Ex-técnico é acusado de estuprar tenista francesa

Pierre Bouteyre, ex-técnico da tenista francesa Fiona Ferro, foi acusado de estuprá-la e agredi-la sexualmente quando ela era adolescente, de acordo com reportagem da AFP. (Clive Brunskill/Getty Images) (Getty Images)

Pierre Bouteyre, ex-técnico da tenista francesa Fiona Ferro, foi acusado de estuprá-la e agredi-la sexualmente quando ela era adolescente, de acordo com reportagem da AFP.

Ferro, 25 anos, é o jogador nº 259 do mundo e perdeu no qualy do US Open. Ela acusou Bouteyre, 50 anos, de estupro e agressão sexual de 2012 a 2015, quando ela teria entre 15 e 18 anos, disse seu advogado à AFP. Bouteyre viajou com Ferro e foi seu treinador particular, disse o advogado.

De acordo com o promotor do caso, Bouteyre foi acusado de estupro de um menor por uma pessoa com autoridade sobre a vítima. O advogado de Bouteyre disse à AFP que "reconhece que o relacionamento ocorreu, mas nega qualquer coerção". "Foi uma história de amor de acordo com ele", disse seu advogado.

A Federação Francesa de Tênis disse em um comunicado no sábado que está "examinando a possibilidade de entrar com uma ação civil neste caso".

"Gostaríamos de expressar nosso apoio a Fiona Ferro, respeitando a presunção de inocência, em um momento que sabemos ser particularmente difícil para ela", disse Gilles Moretton, presidente da federação francesa. atualmente ajudando-a e faremos tudo o que pudermos para ajudá-la a reconstruir sua vida".

Enquanto isso, um porta-voz da Associação de Tênis Feminino (WTA) disse à Associated Press no sábado (3) que a organização aplaude "Fiona por ter a coragem de apresentar essas alegações".

"Estamos satisfeitos em ver uma investigação completa e um processo legal em andamento'', dizia o comunicado. "A WTA se dedica a garantir um ambiente seguro em nossa turnê. A salvaguarda requer vigilância, e continuamos a investir em educação, treinamento e recursos para melhorar nossos esforços.''

A ex-número 1 do mundo Victoria Azarenka, que também faz parte do conselho de jogadoras da WTA, falou em apoio a Ferro após sua vitória na terceira rodada no sábado.

Pierre Bouteyre, ex-técnico da tenista francesa Fiona Ferro, foi acusado de estuprá-la e agredi-la sexualmente quando ela era adolescente, de acordo com reportagem da AFP. (Robert Prange/Getty Images)
Pierre Bouteyre, ex-técnico da tenista francesa Fiona Ferro, foi acusado de estuprá-la e agredi-la sexualmente quando ela era adolescente, de acordo com reportagem da AFP. (Robert Prange/Getty Images)

"Eu a aplaudo por ser corajosa", disse Azarenka na entrevista coletiva. “Espero que esta situação – ela saia mais forte – e que [seu] tênis não seja arruinado para ela por causa disso”.

Falando de forma mais ampla, Azarenka disse que os treinadores podem ser manipuladores e as jovens jogadoras em turnê estão "sendo aproveitadas em diferentes situações", acrescentando que este é o assunto número 1 com o qual o Conselho de Jogadores lida. É preciso haver mais pesquisa e diálogo aberto para garantir que tais situações sejam "eliminadas", disse o bicampeão do Grand Slam.

Ecoando Azarenka, o número 1 do mundo, Iga Swiatek, disse: "Espero que, se algo assim acontecer, estejamos seguros e confiemos na WTA de que eles cuidarão dessas coisas adequadamente. tenho certeza que eles estão fazendo isso."

Bouteyre também é ex-técnico da francesa Alize Cornet, que venceu Katerina Siniakova na segunda rodada do US Open. Cornet, 32 anos, derrotou a atual campeã do US Open Emma Raducanu na primeira rodada. Após sua vitória no segundo turno, Cornet foi questionada pelo L'Equipe sobre as acusações.

"É um assunto muito sério para eu me debruçar durante o torneio", disse Cornet em francês. "Isso obviamente me afeta muito, e talvez essa seja uma das razões pelas quais eu não durmo muito bem à noite. Obviamente mando um grande apoio para Fiona, o que fiz por mensagem porque ela é minha amiga.”

Na sexta-feira (2), Ferro postou um comunicado nas redes sociais confirmando que não consentiu com o contato sexual de Bouteyre e deposita sua confiança no sistema de justiça. Ela continuou dizendo que não faria mais declarações.