Grigos brilharam no Brasil, mas não na sua terra natal

Por Arthur Moreno (@Arthurmorenoo)

O Brasil sempre foi um celeiro de craques, mas muitos jogadores que ganharam a idolatria do torcedor não são nascidos aqui. Porém, não seria exagero dizer que esses atletas são um pouquinho ‘brasileiros’, afinal foi aqui nas terras tupiniquins que eles viveram os melhores momentos de suas carreiras. Conheça 10 gringos que brilharam mais no Brasil do que em seus países de origem.

Grigos brilharam no Brasil, mas não na sua terra natal

D’ALESSANDRO
Andrés D’Alessandro brilhou no seu início de carreira no River Plate. Foi vendido para a Europa, até chegar ao Internacional, com status de contratação de peso, em 2008. No Colorado, se tornou o maior ídolo recente da história do clube. Conquistou a Libertadores de 2010, seis campeonatos Gaúchos, além de uma copa Sul-Americana. São 379 jogos e 82 gols com a camisa vermelha. (Foto: Gazeta Press)

Grigos brilharam no Brasil, mas não na sua terra natal

FIGUEROA
O zagueiro chileno iniciou sua carreira no Unión La Calera, do Chile. Mas foi no Peñarol do Uruguai que o zagueiro brilhou. Chegou em 1971 ao Internacional, como uma grande contratação. No Colorado, não decepcionou e conseguiu brilhar ainda mais. Foram 336 jogos pelo time gaúcho, conquistando seis campeonato estaduais e dois campeonatos brasileiros. É considerado por muitos o melhor zagueiro que atuou no Inter. Além de ser um dos maiores ídolos do futebol chileno. (Foto: Gazeta Press)

Grigos brilharam no Brasil, mas não na sua terra natal

GAMARRA
Considerado um dos melhores zagueiros do futebol, o paraguaio Gamarra chegou ao Brasil em 95 para jogar pelo Internacional. Se destacou e foi vendido ao Benfica, de Portugal. Em 98, acertou o seu retorno ao Brasil, para jogar pelo Corinthians. No Alvinegro foi campeão Brasileiro em 98 e paulista de 99. O pouco tempo em Parque São Jorge foi o suficiente para ele ser considerados um dos ídolos do Corinthians. No Brasil, ainda jogou por Palmeiras e Flamengo. (Foto: Gazeta Press)

Grigos brilharam no Brasil, mas não na sua terra natal

MARCELO MORENO
Marcelo Moreno jogou em seu país de origem apenas nas categorias de base, antes de se transferir aos 17 anos para o Vitória, da Bahia. No clube baiano, venceu dois campeonatos estaduais. Em 2007 foi jogar no Cruzeiro, onde se tornaria campeão estadual. Foi para a Europa e retornou ao Brasil em 2012, quando foi jogar pelo Grêmio. Do tricolor Gaúcho, foi emprestado ao Flamengo e ao Cruzeiro, onde conquistou o Brasileiro de 2014 e foi eleito o melhor estrangeiro da competição. Hoje, joga na China.
(Foto: Gazeta Press)

Grigos brilharam no Brasil, mas não na sua terra natal

HUGO DE LÉON
O uruguaio De Léon, brilhou no seu clube de origem, o Nacional. Em 1980 chegou ao Grêmio. No ano seguinte, foi campeão brasileiro. Em 1983, era o capitão da conquista da Libertadores, e ergueu o troféu com uma imagem histórica: com o rosto todo ensanguentado. No Brasil, ainda jogou por Corinthians e Santos.
(Foto: Gazeta Press)

Grigos brilharam no Brasil, mas não na sua terra natal

RINCÓN
Freddy Rincón sempre foi sinônimo de desarme e cara feia. O volante colombiano teve bons momentos em seu país, mas nunca se firmou em um time só. Em 93, acertou com o Palmeiras. Em 94 foi campeão Paulista em cima do Corinthians, clube do qual ele faria história no Brasil. Chegou ao Parque São Jorge em 98, após rodar pela Europa. No Corinthians, foi bicampeão Brasileiro e capitão do time no título mundial em 2000. Foram 158 jogos e 11 gols com a camisa alvinegra. (Foto: Gazeta Press)

Grigos brilharam no Brasil, mas não na sua terra natal

DARIO PEREYRA
O uruguaio Dario Pereyra, teve uma boa passagem pelo Nacional, time que o revelou. Mas foi no São Paulo que o zagueiro mostrou todo o seu futebol. Pelo tricolor paulista foram mais de 450 jogos, conquistando dois campeonatos brasileiros e 4 títulos paulistas. Ainda jogou por Flamengo e Palmeiras. (Foto: Gazeta Press)

Grigos brilharam no Brasil, mas não na sua terra natal

ARCE
O Paraguaio Arce viveu grande momento em seu clube de origem, o Cerro Porteño. Chegou ao Grêmio em 95, como um lateral técnico com cruzamentos e cobranças de faltas perfeitas, conquistando tudo: Libertadores, Sul-Americana, Campeonato Brasileiro e Copa do Brasil. Em 98 foi vendido ao Palmeiras, onde se consolidaria como um dos grandes do futebol brasileiro. Pelo time Paulista, venceu a Libertadores de 99, a Mercosul e a Copa do Brasil de 98. (Foto: Gazeta Press)

Grigos brilharam no Brasil, mas não na sua terra natal

CONCA
O Argentino Dario Conca começou a carreira no River Plate, mas foi no Universidad Católica do Chile, que o baixinho de perna esquerda chamou a atenção dos brasileiros. Jogou no Vasco, antes de acertar com o Fluminense. No Flu, foi campeão Brasileiro de 2010, sendo, inclusive, eleito o craque do campeonato. Conca fez mais de 260 jogos pelo Flu e se tornou o gringo com mais jogos pelo tricolor. Hoje, joga no Flamengo. (Foto: Gazeta Press)

Grigos brilharam no Brasil, mas não na sua terra natal

PETKOVIC
O sérvio teve no Estrela Vermelha o seu principal momento em seu país. Em seguida foi vendido ao Real Madrid. Sem brilhar na Espanha, foi emprestado para diversos clubes, um deles o Vitória, da Bahia. No Brasil chamou a atenção pela técnica nas cobranças de falta. Em 2000, chegou ao Flamengo, onde mudaria a sua história. No Rio, jogou em mais dois times, Vasco e Fluminense. Em 2011, Pet encerrou a carreira no Fla com 196 jogos e 57 gols.
(Foto: Gazeta Press)