10 jogadores que ficaram muito tempo encostados antes de trocarem de clube

No dia 15 de março, o Corinthians anunciou o afastamento do voltante Cristian por tempo indeterminado – o jogador passou a treinar em horários diferentes dos demais jogadores. O gerente de futebol, o ex-jogador Alessandro, disse que Cristian não mostra evolução e expõe o time publicamente. A história do futebol mostra vários outros exemplos de atletas que foram afastados por longos períodos antes de voltarem a jogar.

Por Rodrigo Borges

10 jogadores que ficaram muito tempo encostados antes de trocarem de clube

Schweinsteiger – O meia campeão com a Alemanha é um ícone no Bayern de Munique, que defendeu de 2002 a 2015, quando foi para o Manchester United. Na Inglaterra, disputou 35 jogos em duas temporadas e perdeu espaço com a chegada de José Mourinho. Sem perspectivas, chegou a jogar com o time sub-23 até ser negociado em março de 2017 com o Chicago Fire, da MLS. Foto: Gazeta Press

10 jogadores que ficaram muito tempo encostados antes de trocarem de clube

Ariel – Argentino que defendeu o Internacional em apenas 12 jogos no ano passado, Ariel estava afastado do Colorado desde o fim da temporada 2016, que marcou o rebaixamento do time. Apenas no começo de março a situação do atacante foi resolvida, com uma transferência para o Barcelona. Não o da Espanha, mas, sim, o de Guyaquil, no Equador. Foto: Gazeta Press

10 jogadores que ficaram muito tempo encostados antes de trocarem de clube

Marcelo Hermes – O lateral-esquerdo experimentou a temperatura da geladeira do Grêmio durante cinco meses. Afastado em junho de 2016 pelo clube por divergências na negociação para renovar contrato, o jogador só conseguiu resolver a situação em janeiro, quando foi apresentado pelo Benfica. Em Portugal, no entanto, ainda não conseguiu se firmar. Foto: Gazeta Press

10 jogadores que ficaram muito tempo encostados antes de trocarem de clube

Dagoberto – O atacante foi uma grande promessa do futebol brasileiro no início do século, mas chegou à fase final da carreira sem brilho. Em agosto de 2015, foi afastado pelo Vasco – que seria rebaixado à Série B – e só voltou a jogar quase sete meses depois, pelo Vitória. No período, até jogou torneios de golfe. Aos 34 anos, decidiu ficar sem jogar sem prazo para voltar. Foto: Gazeta Press

10 jogadores que ficaram muito tempo encostados antes de trocarem de clube

Kleber – O Gladiador, como é conhecido, foi afastado pelo Grêmio no começo de 2015, quando o time era comandado por Felipão. O atacante treinava em horário separado dos demais atletas e foi à Justiça para conseguir rescindir o contrato para, assim, conseguiu estrear pelo Coritiba no fim de junho, quando já estava há sete meses sem disputar uma partida. Foto: Gazeta Press

10 jogadores que ficaram muito tempo encostados antes de trocarem de clube

Lúcio – Em janeiro de 2014, o Palmeiras anunciou a contratação do zagueiro Lúcio, campeão da Copa de 2002. O jogador, então com 35 anos, chegou ao clube depois de seis sem jogar pelo rival São Paulo, afastado por ter brigado com o técnico Paulo Autuori. No Palmeiras não foi muito melhor: fez apenas uma das duas temporadas do contrato e foi para o futebol indiano. Foto: Gazeta Press

10 jogadores que ficaram muito tempo encostados antes de trocarem de clube

Fabio Costa – O ótimo goleiro que brilhou no Santos campeão brasileiro de 2002 teve um fim de carreira melanólico no Peixe. O jogador de temperamento explosivo foi afastado em 2009, após se recuperar de fratura no pé, e emprestado ao Atlético-MG e ao São Caetano, sem sucesso. Voltou ao Santos, mas, sem chance de ser aproveitado se aposentou em dezembro de 2013. Foto: Gazeta Press

10 jogadores que ficaram muito tempo encostados antes de trocarem de clube

Marcelinho Carioca – Um dos maiores ídolos da história do Corinthians, o Pé de Anjo foi afastado em julho de 2001, acusado de espalhar boatos para prejudicar outros jogadores, principalmente Ricardinho. Na Justiça, o meia conseguiu o direito de se transferir e pouco menos de dois meses depois estreou pelo Santos, onde teve vida curta: 15 jogos e apenas cinco gols. Foto: Gazeta Press

10 jogadores que ficaram muito tempo encostados antes de trocarem de clube

Ronaldo – O goleiro teve sua passagem encerrada no Corinthians por diferenças com o técnico Vanderlei Luxemburgo. Em 1998, um ano depois de ser campeão paulista como capitão, ficou 40 dias treinando separado e sem contrato. Diz que decidiu sair ao escutar uma conversa do treinador com o preparador físico Antonio Mello. Foi para o Fluminense. Foto: Gazeta Press

10 jogadores que ficaram muito tempo encostados antes de trocarem de clube

Afonsinho – Em 1972, Afonsinho tomou uma decisão que o tornaria famoso: o meia do Botafogo não queria cortar cabelo e barba, como o clube exigia, e foi à Justiça para ter passe livre, assim não teria mais “dono”. Viveu uma desgastante disputa com o Botafogo, que o emprestara ao Olaria para encostá-lo. Mas, em plena ditadura, tornou-se o primeiro a ter o passe livre. Foto: Gazeta Press