Entenda por que sócios e conselheiros defendem reeleição no SPFC

Atual mandato de Julio Casares se encerra em dezembro de 2023 (Rubens Chiri/São Paulo) (Rubens Chiri/São Paulo)

Julio Casares reeleito presidente do São Paulo? Nos últimos dias, foi protocolado no Conselho Deliberativo do São Paulo um pedido de reforma estatutária do clube. Após parecer da Comissão Legislativa, deverá ser convocada uma reunião para a votação no conselho e, se aprovada, a tese será avaliada pelos sócios. Mas por que tal pedido foi feito? O Blog foi atrás das respostas.

Em linhas gerais, os integrantes do grupo "Juntos pelo São Paulo" avaliam de forma positiva a primeira metade da gestão de Julio Casares. Após cinco anos da Era Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, Casares herdou o Tricolor com problemas, como ter de pagar praticamente uma folha e meia de salário dos jogadores, por causa do acordo feito durante a pandemia pela antiga diretoria.

"O pedido é para apenas uma reeleição, sendo que aí o voto definirá se o dirigente fez uma boa gestão", explica um dos líderes do grupo, em contato com o Blog. "Ou seja, diferentemente do que desavisados tentam dizer, haverá democracia e não será uma reeleição direta", acrescenta.

Para os defensores da reeleição de Casares, o Tricolor foi bem esportivamente nos primeiros 20 meses de gestão. O título do Paulistão de 2021 acabou com uma fila que durava desde 2012. "Essa conquista foi a primeira de milhares de crianças são-paulinas", lembra a fonte.

Em 2022, Rogério Ceni e companhia quebraram outro tabu: o clube não chegava num mesmo ano a duas semifinais e a uma final desde 2012 - os são-paulinos foram à final do estadual e estão na semifinal da Copa Sul-Americana e da Copa do Brasil.

A torcida também teve papel importante, fazendo do São Paulo o terceiro com maior média de público do Brasil na temporada, com 33.117 torcedores por jogo em casa. Para ajudar o público, foi criado o setor com preço popular.

O departamento de futebol, que conta com Muricy Ramalho, Rui Costa e Carlos Belmonte, tem tentado adiantar o planejamento. Já renovou o contrato com o técnico Rogério Ceni e sua comissão, por exemplo. Ainda nesse caminho, fechou contratações, algumas sem custo algum, como as de Ferraresi e Bustos (que chegaram do Grupo City pela boa relação de Casares).

"Dependendo do fechamento da temporada, os números financeiros também devem ser mais positivos, após anos de déficit", adverte um dos líderes do "Juntos pelo São Paulo".

Fora de campo, as receitas com patrocínios aumentaram substancialmente. O clube já garantiu R$ 146 milhões de marketing garantidos para os próximos três anos, sendo que o clube não tinha garantias antes. Também na visão do grupo, na área social, há melhorias e previsão de modernizações, como a construção de uma passarela. No entorno do clube, ainda foi acertado com o poder público que um piscinão poderá diminuir os efeitos das chuvas e as enchentes na região.