Jogadores 'crucificados' depois de falhas em Libertadores

Por Fernando Graziani

Ganhar a Libertadores da América é o auge para qualquer clube do continente. Assim, cada fase avançada é digna de muita comemoração. Equipes esquecem as competições nacionais e reservam o que têm de melhor para os jogos das datas da Conmebol. E toda essa expectativa cria heróis, mas, na mesma proporção, abre a porta para a construção de vilões. Um pênalti mal batido, uma chance clara desperdiçada ou uma expulsão precoce são exemplos de lances que definem destinos. Quem falha dificilmente é perdoado e encerra ali a história com o clube. Lembre agora de dez jogadores que foram vilões da competição mais importante da América do Sul.

Jogadores que foram ‘crucificados’ depois de falhas em Libertadores

Diego Souza – A disputa entre Vasco e Corinthians nas quartas de final da Libertadores de 2012 foi muito equilibrada. No segundo jogo, no Pacaembu, o primeiro tempo contou com jogadas mais ríspidas, clima tenso e chutes de fora da área. Na etapa complementar, porém, as chances claras de gol apareceram. A melhor foi de Diego Souza, para o Vasco, que entrou livre de marcação na grande área, mas não venceu Cássio, que espalmou para escanteio. O erro custou caro, até porque, no fim do jogo, Paulinho marcou o único gol da partida para o Corinthians, que seria então campeão continental numa final contra o Boca Juniors. O torcedor vascaíno não perdoa Diego Souza por isso. (Foto: Gazeta Press)

Jogadores que foram ‘crucificados’ depois de falhas em Libertadores

Gérson Magrão – Meio campista de origem, Gerson Magrão entrou como lateral esquerdo, na final da Libertadores de 2009, entre Cruzeiro e Estudiantes, no Mineirão. A Raposa até começou vencendo, mas o time argentino virou a partida e os dois gols saíram pelo lado onde Gérson atuava. Ele saiu com estigma de vilão e encerrou sua passagem pelo Cruzeiro depois dali. O atleta, no entanto, até hoje alega que foi um dia infeliz de todo o elenco. (Foto: Gazeta Press)

Jogadores que foram ‘crucificados’ depois de falhas em Libertadores

Roger – Clube brasileiro perder para time argentino é sempre ruim, mas falhar tanto numa derrota é pedir para ser o vilão. Foi o que ocorreu com o lateral Roger, então no Corinthians, em 2003. Ainda no primeiro tempo da segunda partida contra o River Plate, pelas oitavas de final da Libertadores, o atleta foi expulso de forma infantil após falta em D’Alessandro. Jogar com um homem a menos fez o Timão tomar a virada dos Milionários e cair no torneio continental. Para completar, foi a primeira vez que o River eliminou um time brasileiro em um mata-mata de Libertadores. Roger então foi esquecido e, emprestado ao Flamengo em 2004, fez sucesso com boas atuações e 11 gols em cerca de 60 partidas jogadas.(Foto: Gazeta Press)

Jogadores que foram ‘crucificados’ depois de falhas em Libertadores

Egídio – O lateral esquerdo já não vivia sua melhor fase de relacionamento com a torcida do Palmeiras em 2017. Pouco utilizado nas competições eliminatórias, ele apresentava desempenho discreto no Brasileirão. No dia 10 de agosto, porém, a gota d’água foi derramada e Egídio assumiu de vez a condição de vilão. Na partida de volta contra o Barcelona de Guayaquil, o Palmeiras conseguiu vencer apenas por 1 a 0 e levou a decisão para as penalidades. Enquanto os equatorianos perderam apenas uma cobrança, o Verdão desperdiçou duas. A que deu números finais ao confronto foi do lateral, que ganhou perdão do elenco, mas não dos torcedores. (Foto: Gazeta Press)

Jogadores que foram ‘crucificados’ depois de falhas em Libertadores

Palhinha – O São Paulo estava pronto para ser tricampeão seguido da Libertadores em 1994. A final era contra o Velez, da Argentina e na disputa de pênaltis, no Morumbi lotado, apenas um jogador errou: Palhinha. O meio-campista teve grande sucesso no clube nas temporadas de 92 e 93 com os títulos continentais e mundiais, mas o erro na penalidade máxima ajudou o jogador a perder espaço na equipe. Enviado ao Cruzeiro no ano seguinte, fez sucesso, inclusive com outro título da Libertadores, em 1997 (Foto: Gazeta Press)

Jogadores que foram ‘crucificados’ depois de falhas em Libertadores

Ronaldo – A queda precoce do Corinthians na pré-Libertadores de 2011 provocou protestos no Parque São Jorge. Com pichações nos muros, torcedores criticaram o então técnico Tite, o presidente Andrés Sanches, o lateral Roberto Carlos, mas, principalmente, Ronaldo Fenômeno, que passou de ídolo a vilão. As mensagens alegavam que o atacante era apenas um garoto propaganda e pediam sua saída do time. Nos dois jogos contra o Tolima o Corinthians não marcou nenhum gol e, derrotado por 2 a 0 na Colômbia, se viu eliminado. (Foto: Gazeta Press)

Jogadores que foram ‘crucificados’ depois de falhas em Libertadores

Washington – O Fluminense decidiu o título da Libertadores em 2008 contra a LDU. A partida decisiva foi no Maracanã e o tricolor precisava reverter o resultado contrário de 4 a 2 da primeira partida. Nos 90 minutos, Thiago Neves marcou três vezes, mas Bolaños tinha feito primeiro para o time equatoriano (não há gol qualificado na final). O campeão sairia da disputa de pênaltis e foi aí que os pilares do Fluminense falharam. Conca e Thiago Neves desperdiçaram suas cobranças, mas o nome que ficou marcado foi o do atacante Washington, que parou em Cevallos na quarta penalidade do time carioca. O Maracanã ficou em silêncio. (Foto: Gazeta Press)

Jogadores que foram ‘crucificados’ depois de falhas em Libertadores

Asprilla – O sonho do bicampeonato da Libertadores para o Palmeiras foi por água abaixo em 2000, na final contra o Boca Juniors, e o colombiano Asprilla foi eleito o vilão. Causas existem para tanto. Ele não começou como titular, mas entrou ainda no primeiro tempo, aos 35 minutos, substituindo o atacante Marcelo Ramos, contundido. No tempo normal, perdeu um gol cara a cara com o goleiro Córdoba. Nas penalidades voltou a errar, logo na segunda cobrança. Suas falhas foram tão marcantes que a cobrança perdida por Roque Júnior é bem menos comentada. (Foto: Gazeta Press)

Jogadores que foram ‘crucificados’ depois de falhas em Libertadores

Henao – O goleiro colombiano defendeu o Santos em 2005 e foi o titular na partida contra o Atlético Paranaense, jogo da volta, nas quartas de final do torneio. A partida terminou em 3 a 2 para o Furacão, na Arena da Baixada. Dos três tentos sofridos, Henao falhou em dois e o próprio técnico do Peixe à época, Gallo, reconheceu que as falhas individuais atrapalharam o todo. Depois do episódio, Henao perdeu vaga para Mauro, no gol e saiu do Peixe com apenas 13 partidas jogadas. (Foto: Gazeta Press)