10 maiores cavalos paraguaios do Brasileirão por pontos corridos

Yahoo Esportes

Por Rodrigo Herrero (@rodrigoherrero)

Começar bem o Campeonato Brasileiro nem sempre quer dizer que o time irá ser campeão ou beliscar ao menos uma vaga para a Libertadores. Há inúmeros casos em que as equipes, após início empolgante, decaem e acabam frustrando seu torcedor. Algumas vezes, os times são até rebaixados. Confira 10 exemplos de cavalos paraguaios que largaram na frente, mas perderam o fôlego e ficaram pelo caminho.

Vale destacar que levamos em consideração apenas equipes que tiveram uma boa arrancada no início do Brasileirão. Por isso, descartamos as campanhas de Grêmio (2008) e Palmeiras (2009), que cresceram no meio da disputa, mas acabaram não mantendo o ritmo forte no final.

<p><br>Internacional – O Internacional alcançara o céu nas primeiras oito rodadas do Campeonato Brasileiro de 2016. Com seis vitórias, um empate e apenas uma derrota, o Colorado liderava a competição e demonstrava um futebol sólido. De repente, despencou ao inferno. A equipe ficou seis partidas sem vencer, Argel Fucks foi demitido, Falcão foi contratado, durou menos de um mês e o Inter não mais se achou no torneio. Resultado: queda inédita para a Série B de 2017. (Gazeta Press)</p>
10 maiores cavalos paraguaios do Brasileirão por pontos corridos


Internacional – O Internacional alcançara o céu nas primeiras oito rodadas do Campeonato Brasileiro de 2016. Com seis vitórias, um empate e apenas uma derrota, o Colorado liderava a competição e demonstrava um futebol sólido. De repente, despencou ao inferno. A equipe ficou seis partidas sem vencer, Argel Fucks foi demitido, Falcão foi contratado, durou menos de um mês e o Inter não mais se achou no torneio. Resultado: queda inédita para a Série B de 2017. (Gazeta Press)

<p>Santa Cruz – O Santa Cruz foi um cavalo tipicamente paraguaio em sua breve passagem pela Série A, em 2016. Nas primeiras quatro rodadas, venceu dois jogos por goleada, marcou 11 gols e liderou a tabela, tendo Grafite como destaque, o que deixou a torcida e a imprensa pernambucana empolgadas. Porém, a queda veio logo, a sequência de resultados negativos se tornou uma constante e o rebaixamento ocorreu tão rápido como o fim do sonho do título por parte do Santinha, que terminou na vice-lanterna da Série A. (Gazeta Press)</p>
10 maiores cavalos paraguaios do Brasileirão por pontos corridos

Santa Cruz – O Santa Cruz foi um cavalo tipicamente paraguaio em sua breve passagem pela Série A, em 2016. Nas primeiras quatro rodadas, venceu dois jogos por goleada, marcou 11 gols e liderou a tabela, tendo Grafite como destaque, o que deixou a torcida e a imprensa pernambucana empolgadas. Porém, a queda veio logo, a sequência de resultados negativos se tornou uma constante e o rebaixamento ocorreu tão rápido como o fim do sonho do título por parte do Santinha, que terminou na vice-lanterna da Série A. (Gazeta Press)

<p>Atlético-MG – O Galo é um dos maiores cavalos paraguaios dos pontos corridos. Em três oportunidades liderou o campeonato no começo, mas acabou ficando para trás. Em 2009, o Atlético-MG chegou a liderar entre a 6ª e a 8ª rodada e da 10ª até a 14ª, mas não manteve o ritmo e perdeu espaço para o Internacional e o Palmeiras, que passaram a duelar, até o Flamengo crescer na reta final e levar a taça. Em 2012, os mineiros pontearam o torneio da sétima até a 21ª rodada, mas não tiveram fôlego para superar o Fluminense, que vinha embalado, o ultrapassou na 22ª rodada e foi rumo ao título daquele ano. O Galo seguiu tentando, mas acabou como vice-campeão. Três anos depois, novamente iniciou bem o torneio e liderou entre as rodadas 11 a 17. Mas viu o Corinthians chegar, ultrapassar e levar o campeonato. Ficou de novo em segundo lugar. (Gazeta Press)</p>
10 maiores cavalos paraguaios do Brasileirão por pontos corridos

