Grupo de vice-presidentes do Vasco cobra maior participação nas negociações com a 777 sobre a SAF

Negociação entre o Vasco e a 777  está próxima de ser finalizada e passará por votações (Daniel Ramalho/CRVG)


A negociação entre o Vasco e a 777 Partners está próxima de ser finalizada para a compra de 70% da SAF (passará por votações). No entanto, um grupo formado por seis vice-presidentes da gestão de Jorge Salgado e um conselheiro enviou uma carta ao mandatário dizendo serem favoráveis ao processo, porém cobrando mais transparência. A informação foi inicialmente divulgada pelo portal "UOL".

Cabe salientar que o documento foi assinado por: Fábio Nogueira (VP de Patrimônio), Marcel Kaskus (VP de Esportes Olímpicos e Paralímpicos e membro do Comitê Consultivo do Futebol), Vítor Roma (VP de Marketing), Maurício Corrêa (VP de Relações Públicas), Horácio Júnior (VP de Responsabilidade Social e História), Rafael Cobo (VP Médico), além do conselheiro Luís Aragão (conselheiro).

+ Confira e simule a tabela da Série B do Campeonato Brasileiro

No documento, os envolvidos citaram que o processo necessita de maior participação dos vice-presidentes, principalmente nas conversas que envolvam diretamente suas áreas. Além disso, alegaram que as negociações-chave com a KPMG foram realizadas sem a presença dos titulares da carta.

- Na reunião com o líder do projeto pela KPMG, realizada na última sexta feira em São Januário, ficou claro que negociações-chave transcorreram por meses sem que os VPs tenham tido ciência ou participação nelas, o que torna a posição do clube frágil e arriscada em um processo tão vital para sua história. Entendemos que a empresa contratada está avançando sua atuação sobre competências que não são dela, sem envolvimento das áreas envolvidas e sem conhecimento dos assuntos que discutem - diz a carta.

+ Em meio à negociação da SAF do Vasco, 777 Partners contrata executivo ex-City para gerir futebol

Outro ponto salientado na carta é o acordo selado com a KPMG em detrimento da Ernest & Young, empresa que prestou consultaria. Segundo eles, ela estaria mais por dentro da situação do clube e para a sequência de todo processo da SAF.

- Reiteramos que uma história de 120 anos não pode ser manchada por erros na condução das negociações. E o sucesso das negociações não é um fruto do acaso, mas do trabalho e do zelo. Por isso, torna-se espantoso que as negociações não levem em consideração o resultado da consultoria que contratamos junto à EY, com a qual o clube gastou quase R$ 200 mil, com o objetivo de propor ideias de carve-out - explicou a carta.

Nas conversas com a 777 Partners, além de Jorge Salgado, Carlos Osório e Roberto Duque Estrada, o VP Jurídico, Zeca Bulhões e o VP de Finanças, Adriano Mendes também estiveram à frente. No fim do textos, os vice-presidentes reafirmam serem entusiastas da SAF, mas frisaram:

+ Getúlio mira titularidade e acirra concorrência com Raniel no ataque do Vasco na Série B

- Preocupados com o resultado do processo, constatamos que a condução das negociações por um grupo muito restrito, sob a justificativa do risco de vazamento de informações sensíveis, levou a um debate empobrecido, arriscado e improdutivo - finalizaram.

Confira a carta na íntegra

De: Vítor Roma, Horácio Júnior, Fábio Nogueira, Marcel Kaskus, Maurício Corrêa, Rafael Cobo e Luís Aragão

Para: Presidente Jorge Salgado

Reflexões sobre o momento do Vasco

A aprovação da SAF é um dos movimentos mais importantes da história do clube, e será lembrada eternamente, tanto pelos seus benefícios quanto pelas suas falhas. Cabe a nós, dirigentes do clube, tomarmos os cuidados necessários para que o clube com a história mais importante de todo o futebol brasileiro seja capaz de escrever mais um capítulo glorioso de sua trajetória.

Desde o princípio das negociações com a 777 Partners, alertamos sobre a necessidade de maior envolvimento dos Vice-Presidentes, sobretudo em negociações que envolvam suas áreas.

Na reunião com o líder do projeto pela KPMG, realizada na última sexta feira em São Januário, ficou claro que negociações-chave transcorreram por meses sem que os VPs tenham tido ciência ou participação nelas, o que torna a posição do clube frágil e arriscada em um processo tão vital para sua história. Entendemos que a empresa contratada está avançando sua atuação sobre competências que não são dela, sem envolvimento das áreas envolvidas e sem conhecimento dos assuntos que discutem.

As promessas de inclusão dos VPs em momento oportuno nunca se concretizaram, o que se converte em risco para as negociações, que precisam ser conduzidas de maneira eficiente, sob pena de resultar em acordos ruins e potencialmente questionados pelos sócios na Assembleia Geral.

Estes sócios, diga-se, não encontram, no atual estágio das negociações, garantias acerca de seus direitos adquiridos. E eles não são importantes apenas na aprovação da SAF na AGE: são também a principal fonte de receita do clube social a partir da aprovação do acordo com a 777. Falhar com eles significa falhar com o Vasco, com sua história e com o seu futuro, dado o risco real de insolvência, caso os sócios estatutários se afastem do clube.

Reiteramos que uma história de 120 anos não pode ser manchada por erros na condução das negociações. E o sucesso das negociações não é um fruto do acaso, mas do trabalho e do zelo. Por isso, torna-se espantoso que as negociações não levem em consideração o resultado da consultoria que contratamos junto à EY, com a qual o clube gastou quase R$ 200 mil, com o objetivo de propor ideias de carve-out. Se a KPMG se debruça sobre o tema há meses, a consultoria perde o sentido. Sobre esse tema, este grupo de VPs encontra imensa dificuldade de acessar informações fundamentais para o processo de carve-out que se encontra em curso; como folha, receita, custos estimados, investimentos, entre outros. Se os Vice-Presidentes do clube não são envolvidos em temas tão sensíveis para suas áreas, o clube perde força em sua capacidade de fechar um bom deal.

Diante do exposto requeremos que o processo, tão decisivo para o clube, seja transparente e tenha participação de forma direta e efetiva na negociação e validação das seguintes questões:

- Licenciamento de marca

- Vasco Academy

- Direitos adquiridos dos sócios estatutários e receitas de associação

- Legado histórico e exploração dos programas envolvidos (tour, espaço experiencia)

- Colégio Vasco da Gama

- Uso de áreas compartilhadas do clube (esportes além do futebol, instalações físicas)

- Uso compartilhado de áreas meio (marketing, relações públicas, financeiro, jurídico, secretaria)

- Contrato com fornecedor de material esportivo

É fundamental esclarecer que todos somos entusiastas da SAF e, sem exceção, atuantes no apoio operacional e político ao seu processo de aprovação. Tal entusiasmo se materializa no objetivo de garantir o sucesso das negociações, com impactos positivos para o futuro do clube.

Preocupados com o resultado do processo, constatamos que a condução das negociações por um grupo muito restrito, sob a justificativa do risco de vazamento de informações sensíveis, levou a um debate empobrecido, arriscado e improdutivo.

Ainda há tempo para correções de rumos. Mas o momento é agora.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos