Maiores transferências sub-21 da janela europeia

Por Vítor Dalseno

Desde 2008, o argentino Lionel Messi e o português Cristiano Ronaldo se alternam na primeira colocação da eleição de melhor jogador do mundo promovida pela Fifa. O camisa 10 do Barcelona levou a melhor em cinco oportunidades, enquanto o craque do Real Madrid levantou o troféu quatro vezes. Como ameaça à hegemonia dos dois jogadores, que já passaram dos 30 anos de idade, surge uma geração de atletas nascidos a partir de 1996, cujos principais expoentes são os franceses Kylian Mbappé e Ousmane Dembélé. Na mais recente janela de transferências da Europa, eles e outros jovens talentos sub-21 agitaram o mercado.

Maiores transferências sub-21 da janela europeia

10 – Dani Ceballos (16,5 milhões de euros)
O Real Madrid já vinha monitorando o meia há algum tempo e, antes de fechar negócio de 16,5 milhões de euros (R$ 62 milhões) com o Real Betis, enfrentou a concorrência do arquirrival Barcelona, que teria tentado, em vão, atravessar a negociação quando os merengues já preparavam o anúncio oficial sobre a transferência. Muitos veem o espanhol como sucessor de Andrés Iniesta, e motivos para isso não faltam. Rápido, habilidoso, com boa qualidade no passe e privilegiada visão de jogo, Ceballos foi eleito o melhor jogador da mais recente edição da Eurocopa Sub-21, disputada em junho, na Polônia, e vencida pela Alemanha, que derrotou a Espanha na final, por 1 a 0. O temperamento instável do atleta, contudo, é apontado por alguns como um empecilho para que ele faça sombra ao entrosado meio de campo titular do Real, que conta com Casemiro, Toni Kroos e Luka Modric. (Foto: AP)

Maiores transferências sub-21 da janela europeia

9 – Ismaïla Sarr (17 milhões de euros)
Apesar da pouca idade (19 anos) e da inexperiência em solo europeu, o senegalês surpreendeu ao escolher o Rennes em vez do Barcelona, que segundo a imprensa catalã apresentou proposta oficial ao Metz para contar com o futebol do atacante. “Poderia ter ido para o Barcelona, mas seria muito cedo para deixar o Metz e já ir para lá”, explicou. Comparado a Ousmane Dembélé, contratado pelo Barça para substituir Neymar, Sarr é rápido, bom driblador e marcou belos gols na temporada passada, sua primeira na liga francesa: foram cinco, em 33 jogos, além de cinco assistências. No novo clube, que desembolsou 17 milhões de euros (R$ 63,4 milhões) para contratá-lo, o atleta espera se consolidar como um dos destaques da seleção de seu país e continuar evoluindo para, no futuro, alçar voos mais altos. (Foto: AP)

Maiores transferências sub-21 da janela europeia

8 – Rubén Neves (17,9 milhões de euros)
Apesar de estar na segunda divisão do Campeonato Inglês, o Wolverhampton decidiu investir pesado – 17,9 milhões de euros (R$ 67 milhões) – na contratação da jovem revelação portuguesa, indicada pelo treinador da equipe, Nuno Espírito Santo, com quem Neves trabalhou em seu clube anterior, o Porto. Comparado a Paul Scholes, ídolo do Manchester United, e Sergio Busquets, do Barcelona, o atleta de 20 anos tem bom poder de marcação e chama a atenção pela qualidade nos lançamentos longos e desarmes. No Mundial sub-17 de 2014 se destacou pela seleção portuguesa e foi eleito para integrar a equipe ideal da competição. Em sua estreia como profissional, aos 17 anos, quebrou dois recordes: o jogador mais jovem a atuar na equipe principal do Porto e também o mais novo a marcar um gol pelo time em partidas oficiais. (Foto: AP)