Atlético-MG – O Galo é um dos maiores cavalos paraguaios dos pontos corridos. Em três oportunidades liderou o campeonato no começo, mas acabou ficando para trás. Em 2009, o Atlético-MG chegou a liderar entre a 6ª e a 8ª rodada e da 10ª até a 14ª, mas não manteve o ritmo e perdeu espaço para o Internacional e o Palmeiras, que passaram a duelar, até o Flamengo crescer na reta final e levar a taça. Em 2012, os mineiros pontearam o torneio da sétima até a 21ª rodada, mas não tiveram fôlego para superar o Fluminense, que vinha embalado, o ultrapassou na 22ª rodada e foi rumo ao título daquele ano. O Galo seguiu tentando, mas acabou como vice-campeão. Três anos depois, novamente iniciou bem o torneio e liderou entre as rodadas 11 a 17. Mas viu o Corinthians chegar, ultrapassar e levar o campeonato. Ficou de novo em segundo lugar. (Gazeta Press)

<p>Sport – O Sport teve uma bela campanha em 2015. Chegou a ficar em primeiro por cinco rodadas, brigou bastante com os adversários, mas passou por uma sequência negativa de resultados após perder a liderança na 11ª rodada e viu o sonho do bicampeonato nacional morrer. Terminou o Campeonato Brasileiro em sexto lugar. (Gazeta Press)</p>
10 maiores cavalos paraguaios do Brasileirão por pontos corridos

Sport – O Sport teve uma bela campanha em 2015. Chegou a ficar em primeiro por cinco rodadas, brigou bastante com os adversários, mas passou por uma sequência negativa de resultados após perder a liderança na 11ª rodada e viu o sonho do bicampeonato nacional morrer. Terminou o Campeonato Brasileiro em sexto lugar. (Gazeta Press)

<p>Corinthians – O Corinthians já teve a sua vez de cavalo paraguaio, embora quase tenha ficado com o caneco. Em 2010, a equipe começou disparando na ponta e ficou sem ver ninguém a sua frente por oito rodadas seguidas. Seu predomínio acabou na 12ª, quando o Fluminense assumiu a liderança. O Timão continuou brigando, chegou a retomar a frente entre as rodadas 23 e 24 e, após nova queda, voltou à ponta na 35ª, mas o Flu se manteve firme e ficou com a taça. Ao Alvinegro restou a terceira colocação e uma vaga na Libertadores como consolação. (Gazeta Press)</p>
10 maiores cavalos paraguaios do Brasileirão por pontos corridos

Corinthians – O Corinthians já teve a sua vez de cavalo paraguaio, embora quase tenha ficado com o caneco. Em 2010, a equipe começou disparando na ponta e ficou sem ver ninguém a sua frente por oito rodadas seguidas. Seu predomínio acabou na 12ª, quando o Fluminense assumiu a liderança. O Timão continuou brigando, chegou a retomar a frente entre as rodadas 23 e 24 e, após nova queda, voltou à ponta na 35ª, mas o Flu se manteve firme e ficou com a taça. Ao Alvinegro restou a terceira colocação e uma vaga na Libertadores como consolação. (Gazeta Press)

<p>Flamengo – O Flamengo teve uma boa arrancada no Campeonato Brasileiro de 2008. Com vitórias seguidas, permaneceu na ponta da 5ª até a 13ª rodada. Contudo, uma sequência de sete partidas sem vitória fez o Mengão despencar na tabela de classificação. No final das contas, a equipe se recuperou e ainda ficou em quinto lugar naquele ano. (Gazeta Press)</p>
10 maiores cavalos paraguaios do Brasileirão por pontos corridos

Flamengo – O Flamengo teve uma boa arrancada no Campeonato Brasileiro de 2008. Com vitórias seguidas, permaneceu na ponta da 5ª até a 13ª rodada. Contudo, uma sequência de sete partidas sem vitória fez o Mengão despencar na tabela de classificação. No final das contas, a equipe se recuperou e ainda ficou em quinto lugar naquele ano. (Gazeta Press)

<p><br>Botafogo – O botafoguense lembra com tristeza do Brasileiro de 2007. Isso porque, o Fogão liderou por 11 rodadas, sendo nove seguidas (da 8ª à 16ª), em um início avassalador. Porém, ao empatar sem gols com o Paraná, em Curitiba, o Botafogo perdeu a ponta da tabela para o São Paulo – 33 pontos a 32. Na rodada seguinte, o confronto que poderia valer o título: Botafogo x São Paulo, no Maracanã. Os cariocas, porém, não foram páreos para o Tricolor, que venceu por 2 a0 e arrancou para o bicampeonato. (Gazeta Press)</p>
10 maiores cavalos paraguaios do Brasileirão por pontos corridos


Botafogo – O botafoguense lembra com tristeza do Brasileiro de 2007. Isso porque, o Fogão liderou por 11 rodadas, sendo nove seguidas (da 8ª à 16ª), em um início avassalador. Porém, ao empatar sem gols com o Paraná, em Curitiba, o Botafogo perdeu a ponta da tabela para o São Paulo – 33 pontos a 32. Na rodada seguinte, o confronto que poderia valer o título: Botafogo x São Paulo, no Maracanã. Os cariocas, porém, não foram páreos para o Tricolor, que venceu por 2 a0 e arrancou para o bicampeonato. (Gazeta Press)

