Em jogo de altos e baixos, Brasil perde para a Itália pela Liga das Nações feminina

A Seleção foi derrotada pela Itália na tarde deste sábado, em Brasília (Wander Roberto/Inovafoto/CBV)


O Brasil perdeu para a Itália por 3 sets a 1 – parciais de 25-17, 25-15, 14-25, 25-14 -, na tarde deste sábado, no Ginásio Nilson Nelson, em Brasília (DF), pela penúltima rodada da segunda semana da Liga Nacional Feminina de Vôlei. Foi a segunda derrota da Seleção Brasileira na competição – perdeu para as norte-americanas, atuais tricampeãs da competição e campeãs olímpicas, por 3 a 0, no encerramento da etapa anterior. Neste domingo, o time do técnico José Roberto Guimarães encerra sua participação em Brasília contra a Sérvia, a partir das 10h.

>>> Finais NBA: Warriors escrevem seu nome entre as maiores dinastias da história da liga


Os dois times oscilaram em todos os sets, mas o Brasil foi mais inconstante. Egonu foi a maior pontuadora do confronto, com 22 pontos. Kisy marcou 12 para a Seleção, que marcou apenas 5 pontos de bloqueio, contra 15 das rivais. O Brasil não viu a cor da bola nos dois primeiros sets. Cometeu 15 erros, contra apenas seis das italianas. Foram 11 erros de saque. Não conseguiu imprimir seu jogo por conta da ineficiência no saque – que surtiu efeito nulo na recepção das italianas – e da inconstância no passe.

Com a bola na mão, a levantadora italiana Malinov distribuiu com muita categoria, jogando com o meio e só usando a Egonu nas bolas de contra-ataque, deixando o bloqueio brasileiro perdido, já que estava preparado para uma enxurrada de bolas para a principal jogadora rival, como de costume.

Zé Roberto Guimarães, que começou o jogo com Macis, Kisy, Carolana, Diana, Pri Daroit, Gabi e Nyeme (líbero), tentou de tudo. Faz a inversão do 5 x 1 com Rosamaria e Roberta e substituiu Pri Daroit- que estava com dificuldades para virar a bola no ataque – por Júlia Bergmann.

No terceiro set, a chave virou. O jogo virou de lado. O saque brasileiro melhorou, a torcida jogou junto e o Brasil abriu logo 5 a 1 sobre as italianas. O saque taticamente mais direcionado fez a leitura do bloqueio melhorar. A Itália começou a tentar fugir da marcação e passou a errar ataques – inclusive com a Egonu. Com o bloqueio bem postado, a defesa passou a fazer a sua função. E, nos contra-ataques de segurança, Gabi, Júlia e Kisy se revezaram. O Brasil marcou 5 pontos de bloqueio na parcial, contra nenhum das italianas. E cometeu quatro erros, contra 8 das rivais.


O Brasil não consegui manter o bom momento no início do quarto set e empacou. Teve dificuldade nas rede de duas (Macris, Diana a Bergmann) Ficou em dois bloqueios e cometeu três erros. A Itália fez 7 a 3 rapidamente e Zé Roberto substituiu Diana por Lorena.

Mas a Seleção seguiu sem conseguir rodar a rede a as italianas abriram 12 a 3. Foram 8 pontos seguidos das europeias contra apenas um das donas da casa. A Itália marcou 7 pontos de bloqueio na parcial, marcando bem o jogo do Brasil, que ficou lento. Sem poder de reação, o Brasil foi presa fácil e acabou perdendo o set por 25 a 14 e o jogo por 3 a 1.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos