas duas oportunidades, Lisca salvou a equipe de um possível rebaixamento em divisões diferentes. Porém, tempos depois, polêmicas envolvendo auxiliar, derrotas e time reserva, resultaram na demissão do técnico.

2015

O treinador chegou ao Vozão faltando nove rodadas para o término da Série B do Campeonato Brasileiro. Assim, ele ajudou a garantir 20 dos 27 pontos possíveis, evitando um rebaixamento inédito para Série C. A equipe terminou o ano na 15ª colocação.

2018

O outro milagre veio em 2018. Quando o treinador assumiu a equipe, na 10ª rodada, o Ceará não havia vencido nenhum jogo no Campeonato Brasileiro da Série A. Após a chegada do técnico, a equipe conquistou 10 vitórias e 11 empates, o que livrou a equipe do rebaixamento.

Busto para Lisca

Após esses dois milagres, um grupo de conselheiros do Vozão presentou o treinador com um busto impresso em 3D. Antes, ele recebeu um do próprio clube, que fica exposto no Centro Cultural do Ceará, em uma feijoada realizada para comemorar a permanência na Série A.

Momentos de pressão

Apesar de viver momentos como herói, Lisca deixou o clube em situação delicada. O primeiro grande problema aconteceu em um clássico contra o Ferroviário, pela Taça dos Campeões Cearenses. Na ocasião, o treinador desdenhou da competição e chegou a dizer que "daria" a taça para o adversário em caso de título do Ceará.

Em certa oportunidade, Lisca chegou a criticar abertamente o departamento médico do clube, que liberou o jogador Felipe Silva para o duelo contra o Fortaleza.

- Obviamente, Felipe não estava em condição de jogar. Foi passada uma informação equivocada para mim e para comissão técnica. O Ceará tem que rever isso. Não pode botar um jogador em um clássico desses, e com 10 minutos ele me olhar e pedir pra sair. Mudou totalmente nossa estratégia, queimando uma troca. Foi um erro grosseiro que tem que ser corrigido - disse Lisca.

Demissão de auxiliar

Outro caso consumo aconteceu em fevereiro de 2019. Lisca precisou fazer um curso na CBF. Assim, o auxiliar Marcelo Rospide assumiu o clube e "conquistou" os torcedores com grande futebol apresentado. Após isso, Lisca pediu a saída do auxiliar e causou polêmica à imprensa e torcida. Rospide, após isso, fez duras acusações.

- Eu dirigi o time contra o Vitória e o Lisca estava no estádio. Fiz questão de deixar claro que ele havia participado das substituições da escalação. Depois, eu o encontrei no vestiário, vi que ele não queria falar comigo. Achei estranho, mas, enfim, deixei rolar - contou ele ao ESPN.com.br.

- (Seis dias depois), eu cheguei para trabalhar e fui informado pelo diretor de futebol Marcelo Segurado que eu estava demitido, a pedido do Lisca - afirmou.

Eliminação com time reserva foi a gota d'água

Após eliminações na Copa do Brasil para o Corinthians e, em seguida, perder para o Náutico, em pleno Castelão, pela Copa do Nordeste, com um time reserva, fizeram a diretoria trocar de treinador em 2019. O clima já não era bom e o treinador não era mais unanimidade entre os torcedores.