Em 'Praia dos Crânios Quebrados', brasileiros podem ter quatro vagas na final da WSL

Teahupo'o volta ao Mundial de Surfe depois de dois anos (Foto: Matt Dunbar/WSL via Getty Images)
Teahupo'o volta ao Mundial de Surfe depois de dois anos (Foto: Matt Dunbar/WSL via Getty Images)

Disputa brasileira

Se o corte no meio da temporada tirou a chance da revelação João Chumbinho (7.310 pontos), Deivid Silva (7.310 pontos), Yago Dora (1.060 pontos) e Gabriel Medina (1.060 pontos), a última etapa da temporada regular do mundial, o Outerknown Tahiti Pro, pode garantir até 4 brasileiros (a) nas 10 vagas possíveis.

Dos oito brasileiros que estarão nessa eta, dois estão classificados pra finalíssima, em Trestles (EUA), no próximo mês. Dois deles já estão nas finais: Filipe Toledo, líder no masculino e Tatiana Weston-Webb, 3º lugar entre as mulheres.

Para garantir sua vaga nas finais, Italo Ferreira só precisa passar uma bateria. Com chances remotas e torcendo por uma combinação de resultados que inclui sua própria vitória, o paulista natural de Maresias, Miguel Pupo também pode ser uma surpresa pra setembro.

Onde a perfeição vira mutilação

Teahupoo, a “praia dos crânios quebrados”, volta a figurar no calendário após dois anos fora após a junção de pandemia em 2020 e o lockdown de 2021 após um surto de coronavírus.

A partir desse ano, Tchopo volta ao cenário mundial com toda força. Primeiro, quebra um tabu que vinha desde 2006, com a volta das mulheres a uma competição de elite por lá. Em 2024, será palco olímpico para homens e mulheres. Pode parecer estranho, o surfe não ser disputado na região de Biarritz, na França, mas a Polinésia Francesa, no Oceano Pacífico, também é uma colônia francesa. O critério da decisão passou pela perfeição das ondas. Mas isso tem um preço, como pode ser visto nesse vídeo...

...e que resultou nesse acidente do local, Gilbert Teavee.

Um show de surfe que pode resultar em show de horrores - a depender do tamanho da onda. A previsão os próximos dias não é animadora e a ação deve rolar a partir do dia 15, na segunda-feira. As chamadas acontecem todos os dias, a partir das 14h15 (horário de Brasília). Site e canal no YouTube da WSL, Sportv3 e Globoplay transmitem ao vivo e em português.

Chumbinho e retorno

Considerada a grande injustiça do corte de meio de temporada, o estreante no WCT, João Chianca já ensaia a volta para elite. No US Open of Surfing, em Huntington Beach, Califórnia (EUA) com ondas atípicas pro local - 1m a 1metrão fechando, Chumbinho foi o único brasileiro a chegar na final e só perdeu para o experiente havaiano Ezekiel Lau.

Com o vice-campeonato, ele é 11º colocado, o último classificado para o CT em 2023, desbancando o compatriota Matheus Herdy. O Challenger Series segue com mais quatro etapas, entre elas, em Saquarema, quintal da casa de Chumbinho.

Chloe em 5º

Com o fim do Challenger Series na Califórnia, foi a vez dos pranchões entrarem em Huntington Beach. E a brasileira Chloe Calmon começou bem e venceu com autoridade a primeira bateria, válida pelas oitavas de final.

Mas as condições do mar mudaram e a carioca não conseguiu vencer a havaiana Kelis Kaleopaa. Ela segue em 2º lugar no ranking, 3800 pontos da líder e tricampeã mundial, Honolua Blomfield.