Heróis improváveis do futebol

Por Matheus Ribeiro (@_ribeirom)

Neymar, Messi, Suárez, Iniesta… O Barcelona tem um grande número de jogadores com poder de decisão. E precisou de todos eles para fazer um milagre ao reverter uma vantagem de quatro gols do Paris Saint-Germain no jogo de volta das oitavas de final da Champions League. Mas não foi nenhum deles que marcou o gol da vitória e que causou um pequeno terremoto na cidade catalã. Quem desviou a bola para as redes foi Sergi Roberto, que se destaca na equipe apenas por ser um curinga, podendo atuar em várias posições. Para celebrar a improbabilidade do perfil heroico de Roberto, fizemos uma lista com outros jogadores que estavam no lugar certo e na hora certa para ganhar um espaço especial na história dos clubes e no coração dos torcedores.

 

Belletti

Mesmo jogando com um a mais desde o início da final da Champions League 2005/06, o Barcelona saiu perdendo para o Arsenal. No segundo tempo, o sueco Henrik Larsson empatou a partida. E quando tudo parecia destinado a se resolver na prorrogação, o lateral brasileiro Belletti, que havia saído do banco, apareceu na área e bateu por baixo das pernas do goleiro Manuel Almunia para fazer o gol do título dos catalães. Foto: AP

Adriano Gabiru

O Barcelona chegou ao Mundial de 2006 com tudo, mas teve muita dificuldade para bater a marcação implacável do Internacional, com Ceará praticamente grudado em Ronaldinho Gaúcho por grande parte do jogo. Só que a equipe gaúcha não conseguia atacar muito e a situação parecia ter piorado quando o ídolo Fernandão precisou deixar o campo. Ele deu lugar a Adriano Gabiru, que era muito criticado por qualquer colorado naquele momento. Só que todos passaram a amar o meia naquele dia, já que ele saiu na cara do gol e bateu Victor Valdés para garantir o primeiro Mundial ao Inter. Foto: AP

Romarinho

O primeiro título do Corinthians na Libertadores teve uma participação essencial de um herói improvável. Romarinho tinha acabado de chegar ao alvinegro e fez dois gols na vitória contra o Palmeiras no fim de semana. E na quarta era a primeira partida da final da competição continental. O atacante ganhou uma vaga no banco e entrou no segundo tempo do jogo na Bombonera para marcar um gol fundamental para que o Timão tivesse uma missão menos complicada no jogo de volta em São Paulo. Foto: AP

Ronaldo Angelim

O zagueiro sempre foi um dos favoritos da torcida do Flamengo durante o fim dos anos 2000 por causa de sua presença defensiva, sempre aparecendo muito bem quando a equipe precisava. E ele virou um herói cult em 2009 no jogo em que o rubro-negro conquistou o título brasileiro daquele ano. Com o placar empatado em 1 a 1 contra o Grêmio, Angelim subiu mais alto que todo mundo e cabeceou para a rede, marcando o gol que garantiu a quinta conquista nacional ao time do Rio. Foto: Gazeta Press

Éder

Muita gente acreditava que Portugal não teria força para competir com a França após Cristiano Ronaldo sair no início da final da Euro 2016. Mas os “visitantes” seguraram bem a pressão dos locais e coube a Éder, um atacante desacreditado, sair do banco para marcar o único gol da decisão e dar a Portugal seu primeiro título continental. Foto: AP

Basile Boli

A final da Champions League da temporada 1992/93 reuniu ótimos nomes do futebol. Frank Rijkaard, Marco van Basten e Roberto Donadoni pelo lado do Milan. No Marseille, os craques eram Abedi Pelé, Rudi Völler e Didier Deschamps. Mas não foi nenhum deles que marcou o único gol da partida. Em um escanteio batido por Pelé, o zagueiro Basile Boli fez um de seus apenas 35 gols na carreira e colocou o Olympique em vantagem, com a equipe francesa conquistando seu primeiro título da competição. Na foto, ele aparece à direita, cabeceando. Foto; Beate Mueller/Bongarts/Getty Images

Kelvin

Na temporada 2012/13, o Porto enfrentou o grande rival e líder Benfica na penúltima rodada do Campeonato Português. O meia brasileiro Kelvin já não tinha oportunidades no time principal fazia algum tempo e passou a treinar com a equipe B. Só que na semana antes do clássico, o técnico Vítor Pereira chamou Kelvin para as atividades do time principal novamente e o colocou no banco na decisão. Mesmo com um a menos em campo, Pereira colocou o brasileiro em campo e a aposta deu muito certo, já que ele marcou o gol da virada nos acréscimos com um belo chute de primeira, colocando o Porto na liderança do campeonato com uma rodada para o fim. Foto: AP

Dudek

É difícil de esquecer o chamado Milagre de Istambul, em que o Liverpool ganhou a Champions League após sair perdendo por 3 a 0 contra o Milan, empatando no segundo tempo e levando o título nos pênaltis. E o goleiro Jerzy Dudek foi fundamental para a conquista dos Reds. Antes de todas as cobranças do Milan, o polonês começou a dançar em cima da linha para tentar desconcentrar os adversários. E a estratégia deu bastante certo, já que Serginho mandou a sua tentativa para fora, enquanto Andrea Pirlo e Andriy Shevchenko não conseguiram bater o goleiro do Liverpool. Foto: AP Photo/Thomas Kienzle

Márcio Araújo

O volante é alvo de críticas das torcidas de todos os times por onde passou. Mas pelo menos os flamenguistas podem agradecer a Márcio Araújo por um título carioca. Na final do torneio estadual de 2014, o rubro-negro perdia por 1 a 0 e conseguiu o empate já nos acréscimos, quando Araújo, impedido, aproveitou um rebote para empurrar para o gol e garantir o 33º título do Fla no Carioca. Foto: Buda Mendes/Getty Images