Maiores transferências sub-21 da janela europeia

7 – Kingsley Coman (R$ 79 milhões)
Cedido por empréstimo pela Juventus ao Bayern de Munique há duas temporadas, o francês de 21 anos se consolidou no clube alemão, onde conquistou, além do bicampeonato alemão (2015-16 e 2016-17), o título da Copa da Alemanha (2015-16). Nessa janela de transferências, os alemães decidiram acionar a opção de compra prevista em contrato e pagaram 21 milhões de euros (R$ 79 milhões) para continuar contando com Coman. Ponta direita veloz, está sempre entre os principais suplentes do técnico Carlo Ancelotti, e frequentemente entra nas partidas para substituir o holandês Arjen Robben o também francês Franck Ribéry. Na temporada passada, em que sofreu com lesões no joelho e no tornozelo, disputou 25 jogos, com dois gols marcados e uma assistência. (Foto: AP)

Maiores transferências sub-21 da janela europeia

6 – Youri Tielemans (R$ 93 milhões)
No precoce início da carreira profissional, aos 16 anos, o então volante fez parte do elenco do Anderlecht campeão belga na temporada 2013-14. Comparado a Frank Lampard, ídolo do Chelsea, Tielemans aos poucos foi se soltando no meio de campo, e passou a atuar mais como meia ofensivo. Seu poder de fogo em chutes de média e longa distância, tanto com a perna esquerda quanto com a direita, além da boa capacidade de armar jogadas, chamaram a atenção do Monaco, que desembolsou 25 milhões de euros (R$ 93 milhões) para contratá-lo. Fã declarado de Zinedine Zidane, a promessa belga, agora com 20 anos, fará parte do processo de reconstrução do atual campeão francês, que perdeu peças fundamentais como Mbappé, o meia Bernardo Silva e o lateral-esquerdo Benjamin Mendy. (Foto: AP)

Maiores transferências sub-21 da janela europeia

5 – Kelechi Iheanacho (R$ 104 milhões)
O Leicester, que há pouco mais de um ano surpreendeu o mundo ao ser campeão inglês, também entrou na lista dos clubes que apostaram suas fichas em jogadores abaixo dos 21 anos. O reforço mais caro dos Foxes nessa janela foi o atacante Kelechi Iheanacho, que na temporada passada atuou 29 vezes pelo Manchester City, clube pelo qual foi revelado, e marcou sete gols. A contratação de Gabriel Jesus, incorporado na metade da temporada europeia ao elenco comandado pelo espanhol Pep Guardiola, diminuiu as oportunidades dadas ao nigeriano, contratado como principal reforço do Leicester, por 27,7 milhões de euros (R$ 104 milhões). Rápido e bom finalizador, torna-se uma opção para um setor ofensivo que também conta com nomes como Jamie Vardy, Riyad Mahrez, Shinji Okazaki e Islam Slimani.
(Foto: AP)

Maiores transferências sub-21 da janela europeia

4 – Theo Hernández (R$ 112 milhões)
O lateral-esquerdo não transmitiu uma primeira impressão positiva aos torcedores do Real Madrid. Ao ser apresentado no Estádio Santiago Bernabéu, o reforço de 30 milhões de euros (R$ 112 milhões) perdeu o controle da bola ao fazer embaixadinhas, talvez atrapalhado pela emoção de vestir a camisa do maior campeão europeu (12 títulos). Com apenas 19 anos, o francês tem a força física e a velocidade como principais características, mas para muitos críticos ainda precisa aprimorar a parte técnica. Revelado pelo Atlético de Madri, atuou por empréstimo no Alavés na temporada passada e foi titular da equipe, que chegou à final da Copa do Rei e acabou derrotada pelo Barcelona, por 3 a 1. Hernández foi a contratação mais cara do Real na janela de transferências, o que mostra uma drástica mudança de postura no planejamento do clube, que em temporadas anteriores gastou fortunas para reforçar o time com jogadores badalados como Gareth Bale, Tony Kroos e Álvaro Morata. (Foto: AP)