<p>Criciúma – O início do Brasileirão de 2004 foi bem equilibrado, o que permitiu que times menores sobressaíssem no começo. Caso do Figueirense, que chegou a liderar poucas rodadas, mas foi superado pelo Criciúma, que ponteou o campeonato entre a sétima e a 10ª rodada. A torcida já falava em título, a cidade se empolgou, mas a equipe ficou seis jogos sem vencer, afundou na classificação e acabou rebaixada na última rodada, após empatar por 3 a 3 com o Coritiba, em casa. (Gazeta Press)</p>
10 maiores cavalos paraguaios do Brasileirão por pontos corridos

Criciúma – O início do Brasileirão de 2004 foi bem equilibrado, o que permitiu que times menores sobressaíssem no começo. Caso do Figueirense, que chegou a liderar poucas rodadas, mas foi superado pelo Criciúma, que ponteou o campeonato entre a sétima e a 10ª rodada. A torcida já falava em título, a cidade se empolgou, mas a equipe ficou seis jogos sem vencer, afundou na classificação e acabou rebaixada na última rodada, após empatar por 3 a 3 com o Coritiba, em casa. (Gazeta Press)

<p>Cruzeiro – O Cruzeiro começou bem o Brasileiro de 2006 e chegou a liderar a competição em quatro rodadas (6ª e 7ª e 10ª e 11ª). No entanto, uma fase tétrica de oito jogos sem vitória iria afastar de vez a Raposa do título. Para piorar, essa sequência ruim foi encerrada com um empate por 2 a 2, no Mineirão, diante do São Paulo, que considera essa partida como a marca da retomada tricolor ao título daquele ano. Isso porque, três dias antes, o São Paulo perdera a final da Libertadores para o Internacional. Mesmo assim, os comandados de Muricy Ramalho tiraram forças para empatar com os cruzeirenses, em grande atuação de Rogério Ceni, que defendeu um pênalti e anotou dois gols naquele jogo, superando o paraguaio Chilavert como o maior goleiro-artilheiro do mundo. Uma história de amargar para os alvicelestes, que terminaram aquela edição do Nacional em 10º lugar. (Gazeta Press)</p>
10 maiores cavalos paraguaios do Brasileirão por pontos corridos

Cruzeiro – O Cruzeiro começou bem o Brasileiro de 2006 e chegou a liderar a competição em quatro rodadas (6ª e 7ª e 10ª e 11ª). No entanto, uma fase tétrica de oito jogos sem vitória iria afastar de vez a Raposa do título. Para piorar, essa sequência ruim foi encerrada com um empate por 2 a 2, no Mineirão, diante do São Paulo, que considera essa partida como a marca da retomada tricolor ao título daquele ano. Isso porque, três dias antes, o São Paulo perdera a final da Libertadores para o Internacional. Mesmo assim, os comandados de Muricy Ramalho tiraram forças para empatar com os cruzeirenses, em grande atuação de Rogério Ceni, que defendeu um pênalti e anotou dois gols naquele jogo, superando o paraguaio Chilavert como o maior goleiro-artilheiro do mundo. Uma história de amargar para os alvicelestes, que terminaram aquela edição do Nacional em 10º lugar. (Gazeta Press)

<p>Ponte Preta – A Ponte Preta teve um início avassalador na edição de 2005 do torneio nacional. Sob o comando de Vadão, liderou a competição por oito rodadas (entre a 8ª e a 15ª), deixando parte de Campinas animada, embora surpresa, com o rendimento do clube. Porém, Vadão saiu, a Macaca empatou com o Inter em casa e perdeu a liderança para o Corinthians, que ainda iria ganhar da rival campineira na rodada seguinte e seguir o caminho do título. A Ponte acabou terminando a temporada na 18ª colocação, a dois pontos do rebaixamento. (Gazeta Press)</p>
10 maiores cavalos paraguaios do Brasileirão por pontos corridos

Ponte Preta – A Ponte Preta teve um início avassalador na edição de 2005 do torneio nacional. Sob o comando de Vadão, liderou a competição por oito rodadas (entre a 8ª e a 15ª), deixando parte de Campinas animada, embora surpresa, com o rendimento do clube. Porém, Vadão saiu, a Macaca empatou com o Inter em casa e perdeu a liderança para o Corinthians, que ainda iria ganhar da rival campineira na rodada seguinte e seguir o caminho do título. A Ponte acabou terminando a temporada na 18ª colocação, a dois pontos do rebaixamento. (Gazeta Press)

Leia também