Ex-goleiro se assume gay e diz que 'fama' prejudicou carreira

SÃO PAULO, SP (UOL/FOLHAPRESS) - O ex-goleiro Emerson, que teve passagens por Grêmio, Flamengo, Juventude, Bahia, entre outros, se assumiu gay e afirmou que a "fama" de ser homossexual prejudicou a carreira dele no futebol.

"Eu parei de jogar com 35 anos, fui até o final, joguei em vários clubes. Sei que a fama me prejudicou bastante. Eu poderia até ter tido muito mais sucesso. Poderia ter feito muito mais coisas do que fiz, ter conquistado muito mais coisas. Eu acredito que é muito positiva (a carreira), principalmente por ter conseguido enfrentar tudo isso, ter sobrevivido até o final. O fato de ser gay não me parou, eu fui até o final. Mas sei de dirigentes que não me contrataram porque eu sou gay", disse ao podcast "Nos Armários dos Vestiários".

"A minha vida pessoal, a cada defesa que eu fazia, cada vez que eu me destacava mais dentro de campo, o buraco vazio aumentava também inversamente proporcional. Quanto mais famoso eu ficava, mais difícil se tornava ser gay dentro desse ambiente", contou.

Emerson ainda declarou que pensou em desistir da carreira de jogador profissional. O ex-goleiro tinha medo que descobrissem que ele é gay.

"Eu sofri bastante. Várias vezes eu pensei em desistir. Tive depressão, principalmente por conta da solidão. Eu não tinha com quem dividir isso e era um peso muito grande nas minhas costas. E ao mesmo tempo precisava entregar desempenho, porque no futebol, se você não entrega desempenho, se não joga bem, perde a sua posição, perde contratos."

Emerson agora sonha que outros atletas gays não desistam do futebol e busca ser um exemplo para estes jogadores.

"É possível ser gay, ídolo e ganhar títulos. Dá para ser um jogador talentoso. Dá para ter sucesso no futebol. Eu cumpri minhas obrigações dignamente. Fui profissional e entreguei desempenho, isso acaba me motivando para deixar um legado fora de campo também. Falar sobre o assunto, jogar luz sobre o assunto vai fazer, com certeza, primeiro, quebrar um pouco esse silêncio que existe, porque sempre existiu gay no futebol. Só que ninguém fala, todo mundo ignora isso, faz de conta que não tem", disse.