10 Reforços para fases finais

Quando as partidas decisivas dos campeonatos se aproximam, nada melhor para o torcedor do que saber que o seu time do coração contrata mais jogadores para buscar conquistas. Nem sempre essa prática deu certo, mas em outras vezes foi fundamental. Confira dez jogadores que foram contratados especialmente para fases finais de campeonatos.

Por Caio Calazans (@cabrito13)

10 Reforços para fases finais

Lima no Santos em 2008 – Com sucesso no Juventus da Moóca no Campeonato Paulista daquele ano, o atacante Lima chamou a atenção do Santos, que estava precisando de um avançado para a fase final da Copa Libertadores. Lima estreou nas oitavas de final, com gol ante o Cúcuta-COL. Para azar de Lima e do Santos, o Peixe foi eliminado na fase seguinte, pelo América-MEX. Foto: Gazeta Press

10 Reforços para fases finais

Zeballos no Botafogo em 2014 – Para a disputa da Copa Libertadores de 2014, o Botafogo contratou o atacante paraguaio Pablo Zeballos, com destaque anterior no Cerro Porteño e Olimpia. O jogador chegou como o quinto estrangeiro e era uma das apostas para a fase de grupos da ‘Liberta’. Estreou somente na terceira partida e não conseguiu ajudar o Glorioso a se classificar. O Botafogo ficou em último lugar e Zeballos não marcou nenhum gol. Foto: Gazeta Press

10 Reforços para fases finais

Antônio Lopes no Corinthians em 2005 – O Timão também teve um reforço importante para a reta final do Campeonato Brasileiro. Naquele ano, o Brasileirão tinha 22 times e 42 rodadas, e Lopes estreou no Corinthians na 29ª rodada. O técnico chegou ao Timão credenciado pelo sucesso no Vasco, pois a diretoria achava que o clube precisava de alguém mais experiente que Márcio Bittencourt. Lopes soube controlar um elenco cheio de atletas com personalidade forte e sagrou-se campeão brasileiro novamente. Foto: Gazeta Press

10 Reforços para fases finais

Marcinho no Palmeiras em 2005 – Quarto colocado no Brasileirão do ano anterior, o Palmeiras queria conquistar novamente a América dois anos após voltar da segunda divisão. O Verdão pagou 2,5 milhões de dólares pelo meia, que chegou como parte de um pacote que incluía o atacante Washington e o meia Juninho Paulista. Os reforços estrearam no meio da fase de grupos e não conseguiram ajudar o alviverde a conquistar o título. O Verdão foi eliminado pelo São Paulo nas oitavas de final. Foto: Gazeta Press

10 Reforços para fases finais

Paulo Autuori no São Paulo em 2005 – Outro reforço do time naquele fatídico ano foi o técnico Paulo Autuori, que chegou no início de maio para substituir Émerson Leão, que havia conquistado o Campeonato Paulista. O técnico foi apresentado antes das quartas de final da Libertadores e comandou o Tricolor até o final do ano. Venceu a competição sul-americana e o Mundial de Clubes da FIFA. Foto: AP

10 Reforços para fases finais

Amoroso no São Paulo em 2005 – Na Copa Libertadores o Tricolor ia bem, havia eliminado o Palmeiras nas oitavas e o Tigres-MEX nas quartas de final. Para as semifinais, a diretoria do clube do Morumbi contratou Amoroso, atacante que estava no Málaga-ESP, para substituir Grafite, que havia feito uma cirurgia no joelho. Ele estreou na primeira partida contra o River Plate, no Morumbi, vitória Tricolor por 2 a 0, marcou no jogo de volta (derrota por 3 a 2) e também fez gol na final contra o Atlético Paranaense. Foto: AP

10 Reforços para fases finais

Raí no São Paulo em 1998 – Há doze anos sem vencer um Campeonato Paulista, o São Paulo teve em 1998 um reforço importantíssimo que só chegou para jogar a final. Na primeira partida, o Tricolor havia perdido por 2 a 1 para o Corinthians. Num caso bem típico do futebol brasileiro, a Federação Paulista permitiu a inscrição de Raí, que não havia jogado nenhuma partida no campeonato, par o último jogo. O São Paulo saiu campeão com uma vitória por 3 a 1 com participação decisiva do meia. Foto: Gazeta Press

10 Reforços para fases finais

Bebeto no Cruzeiro em 1997 – Campeão da Copa Libertadores da América de 1997, o Cruzeiro queria conquistar o mundial de qualquer jeito. Derrotado na final da Copa Intercontinental de 1976 pelo também alemão Bayern Munique, o time mineiro contratou um pacotão de jogadores para encarar o Borussia Dortmund. O atacante Bebeto, tetracampeão na Copa de 1994, o atacante Donizete “pantera” e o zagueiro Gonçalves. O plano não funcionou, pois o Borussia venceu por 2 a 0. Foto: AP

10 Reforços para fases finais

Romário na Seleção Brasileira em 1994 – Um dos casos mais emblemáticos de jogador que chegou para resolver. Para a FIFA, a Copa do Mundo é apenas a fase final do mundial, que começa com a fase classificatória. Romário não havia jogado nenhuma partida nas Eliminatórias e foi convocado para o último jogo, contra o Uruguai. Caso a Seleção Brasileira perdesse, estaria fora da Copa. Mas o ‘baixinho’ foi o personagem do jogo marcando os dois gols da vitória e classificação do Brasil. Foto: AP

10 Reforços para fases finais

Renato Gaúcho no Cruzeiro em 1992 – Disposta a montar um para ser bicampeão da Supercopa da Libertadores, a diretoria do Cruzeiro não economizou e montou um supertime. O atacante com sucesso no Grêmio e no Flamengo foi a cereja no bolo azul. Renato marcou um gol na estreia ante o Atlético Nacional-COL e marcou mais cinco no jogo de volta, na histórica goleada de 8 a 0. Ele ainda fez dois gols na primeira partida da final contra o Racing-ARG. Foto: Gazeta Press