Maiores transferências sub-21 da janela europeia

3 – Davinson Sánchez (R$ 149 milhões)
A forte personalidade ajuda a entender a rápida ascensão do zagueiro de 21 anos, campeão da Libertadores do ano passado com o Atlético Nacional. Aos 16 anos, Sánchez era um meio-campista comum nas categorias de base de seu time de coração, o América de Cali. Desmotivado, resolveu buscar novos ares no rival Nacional, onde passou a atuar como zagueiro e começou a ganhar espaço no time, então comandado por Juan Carlos Osório, ex-técnico do São Paulo e atual comandante da seleção mexicana. Em maio de 2016, quando já parecia tudo certo para que se transferisse ao Barcelona, recusou a equipe catalã ao saber que atuaria na equipe B. “Não quero jogar no time reserva”, disse Sánchez. Poucas semanas depois, acertou com o Ajax, clube para o qual se transferiu após a conquista da Libertadores. Em pouco tempo, ganhou a condição de titular e foi fundamental para que o time alcançasse a final da Liga Europa, perdida diante do Manchester United, por 2 a 0. Suas atuações na Holanda convenceram o Tottenham a desembolsar 40 milhões de euros (R$ 149 milhões) para concretizar a transferência mais cara da história da liga holandesa e também do clube inglês. (Foto: AP)

Maiores transferências sub-21 da janela europeia

2 – Ousmane Dembélé (R$ 392 milhões)
O francês de 20 anos foi escolhido pelo Barcelona para ser o substituto de Neymar, que deixou o clube contra a vontade dos dirigentes catalães e se transferiu para o Paris Saint-Germain, mediante pagamento da multa rescisória, no valor de 222 milhões de euros (R$ 828 milhões). Rápido, habilidoso e bom driblador, Dembélé foi revelado pelo Rennes-FRA e, na temporada passada, destacou-se como um dos principais jogadores do Borussia Dortmund, onde, em 49 partidas, marcou 10 gols, deu 21 assistências e formou um poderoso trio de ataque, ao lado do alemão Marco Reus e do gabanês Pierre-Emerick Aubameyang. Na final da Copa da Alemanha, em maio, o francês marcou um belo gol, que abriu caminho para a vitória por 2 a 1 sobre o Frankfurt e encerrou uma sequência de três vice-campeonatos consecutivos da equipe aurinegra na competição. Para tirá-lo de Dortmund, o Barça desembolsou 105 milhões de euros (R$ 392 milhões), transformando Dembélé na segunda contratação mais cara da história do futebol, atrás exatamente de Neymar. (Foto: AP)

Maiores transferências sub-21 da janela europeia

1 – Kylian Mbappé (*R$ 668 milhões)
O “fator Neymar” certamente pesou para que o atacante de 18 anos trocasse o Monaco pelo Paris Saint-Germain, rechaçando as investidas de clubes como Manchester City e Real Madrid, apontado inicialmente como favorito para contratar o jogador. A transferência da principal promessa da seleção francesa fugiu do padrão das negociações envolvendo nomes badalados, que frequentemente movimentam centenas de milhões de euros. Apesar de o PSG alegar que a transação de Neymar foi bancada pelo governo do Catar, que o contratou como embaixador da Copa do Mundo de 2022 por 222 milhões de euros (R$ 828 milhões) – valor da multa rescisória do craque brasileiro com o Barcelona –, os dirigentes franceses acharam prudente contratar Mbappé por empréstimo de um ano, sem custos. Para tentar evitar qualquer punição da UEFA com base nas regras do fair play financeiro, que busca limitar a injeção de recursos nos clubes por parte de empresários bilionários, o Paris Saint-Germain estipulou em contrato o valor a ser pago ao Monaco em junho de 2018 para contar com o atacante definitivamente: segundo jornais europeus, 180 milhões de euros (668 milhões de reais), quantia que o colocaria no lugar de Ousmane Dembélé como o segundo atleta mais caro da história do futebol. (Foto: AP)