10 revelações da Seleção Sub-17 que não deram certo

Por Arthur Moreno (@arthurmorenoo)

A seleção brasileira sub-17 disputa o Sul-Americano da categoria no Chile. O Brasil é o maior vencedor da competição, com onze troféus. E como em todos os anos, a expectativa é de que novas promessas surjam para o futebol. Phillippe Coutinho, Casemiro e Ronaldinho Gaúcho são alguns dos nomes que já brilharam nos torneis sub-17. Este ano, o meia Vinicius Júnior e o atacante Lincoln, ambos do Flamengo chama a atenção. Porém, não é sempre que joias da base vingam para o futebol. Relembre os 10 jogadores que se tornaram ‘eternas promessas’.

 

LULINHA

Talvez a maior esperança da base do Corinthians, Lulinha subiu ao profissional com o rótulo de craque. Na base, marcou mais de 200 gols. Pela seleção sub-17 foi campeão e artilheiro com 12 gols do Sul-Americano da categoria em 2007. No time principal do Alvinegro, chegou a conquistar a Copa do Brasil de 2008 e o Paulista do mesmo ano. Porém, não se tornou protagonista e acabou emprestado diversas vezes. Atualmente está no Pohang Steelers, da Coréia. Foto: AP Photo/ Yonhap, Kim Ho-chun

KERLON FOQUINHA

Kerlon Souza surgiu na base do Cruzeiro e logo subiu ao profissional como promessa. Chamou a atenção pelo drible que gerou o apelido de ‘foquinha’, quando petecava a bola com a cabeça. Disputou Sul-Americano sub-17 de 2005 e foi artilheiro da competição com oito gols. Em 2008, foi vendido para o futebol europeu. Primeiro jogou pelo Chievo e depois se transferiu para a Inter de Milão. Porém, as sérias lesões acabaram impedindo um avanço maior de sua carreira. Retornou ao Brasil e nunca mais brilhou. Hoje joga no futebol russo. Foto: AP Photo/Ana Maria Otero

LUCAS PIAZON

Considerado a grande promessa do São Paulo, Lucas Piazon chamou tanta atenção que foi comprado pelo Chelsea em 2011, aos dezessete anos, época que foi campeão do Sul-Americano sub-17. Por causa da idade só pôde chegar ao time inglês em 2012, quando completou 18 anos. Nos Blues, teve um bom começo sendo titular com frequência. Depois acabou perdendo espaço e sendo emprestado por cinco vezes. Atualmente é reserva do Fulham, da segunda divisão inglesa. Foto: AP

ADRYAN

Outra promessa da seleção que venceu o Sul-Americano de 2011, Adryan chegou a ser comparado a Zico pelo jornal “Gazzetta dello Sport”, da Itália. O meia teve um começo animador no profissional do Flamengo, com gols e assistências. Em 2013, foi emprestado ao Cagliari, da Itália. Da bota, foi para a Inglaterra e depois para a França. Sem vingar em nenhum dos três países, retornou ao Flamengo na metade de 2016. Hoje dificilmente é relacionado para as partidas. Foto: AP

RAMÓN OSNI

O habilidoso meia surgiu em 2005 pelo Atlético-MG e foi vice-campeão do Sul-Americano sub-17 no mesmo ano. Em 2006, se transferiu para o Corinthians. Porém, o encanto pelo sucesso acabou atrapalhando a carreira. Após passar pelo Parque São Jorge, se transferiu para o CSKA, da Rússia, Flamengo e Bahia. Desde então, não se firmou em mais nenhum clube. Atualmente, com 28 anos, atua pelo Rio Verde, que disputa o Campeonato Goiano. Foto: AP Photo/Fernando Llano

EVANDRO RONCATTO

Conhecido por ser o ‘mito’ dos jogos de Managers, Roncatto foi campeão Mundial Sub-17 em 2003 sendo eleito o bola de prata da competição. Nos jogos online, a revelação do Guarani era uma espécie de salvador para os jogadores. Porém, as expectativas do CM não se concretizaram e Roncatto acabou sumindo ao decorrer dos anos. Hoje, atua pelo Ermis Aradippou, do Chipre. Foto: AP Photo/Claude Paris

GERSON FRAGA

Chamado de ‘Presidente’ nas categorias de base, o zagueiro era o capitão da seleção que venceu o Sul-Americano de 2009, ao lado de Philippe Coutinho. No Grêmio, era o mais cotado para integrar a lista dos jogadores inscritos na Libertadores de 2013. A inscrição não aconteceu e Gerson acabou emprestado. Há dúvidas sobre o seu sucesso por causa da altura de 1,77m, considerada baixa para um zagueiro. Hoje, joga pelo Mumbai City, da Índia. Foto: Gazeta Press

ABUDA

Campeão da Copa do Mundo sub-17 em 2003, Abuda surgiu no Corinthians como uma promessa para o ataque. Chegou a fazer bons jogos pelo time principal e foi vendido para o Wolfsburg. Na Alemanha pouco jogou. Foram nove minutos para ser exato. Na volta ao Brasil, foi para o Vasco e não rendeu. Depois disso passou pela terceira divisão do Japão e outras ligas menores da Europa e do Brasil. Hoje, aos 30 anos, joga pelo Comercial. Foto: AP Photo/Dado Galdieri

LEANDRO BONFIM

Campeão Sul-Americano sub-17 em 2001, era considerado pelo Vitória como uma das maiores revelações do futebol baiano. Em 2002 foi vendido para o PSV. Da Holanda se mudou para Portugal. No Porto jogou por dois anos até a volta ao Brasil, para o São Paulo. No Tricolor acabou não vingando e seguiu uma rotina de empréstimos. Desde 2014 atua no futebol da Arábia Saudita. Foto: Fernando Soutello/AGIF/Gazeta Press

TALES

O meia surgiu no Internacional como promessa junto com Alexandre Pato. Tales garante ser o atleta com mais convocações pelas seleções de base, com 72 chamados. De fato, na base, ele foi muito bem. Conquistou os Sul-Americanos sub-15, sub-17 e sub-20. Mas no profissional nunca teve o mesmo brilho. Teve poucas chances no Inter e acabou saindo. Foi para Portugal, mas também não brilhou. Voltou ao Brasil e rodou por pequenos clubes. Atualmente joga na Finlândia. Foto: AP Photo/Dolores Ochoa